quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Acerca de um comentário...

No meu anterior post, sobre os pinguins, decidi autorizar a publicação de um comentário perfeitamente homofóbico, de um determinado sujeito, que por razões que só ele conhecerá, segue interessadamente, não só o meu blog, mas outros em que de forma aberta e normal se dá a conhecer certos aspectos da vida homossexual. Já o havia avisado, há tempos, que não publicaria qualquer outro comentário seu, mas ontem, e por estar num estado bastante alterado devido a problemas que se aproximam rápidamente de um desfecho triste mas esperado, precisava de dar um grito, como a Liza Minnelli dava debaixo da ponte no filme "Cabaret" e assim publiquei o comentário e a resposta devida, sem olhar sequer à linguagem que não é muito habitual usar...

Não é querer entrar em querelas, pois qualquer comentário desse indivíduo a este ou a outro qualquer post meu JAMAIS será publicado, resolvi mostrar um vídeo delicioso que publicita um dos mais importantes festivais de cinema gay e lésbico do mundo: o Festival de S.Francisco.

sábado, 24 de janeiro de 2009

"Amazing Grace"



Para matar saudades de quem está longe, para recordar quem já partiu, para suavizar as dores de hoje, para partilhar ou simplesmente para ouvir...

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

"Os limões, o infinito e a intimidade"

(foto tirada do último post do blog "Infinito pessoal")

No site PNETliteratura, e pela pena do seu colaborador Luís Caramelo, foi publicado no passado dia 29/10/2008, um texto intitulado “Os limões, o infinito e a intimidade”, sobre um blog que sigo atentamente e que considero um dos melhores da blogosfera que conheço. Ao Luís Galego, seu autor e meu prezado Amigo, os meus parabéns por tão merecidas palavras.
Transcrevo o texto, para que todos aqueles que ainda não conheçam este blog o vão conhecer e deliciar-se com os textos nele inseridos; uma palavra para a “interminável” e imprescindível coluna da direita deste blog, só por si, razão mais que suficiente para se consultar o blog
Infinito pessoal”, pois não é só um blog para ler, é também toda uma agenda cultural para consulta.
Abraço, Luís!

“Os nomes são como os limões: iluminam a árvore sem nela se diluírem. Talvez por isso mesmo, “Infinito pessoal” seja o nome de um blogue que faz parar o leitor mais incauto, do mesmo modo que o olhar suspende o seu vaivém diante do limoeiro que interrompe um muro branco (e, aparentemente, sem fim). A autoria do blogue é de Luís Galego e a sequência é particularmente variada. No último post, a confissão domina a abertura – “Os livros são a minha riqueza e a minha ruína, o meu vício, o meu património. Os livros interrompem, importunam, reivindicam, ainda que estejam escondidos nas trevas da estante”. Abertura que, depois, incide cirurgicamente em Os Nus e os Mortos (The Naked and the Dead) de Norman Mailer: o livro de cabeceira deste meados de Outubro. No dia 30 de Setembro, Luís Galego publica um interessante texto de cariz memorialista, escrito em Nova Iorque. O tom é pessoal, dando corpo àquilo que os blogues têm de melhor, isto é, a enunciação pessoalista ou a extroversão da primeira pessoa que, quase involuntariamente, se ficcionaliza: “Voo para Lisboa expectante mas ainda com tempo para que uma das relíquias do litoral alentejano, a Zambujeira do Mar, sirva de intermezzo, o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e a Costa Vicentina me abracem, a leitura de universos ficcionais ou semi-ficcionais me aconchegue a alma, a labiríntica fruição de sol, mar, livros e música me restabeleça, bóias de me aguentar (expressão roubada a Lobo Antunes de uma bela e incontornável obra), tudo concorrendo numa espécie de antecâmara para novos torneios”. Território de desafios e de sucessiva poda da grande árvore que nos acena (desde logo a partir da excelente foto retirada de Wonders of our great metropolis, sky-scrapers and Great Bridge from Brooklyn, New York City, 1900-1910 de William Herman Rau). Aliás, a pessoalidade da escrita em rede ressurge, noutro post, como que elogiada por Luís Galego ao referir-se ao vício que sente pelas “palavras escritas e embrulhadas da Maria Quintans”. Ao desenvolver as teias desse vício de leitura e partilha, o autor de “Infinito Pessoal” escreve: “A internet tem destas coisas e a blogosfera também nos surpreende pela positiva. Foi no seu blogue que li uma escrita intimista que não cabe na limitação de amarras formais”. Fora de amarras, sem âncoras e com uma sequência a denotar óbvia paixão pelo texto literário, este blogue merece redobrado olhar. Como se um limoeiro levantasse voo e pousasse de novo na felicidade que lhe deu o nome: tão pessoal quanto infinito (alegoricamente)”

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

20/January/2009 - Obamas'day (Bush no more)

Hoje os Estados Unidos deixam de ter o mais cretino presidente da sua história, George W. Bush e para comemorar este momento, nada melhor que um vídeo dos seus "melhores" discursos




Mas hoje chega à Casa Branca o novo presidente, Barak Obama, em que os americanos e o mundo depositam as maiores esperanças; este é o vídeo do seu discurso na cerimónia no Lincoln Memorial




Ainda nesta cerimónia que teve a presença de variados artistas, houve um momento de particular esperança para a comunidade homossexual, quando Heather Headley e Josh Groban interpretaram um hino, acompanhados do Coral Gay de Washington

E para terminar com graça um último vídeo da impagável série "Little Britain USA"


domingo, 18 de janeiro de 2009

Distinção

"Com o Prémio Dardos se reconhecem os valores que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, étnicos, literários, pessoais, etc. Que em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web."
Este Prémio obedece a algumas regras:

1) Exibir a imagem do selo;

2) Linkar o blog pelo qual se recebeu a indicação;

3) Escolher outros blogs a quem entregar o Prémio Dardos.


Fui surpreendido pela honra que o blog “Do you believe in angels?” me concedeu ao escolher o meu blog para ser contemplado pelo Prémio Dardos, o qual pelas características do seu enunciado, vai além dos simpáticos prémios de amigos e de ocasião. Este Selo é realmente um prémio especial e que na minha maneira de ver a Blogosfera, é o mais importante que aí conheço. O meu muito obrigado, pois!
Das regras consta a nomeação pelos contemplados de blogs que os mesmos considerem preencher esses requisitos, e é sempre um momento difícil o de optar; tenho uma vasta lista de blogs linkados, e se eles ali estão é porque, por uma razão ou outra os elegi, e considero-os a todos blogs imprescindíveis, sejam de pessoas conhecidas virtualmente ou pessoalmente.
Como é omisso o número de blogs a nomear, desta vez alarguei-me e vou nomear treze blogs, que a meu ver, contribuem para um enriquecimento da blogosfera (dois ou três mais o seriam, mas já têm esta distinção).
São eles:

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Quando a "Igreja" fala...

É por demais conhecida a minha pouca ou nula simpatia por Sua Santidade o Papa Bento XVI (acho que é assim que a Santa Madre Igreja determina que se deve nomear o representante eleito da hierarquia católica), mas que eu numa terminologia simplista e “intimista” rebaptizei apenas por “Bentinho”! Ora este senhor com aquele ar de inquisidor moderno e voz de falsete, a que não falta uma certa “compostura” pelo menos algo ambígua, proferiu há alguns dias mais uma das suas tiradas que o levarão a ficar conhecido como um Papa pelo menos original e “suis géneris” ao fazer uma absurda comparação do combate à homossexualidade com a defesa aos atentados que nos dias de hoje se cometem contra o ambiente. Não falei no assunto na altura, pois foi amplamente comentado na bogosfera.Refiro este assunto agora para, à laia de intróito, mostrar a minha estupefacção perante as afirmações ontem proferidas pelo mais alto dignitário da igreja católica no nosso país, D.José Policarpo (mas porque é que os cardeais são Dons?), Cardeal Patriarca de Lisboa, na Figueira da Foz (no casino, local bem escolhido…), sobre as severas advertências às jovens portuguesas no que respeita a eventuais casamentos com muçulmanos; é incompreensível numa altura em que tanto se fala em ecumenismo se profiram tais afirmações que, além do mais, podem também ser apelidadas de pouco oportunas pela eventual desconfiança com que actualmente se olham os muçulmanos, como que se eles fossem todos potenciais terroristas; claro que condeno firmemente a posição extremada dos muçulmanos radicais e as suas “guerras santas”.
Mas, a ideia de um homem ponderado nas suas afirmações, sereno nas suas análises, ficou profundamente abalada, a meu ver, por estas afirmações absurdas; a imagem que tinha de Sua Eminência não voltará a ser a mesma.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Passado e presente: 11 - O Mar


Eu sou a onda branca, perdida no âmago do mar azul, que te acaricia e chama.
Eu sou o cheiro profundo, que brota da areia molhada, e se mistura às algas e detritos.
Eu sou um barco à deriva, de velas desfraldadas, pedindo-te, em socorro, um beijo.
Eu sou a Lua, no horizonte, e seus reflexos de prata, na quietude do lago adormecido.
Eu sou a tempestade súbita, grossas bátegas jorrando impetuosamente, de uns olhos que te querem ver.
Eu sou o mar!
Revoltado, sereno, liberto e...só!
Eu sou o mar!
Que te abraça e envolve.
Vem banhar-te em mim, bebe o Sol dourado das minhas cristas, ajuda-me a acalmar as fúrias, mergulha nas minhas águas, violando-me!
Eu sou o mar!
Peixe, sereia, Neptuno;
viagem de hoje, repetida sempre, sem cessar, sonho no Sol que me abrasa.
Navega-me, sente o meu murmúrio, que é grito, lamento e apelo,
sem medo, meu amor...
Mais um post da parte desaparecida do meu blog, publicado em 29 de Novembro de 2006, com um dos poemas escritos por mim, quando ainda os conseguia transmitir ao papel; agora continuo "a fazer" poesia, mas fica retida num canto de mim mesmo, e de lá não sai...

(foto: Agosto 1993-Grécia)
(poema: Setembro 1979-Serpa)



©Todos os direitos reservados
A utlilização dos textos deste blogue, qualquer que seja o seu fim, em parte ou no seu todo, requer prévio consentimento do seu autor.

domingo, 11 de janeiro de 2009

Gatos



Os meus gatos têm sido neste últimos dias os meus grandes companheiros. O mais velho, o Boris é de uma dedicação extrema e nas suas rotinas, a partilha de espaços comuns é quase contínua.
A mais jovem, a Teka, mais irrequieta e rebelde, tem vindo a "assentar" e é já uma companheira grande dos meus silêncios e solidões, sem deixar de quando em vez de fazer a sua asneirita.
Em sua homenagem, um curto vídeo, bem representativo da curiosidade e "ousadia" felina, que recebi por mail, de uma boa amiga.



quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

"A dupla vida de Véronique"

Weronika é uma jovem polaca que vive em Cracóvia, onde é cantora solista, mas que tem um grave problema cardíaco. Um dia, ao observar um grupo de turistas franceses, Weronika fica desconcertada ao vislumbrar uma mulher que é a sua dupla perfeita. Esta mulher, Véronique, é uma jovem cantora de talento e também tem um problema no coração.
Dirigido em 19991, por Krzysztof Kieslowsky, trata-se de uma espantosa meditação sobre os laços invisíveis que ligam os indivíduos. O filme, embora menos conhecido que a trilogia tricolor que lhe sucedeu (Azul, Vermelho e Branco), é uma pequena jóia, uma delícia para os olhos e os ouvidos, que importa descobrir.
A interpretação de Irene Jacob é superlativa e a música original da autoria de Zbibniew Preisner, absolutamente fabulosa, como se pode aquilatar por esta amostra, de grande beleza.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Dor do pensamento


Este soneto de António Nobre retrata, de uma certa forma, o meu estado de espírito actual



E a Vida foi, e é assim, e não melhora.
Esforço inútil. Tudo é ilusão.
Quantos não cismam nisso mesmo a esta hora
Com uma taça, ou um punhal na mão!

Mas a Arte, o Lar, um filho, António? Embora!
Quimeras, sonhos, bolas de sabão.
E a tortura do Além e quem lá mora!
Isso é, talvez, a minha única aflição.

Toda a dor pode suportar-se, toda!
Mesmo a da noiva morta em plena boda,
Que por mortalha leva…essa que traz.

Mas uma não: é a dor do pensamento!
Ai quem me dera entrar nesse convento
Que há além da Morte e que se chama A Paz!

sábado, 3 de janeiro de 2009

Três "Lágrimas"

Na minha opinião o mais bonito fado de Amália e que tantas versões já teve depois da original, dela, surge aqui interpretada por um trio: as espanholas Lidia Pujol (cantando em catalão) e Mayte Martin e a portuguesa Dulce Pontes, que detém uma das versões mais conhecidad deste fado.
É deveras belo ver e sobretudo ouvir estas vozes "a chorar" cantando.

(não se assustem, são apenas cerca de 6 minutos e não 16...)

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Desafio dos sonhos


Mais um desafio, e eu a aceitá-lo, não porque concorde muito com estas correntes, mas porque, estando no princípio de um novo ano, há sempre intenções, desejos e sonhos no horizonte; portanto, vem na hora certa.
Foi-me proposto pela “Apenaseu” e o desafio consiste em.
a) Escrever uma lista com 8 coisas que sonho fazer ou com as quais sonhe(esta variante é minha…)
b) Convidar 8 bloguistas a responder ao mesmo.
c) Comentar no blog de quem partiu o desafio.
d) Comentar no blog de quem desafiamos.
e) Mencionar as regras.





Eis os meus sonhos: 1. Que os problemas de saúde que tanto atingiram familiares e Amigos em 2008, diminuam e se suavizem.
2. Que eu posso ver finalmente resolvido um caso, que me tem “perseguido” desde há três anos a esta parte.
3. Que eu consiga usufruir mais da companhia de quem muito amo.
4. Que haja Paz no mundo.
5. Que as pessoas olhem, principalmente os detentores dos poderes político e económico, com outros olhos os problemas do ambiente.
6. Que a intolerância seja uma palavra banida do dicionário, nomeadamente a intolerância sexual.
7. Que ganhasse um prémiozito no euro milhões que me permitisse, não ficar rico, mas enfrentar melhor o futuro.
8. Que o Benfica seja campeão.


Resta a parte mais difícil e “chata”, que é nomear os 8 “sacrificados” e que são: