quinta-feira, 29 de maio de 2008

Doente de riso


Carlos Barreira da Costa, médico Otorrinolaringologista da mui nobre e Invicta cidade do Porto, decidiu compilar no seu livro "A Medicina na Voz do Povo", com o inestimável contributo de muitos colegas de profissão, trinta anos de histórias, crenças e dizeres ouvidos durante o exercício desta peculiar forma de apostolado que é a prática da medicina.

E dele não resisti a extrair verdadeiras jóias deste tão pouco conhecido léxico que decidi compartilhar convosco.


O diálogo com um paciente com patologia da boca, olhos, ouvidos, nariz e garganta é sempre um desafio para o clínico:

"A minha expectoração é limpa, assim branquinha, parece com sua licença espermatozóides".

"Quando me assoo dou um traque pelo ouvido, e enquanto não puxar pelo corpo, suar, ou o caralho, o nariz não se destapa".

"Não sei se isto que tenho no ouvido é cera ou caruncho".

"Isto deu-me de ter metido a cabeça no frigorífico. Um mês depois fui ao Hospital e disseram-me que tinha bolhas de ar no ouvido".

"Ouço mal, vejo mal, tenho a mente descaída".

"Fui ao Ftalmologista, meteu-me uns parafusinhos nos olhos a ver se as lágrimas saíam".

"Tenho a língua cheia de Áfricas".

"Gostava que as papilas gustativas se manifestassem a meu favor".

"O dente arrecolhia pus e na altura em que arrecolhia às imidulas infeccionava-as".

"A garganta traqueia-me, dá-me aqueles estalinhos e depois fica melhor".


As perturbações da fala impacientam o doente:

"Na voz sinto aquilo tudo embuzinado".

"Não tenho dores, a voz é que está muito fosforenta".

"Tenho humidade gordurosa nas cordas vocais".

"O meu pai morreu de tísica na laringe".


Os "problemas da cabeça" são muito frequentes:

"Há dias fiz um exame ao capacete no Hospital de S. João".

"Andei num Neurologista que disse que parti o penedo, o rochedo ou lá o que é...".

"Fui a um desses médicos que não consultam a gente, só falam pra nós".

"Vem-me muitos palpites ruins, assim de baixo para cima...".

"A minha cabecinha começa assim a ferver e fico com ela húmida, assim aos tombos, a trabalhar".

"Ou caiu da burra ou foi um ataque cardeal"


.Os aparelhos genital e urinário são objecto de queixas sui generis:

"Venho aqui mostrar a parreca".

"A minha pardalona está a mudar de cor".

"Às vezes prega-se-me umas comichões nas barbatanas".

"Tenho esta comichão na perseguida porque o meu marido tem uma infecção na ponta da natureza".

"Fazem aqui o Papa Micau (Papanicolau)?"

"Quantos filhos teve?" - pergunta o médico. "Para a retrete foram quatro, senhor doutor, e à pia baptismal levei três".

"Apareceu-me uma ferida, não sei se de infecção se de uma foda mal dada".

"Tenho de ser operado ao stick. Já fui operado aos estículos".

"Quando estou de pau feito... a puta verga".

"O Médico mandou-me lavar a montadeira logo de manhã".


As dores da coluna e do aparelho muscular e esquelético são difíceis de suportar:

"Metade das minhas doenças é desfalsificação dos ossos e intendência para a tensão alta".

"O pouco cálcio que tenho acumula-se na fractura".

"Já tenho os ossos desclassificados".

"Alem das itroses tenho classificação ossal".

"O meu reumatismo é climático".

"É uma dor insepulcrável".

"Tenho artroses remodeladas e de densidade forte".

"Estou desconfiado que tenho uma hérnia de escala".


O português bebe e fuma muito e desculpa-se com frequência:

"Tomo um vinho que não me assobe à cabeça".

"Eu abuso um pouco da água do Luso".

"Não era ébrio nato mas abusava um pouco do álcool"

"Fujo dos antibióticos por causa do estômago. Prefiro remédios caseiros, a aguardente queimada faz-me muito bem".

"Eu sou um fumador invertebrado".


O aparelho digestivo origina sempre muitas queixas:

"Fui operado ao panquecas".

"Tive três úlceras: uma macho, uma fêmea e uma de gastrina".

"Ando com o fígado elevado. Já o tive a 40, mas agora está mais baixo".

"Eu era muito encharcado a essa coisa da azia".

"Senhor Doutor a minha mulher tem umas almorródias que com a sua licença nem dá um peido".

"Tenho pedra na basílica".

"O meu marido está internado porque sangra pela via da frente e pinga pela via de trás". "Fizeram-me um exame que era uma televisão a trabalhar e eu a comer papa".

"Fiz uma mamografia ao intestino"."

O meu filho foi operado ao pence (apêndice) mas não lhe puseram os trenos (drenos), encheu o pipo e teve que pôr o soma (sonda)".


Os medicamentos e os seus efeitos prestam-se às maiores confusões:

"Ando a tomar o Esperma Canulado"- Espasmo Canulase"

Tenho cataratas na vista e ando a tomar o Simião" - Sermion "

Andei a tomar umas injecções de Esferovite" - Parenterovit "

Era um antibiótico perlim pim pim mas não me fez nada" - Piprilim"

Agora estou melhor, tomo o Bate Certo" - Betaserc"

Tomo o Sigerom e o Chico Bem" - Stugeron e Gincoben

"Ando a tomar o Castro Leão" - Castilium

"Tomei Sexovir" - Isovir"

Tomo uma cábulas à noite".

"Tomei uns comprimidos "jaunes", assim amarelados".

"Tomo uns comprimidos a modos de umas aboborinhas".

"Receitou-me uns comprimidos que me põem um pouco tonha".

"Estava a ficar com os abéticos no sangue".

"Diz lá no papel que o medicamento podia dar muitas complicações e alienações".

"Quando acordo mais descaída tomo comprimidos de alta potência e fico logo melhor".

"Ó Sra. Enfermeira, ele tem o cu como um véu. O líquido entra e nem actua".

"Na minha opinião sinto-me com melhores sintomas".


O que os doentes pensam do médico:

"Também desculpe, aquela médica não tinha modinhos nenhuns".

"Especialista, médico, mas entendido!".

"Não sou muito afluente de vir aos médicos".

"Quando eu estou mal, os senhores são Deus, mas se me vejo de saúde acho-vos uns estapores".

"Gosto do Senhor Doutor! Diz logo o que tem a dizer, não anda a engasular ninguém".

"Não há melhor doente que eu! Faço tudo o que me mandam, com aquela coisa de não morrer".


Em relação ao doente o humor deve sempre prevalecer sobre a sisudez e o distanciamento. Senão atentem neste "clássico":

"Ó Senhor Doutor, e eu posso tomar estes comprimidos com a menstruação? Ao que o médico retorque: "Claro que pode. Mas se os tomar com água é capaz de não ser pior ideia. Pelo menos sabe melhor."

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Filmes de uma vida - "Ladrões de bicicletas"


Roma, nos anos imediatamente a seguir à Segunda Guerra Mundial, é uma cidade ainda sob o espectro da devastação, onde milhões de pessoas vivem em condições de grande desespero. António é um dos incontáveis desempregados que buscam sustento na cidade. Quando encontra uma posição a entregar cartazes de filmes, a sua bicicleta torna-se essencial para as suas rondas. Porém, a bicicleta é roubada e António e o seu filho correm a cidade em busca do seu único meio de sobrevivência.
Exemplo máximo do neo-realismo italiano, este filme rodado em 1947 por Vittorio De Sica, que aqui expôs o credo politico artístico do neo-realismo, criando um filme rodado em cenários naturais, com não actores e filmado num estilo documental que muito contribuiu para a identificação do espectador com os problemas de pessoas bem reais. Uma das mais absolutas obras primas do cinema italiano, bela e pungente, cujas imagens ficam connosco muito além do filme.

domingo, 25 de maio de 2008

Acqua

Este vídeo, que nos mostra um extraordinário bailado aquático, no qual uma mulher se vai desnudando lentamente, em imagens belìssimas, foi tirado daqui



O autor deste vídeo é o realizador e fotógrafo francês Stephane Sednaoui e está inserido num seu trabalho de 2002 "Acqua Natasa"; Sednaoui é o realizador de inúmeros clips musicais dos mais célebres nomes do panorama internacional, nomeadamente, Bjork, Madonna, R.E.M., U-2, Red Hot Chilli Pepper e outros.

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Quatro frases

" O homem cria roupa para a mulher com quem quer estar, e na maioria dos casos, para a mulher que quer ser."

(Rupert Everrett, actor, no filme "Pronto a vestir")


"Na América o sexo é uma obsessão, noutras partes do mundo é um facto."

(Marlene Dietrich, actriz)

"O génio é a capacidade de ver dez coisas onde o homem comum vê uma."

(Ezra Pound, poeta norte americano)

"A mulher faz, o homem é."

(Doris Lessing, vencedora do Nobel da literatura em 2007)


quarta-feira, 21 de maio de 2008

Boleia à siciliana

Se o Catatau tivesse um blog, eu não estava a pôr este vídeo aqui; decerto teria sido ele a postar, pois recebi o mail, dele...



terça-feira, 20 de maio de 2008

Passado e presente: 1. "Para começar" e 2. "Velhos cinemas de Lisboa"


Após o post de apresentação:



Porquê? E porquê, agora? Porque não agora?Porque sempre gostei de pôr no "papel", algumas ideias e talvez, com a ajuda de alguém, desenvolver certos temas.Agora, porque tenho mais tempo e, principalmente, sinto-me com a experiência e a "juventude"suficiente para o fazer. Gostaria de ter aqui a "companhia" de algumas opiniões, não necessariamente concordantes, para continuar a acreditar que se aprende em cada minuto da vida.

(Este post teve 1 comentário “anónimo” que dizia apenas: JVT! – um doce a quem adivinhar não quem o fez, é fácil, mas o que “diz”…)

Seguiu-se o primeiro texto:


Os velhos cinemas de Lisboa


É com certa nostalgia que recordo alguns (muitos...) cinemas que existiam, ou existem, mas com outras funções, nesta nossa cidade.Quando jovem, vim estudar para cá, abundavam os cinemas de reprise, onde por meia dúzia de escudos se podiam ver sessões duplas estupendas, e outros com algum outro pretensiosismo, eram chamados "cinemas de bairro".Entre os primeiros, como esquecer o CHIADO TERRACE, paredes meias com o luxuoso S.LUIZ, naquela infelizmente célebre António Maria Cardoso, o PARIS, um pouco mais abaixo o admirável JARDIM CINEMA (o palhinhas), o CINEARTE, o IDEAL, o IMPERIAL, sem esquecer essas fellinianas salas que eram o SALÃO LISBOA, aquele outro ao Arco de Bandeira, e claro o resistente até há pouco OLÍMPIA (este por razões muito específicas e mais almodovorianas).Muitos outros, existem ainda, mas dedicados a outras actividades: o IMPÉRIO, O ALVALADE, o CONDES, o ÓDEON, o ÉDEN, o EUROPA, o APOLO 70 (precursor de um novo estilo) , o ESTÚDIO (memoráveis sessões das 18,30, que me mostraram todo o Bergman possível) e outros que porventura não recordo. Ah, quase esquecia o MONUMENTAL...Noutro aspecto, permanecem com programações distintas, mas existem, o S.JORGE, o S. LUIZ, o TIVOLI, o ROMA.Agora, a oferta das distribuidoras tem múltiplas opções, mas não posso deixar de me congratular com a perseverança de um cinema, que não sendo dos mais antigos, tem já o seu tempo, inovou quando abriu com as suas 4 salas e tem mantido uma programação muito estimulante, quase mesmo alternativa; é o caso do QUARTETO!Também com uma programação diferente é justo referir o NIMAS.Como gostaria hoje de assistir numa cadeira de verga, na Pedro Álvares Cabral, por exemplo a uma dupla de "OS INACTIVOS", de Fellini e de "LADRÕES DE BICICLETAS, de Vittorio de Sicca?


Ambos datados de 6 de Novembro de 2006; é curioso como o tempo vai marcando as situações, pois a “homenagem” que eu fazia à teimosia do Quarteto, hoje e infelizmente já não tem razão de ser.
Com este post, vou repor aqui alguns textos recuperados do meu apagado blog, pois também houve um aumento considerável de leitores, e mesmo dos que havia, na altura, muitos deixaram de existir ou estão há muito inactivos (não é, amigo Lampejo?)

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Receita de "Frango com Whisky"



INGREDIENTES:

- 01 garrafa de whisky (do bom claro!)

- 01 frango de aproximadamente 02 quilos

- sal, pimenta e cheiro verde a gosto

- 350 ml de azeite de oliva extra virgem

- nozes moídas

MODO DE PREPARAR:

- pegue o frango

- beba um copo de whisky

- envolver o frango e temperá-lo com sal, pimenta e cheiro verde a gosto.

- massajá-lo com azeite.

- Pré-aquecer o forno por aproximadamente 10 minutos.

- Sirva-se de uma boa dose de whisky enquanto aguarda.

- Use as nozes moídas como "tira gosto".

- Colocar o frango numa frigideira grande.

- Sirva-se de mais duas doses de whisky.

- Axustar o terbostato na marca 3 , e debois de uns vinch binutos, botar para assassinar.

- digu: assar a ave.

- Derrubar uma dose de whisky debois de beia hora, formar abaertura egontrolar a assadura do frango.

- Tentar zentar na gadeira, servir-se de uoooooooootra dose sarada de whisky.

- Cozer(?), costurar(?), cozinhar, sei lá, voda-se o vrango.

- Deixáááá o filho da buta do pato no vorno por umas 4 horas.

- Tentar retirar o vrango do vorno. Num vai guemar a mão, garaio! -

Mandar mais uma boa dose de whisky pra dentro . . de você,é claro.

- Tentar novamente tirar o sacana do vrango do vorno, porque na primeira teenndadiiiva dããão deeeeuuuuuu.

- Begar o vrango que gaiu no jão e enjugar o filho da buta com o bano de jão e cologá-lo numa pandeja ou qualquer outra borra, bois avinal você nem gosssssssssta muito dessa bosta mesmo.

- Tá Bronto.

domingo, 18 de maio de 2008

Anúncio de casamento


Há dois dias foi finalmente aprovado superiormente, depois da oposição do governador do estado da Califórnia, o republicano e homofóbico ex medíocre actor Arnold Schwarzenegger, o casamento entre pessoas do mesmo sexo naquele estado norte-americano, que assim se juntou ao estado de Massachussets.
Aproveitando o seu show, a actriz Ellen de Generes, anunciou pùblicamento o seu próximo casamento com a sua namorada de há longo tempo Portia de Rossi.

sábado, 17 de maio de 2008

Transexuais da Sétima Arte

Se o facto da homossexualidade assumida ou escondida, de personalidades ligadas ao cinema, sempre foi muito badalada pelos “media” e junto a outras personalidades do “show business”, essas saídas do armário já não surpreendem ninguém, já é diferente a mudança de sexo, menos vulgar e quase sempre pouco falada.
E no entanto, e só para falar nos tempos mais recentes foram três as personalidades ligadas ao sexo, que assumiram a sua transexualidade, no mundo da sétima arte.


O actor que tantas vezes interpretou papéis de homossexual em filmes não muito ambiciosos e sem grande carreira comercial, ALEXIS ARQUETTE, o único do qual consegui fotos antes e depois da mudança de sexo.Um dos irmãos que dirigiu os tês filmes “Matrix”, LARRY WACHOWSKI. O realizador, galardoado com um Óscar de melhor realizador, com o filme “O caçador”, que dirigiu também “O ano do dragão” e “As portas do céu”, MICHAEL CIMINO.




A ver vamos se a moda pega…
Por cá, não é que seja uma personalidade do cinema, mas também faz fitas, temos um candidato: José Castelo-Branco!




Acho que este post se integra bem no "Dia Mundial Contra a Homofobia", que hoje se comemora, já que a transexualidade é talvez um dos menos apoiados e mais difíceis problemas do mundo GLBT.

quinta-feira, 15 de maio de 2008

K.D.Lang - "Fado Hilário"




É no minimo surpreendente, ouvir K.D.Lang a cantar em português, a cantar um fado...e, mais que um fado, um fado de Coimbra (talvez, neste ponto, haja alguém que ache ajustado...)
Que me perdõem os puristas do fado, os fãs incondicionais da música de KDL, mas ela é sempre igual a si própria: não liga a tradições, não liga a convenções e está-se nas tintas para as razões...

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Do oito ao oitenta

Eu axo q os alunos n devem d xumbar qd n vam á escola. Pq o aluno tb temdireitos e se n vai á escola latrá os seus motivos pq isto tb é perciso ver qá razões qd um aluno não vai á escola. primeiros a peçoa n se sente motivadapq axa q a escola e a iducação estam uma beca sobre alurizadas.Valáver, o q é q intereça a um bacano se o quelima de trásosmontes é muntomontanhoso? ou se a ecuação é exdruxula ou alcalina? ou cuantas estrofes temum cuadrado? ou se um angulo é paleolitico ou espongiforme? Hã?E ópois os setores ainda xutam preguntas parvas tipo cuantos cantos tem 'oslesiades', q é um livro xato e q n foi escrevido c/ palavras normais mas q noaspequeto é como outro qq e só pode ter 4 cantos comós outros, daaaah.Ás veses o pipol ainda tenta tar cos abanos em on, mas os bitaites dos profesaté dam gomitos e a malta re-sentesse, outro dia um arrotou q os jovens n temabitos de leitura e q a malta n sabemos ler nem escrever e a sorte do gimbrasfoi q ele h-xoce bué da rapido e só o 'garra de lin-chao' é q conceguiuassertar lhe com um sapato. Atão agora aviamos de ler tudo qt é livro desde oCamóes até á idade média e por aí fora, qués ver???O pipol tem é q aprender cenas q intressam como na minha escola q á um curçode otelaria e a malta aprendemos a faser lã pereias e ovos mois e piças dexicolate q são assim tipo as pecialidades da rejião e ópois pudemos ganhar umgravetame do camandro. Ah poizé. tarei a inzajerar?

Bocage.....Levo ou deixo?Conta-se que Bocage, ao chegar a casa um certo dia, ouviu um barulho estranho vindo do quintal.Chegando lá, constatou que um ladrão tentava levar os seus patos de criação. Aproximou-se vagarosamente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o muro com os seus amados patos, disse-lhe:-Oh, bucéfalo anácrono! Não te interpelo pelo valor intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo acto vil e sorrateiro de profanares o recôndito da minha habitação, levando meus ovíparos à sorrelfa e à socapa. Se fazes isso por necessidade, transijo... mas se é para zombares da minha elevada prosopopeia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com a minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o farei com tal ímpeto que te reduzirei à quinquagésima potência que o vulgo denomina nada. E o ladrão, confuso, diz:-Doutor, afinal levo ou deixo os patos?

terça-feira, 13 de maio de 2008

Casualty

Porque a poesia pode ser feita de imagens...
Porque o amor pode ser transmitido através de todos os elementos...
Porque uma rosa dentro de água continua a ser bela...

Por tudo isso e por gostar muito deste filme, e ele não estar no You Tube, eu, pela primeira vez, fiz um "upload" e agora já lá está, para que eu o possa ver mais vezes e outras pessoas o possam fazer também. O Belo deve ser sempre partilhado...



Filme "Casualty" (1999), realizado por Andy Abraham Wilson

sábado, 10 de maio de 2008

A meio de uma tão oca manhã de Março


Num velho papel, não datado, mas que sei ser de há bastante tempo, encontrei este meu poema, apenas com um dizer por baixo: - «a meio de uma tão oca manhã de Março».
Ponho este poema aqui no blog, com uma dedicatória especial ao meu amigo Sócrates da Silva, e também a um outro amigo anónimo, que me mandou dois amáveis mails, e que sei que me lê, a mim e a muitos dos blogs que visito, e pode ser que agora arranje coragem para um comentário, como primeiro passo…
O poema é fraquinho, mas revelava o que me ia na alma, no momento.


E as nuvens apareceram
toldando o Sol daquela tarde!
E os medos que sempre houve
ampliaram-se no outro eu que és tu!

Dá-me a tua mão,
e juntos, gritemos
a força que queremos possuir
para ir mais além,
vencer mentiras e silêncios,
conquistar o Sol e o Mar!

E quando amanhã recordares
o temor de hoje,
que seja num abraço terno
e não no vazio do teu próprio sofrer…

sexta-feira, 9 de maio de 2008

Trova do vento que passa

Já está mais que ouvida esta música; inclusivamente já postei sobre ela e mais que uma vez; mas ao ouvir e ver aqui este vídeo, não resisti: a música de Adriano Correia de Oliveira, os versos de Manuel Alegre, a introdução, quase clássica, Vitorino a interpretar fado de Coimbra, as imagens de uma época que vivi intensamente (a crise académica de 1962), são mais do que razões para pôr este video no meu blog...e como eu gosto dele!

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Alone*

*Este post foi, por mim, inadvertidamente eliminado; porque representa muito para mim e não só, estou a repeti-lo, pois o blog ficaria amputado de um dos posts mais pessoais que já publiquei.


Perdi os comentários, mas tenho-os no coração...




For you Déjan, because all nights I'm "painting" your body in my bed and I "hug" you till i get sleeping, my love; how much I miss you!!!!!

35 anos depois




Quem tem lido os textos que, de tempos a tempos, aqui vou pondo, sobre a minha vida militar, sob o nome genérico de “A guerra cá do João”, e a que falta apenas o derradeiro capítulo, a publicar em breve, sabe que fui para Moçambique a chefiar uma Companhia da guarnição local, isto é formada por militares nascidos e incorporados nessa nossa antiga colónia, e fui em rendição individual; a imensa maioria dos homens sob o meu comando, quase 200, eram de cor e apenas alguns eram brancos: alferes, sargentos e especialistas. Apenas meia dúzia deles, desses brancos eram originários daqui da metrópole, e por isso, e por ter sido o último homem da Companhia a ser liberado, poucos ou nenhuns contactos fiquei a manter com esses homens e hoje em dia, não conhecia o paradeiro de nenhum.
Sucede, que no final do ano passado recebi um telefonema de alguém, perguntando se eu era o senhor João………….(nome completo), e perante a minha resposta afirmativa apresentou-se com a sua acentuada pronúncia açoriana, como o Furriel M., que tinha estado comigo, na Metarica; fiquei, como é lógico satisfeitíssimo de voltar a encontrar tal pessoa, que era, por sinal, dos melhores sargentos que por lá passou.



Vivendo um seu filho, aqui no continente, no Norte, ele viria aqui ao baptizado de uma neta, e assim, no princípio de Abril, reencontrá-mo-nos, aqui, passados 35 anos; foi com muita emoção que durante um jantar em minha casa e depois ao serão, conversámos sobre tudo o que se passou naquele tempo, recordámos pessoas e situações, vimos fotos, enfim matámos longas saudades. Foi um espaço de tempo quase comovente



Estas duas fotos, a primeira no rio Lugenda, na Metarica e a segunda aqui em minha casa, estão separadas por 35 anos, mas há uma ligação de Amizade que resiste a todo esse tempo.

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Fotos comentadas


"Clone de porca com bulldog"



Na I.U.R.D. : "Sai, sai, sai !!!" (qual sai, qual carapuça, eu quero é que «ele» entre!!!)







VOTOS

Bloco de Esquerda

Paulo Portas


"Talibãs gays"



"Quem quer ser milionário"


O tenista da foto está: - a)-com vontade de mijar b)-a ver se "a "consegue esticar


c)-à procura de bolas d)-a tentar engatar o adversário