terça-feira, 31 de maio de 2011

Lovefield

De início, parece ser um filme de Hitchcock, mas...é melhor ver o filme até ao fim. Não se vão arrepender...

domingo, 29 de maio de 2011

Jantar dos blogs

Para quem já está inscrito e para quem ainda não está (agradeço respostas e confirmações rápidas), aqui ficam algumas indicações úteis sobre o evento.
Realiza-se no próximo sábado, dia 4 de Junho, a partir das 20 horas, no Restaurante Guilho, Rua Capitão Plácido Abreu, 9 A (Junto à Antiga Biblioteca Municipal da Amadora e ao Centro de Saúde) - na Amadora. É exactamente no final da N117, voltando imediatamente à direita, antes de se entrar na Amadora, onde há um parque de estacionamento.
A ementa do jantar é constituída por entradas: Pão, manteiga, azeitonas, queijo, chourição e paté da casa.
O prato escolhido é uma massada de peixe, especialidade do restaurante
Haverá as bebidas: vinho tinto da casa, água, cerveja ou sumo e como sobremesa, um conjunto de vários doces.
E claro o café!
O preço por pessoa será, com tudo incluído de 15 euros.
Neste preço não estão incluídas quaisquer bebidas espirituosas que qualquer pessoa peça, antes ou depois do jantar, que será paga, no acto do consumo.
Na eventualidade de o prato escolhido não ser do gosto de algum dos comensais, agradeço que me comuniquem antes, para poder haver o prato alternativo, que será febras de porco, mas como referi, deve-me ser comunicado antes e não no local, para poderem arranjar a carne necessária.
Qualquer dúvida, pode ser esclarecida através de mail jcroque@netcabo.pt
Espero que seja do vosso agrado, e para quem não sabe, o jantar será volante,com mesas de apoio e estará reservado apenas para nós, que o podemos utilizar até à hora legal de encerramento, pelas 2 horas da madrugada.
Por favor, sejam rápidos nas vossas confirmações, pois temos que dar um número muito aproximado de pessoas, com uma antecedência de pelo menos dois dias.
De momento há 35 confirmações, mais algumas pessoas não confirmadas e várias (bastantes) a quem comuniquei, via Facebook ou via mail, que ainda não responderam.
Mesmo que a resposta seja negativa, por favor, respondam.
E informem-me também sobre os eventuais acompanhantes.
Vamos a isto!!!!

sexta-feira, 27 de maio de 2011

E vão doze...

Barak Obama
G.W. Bush
Bill Clinton
George Bush (Pai)
Ronald Reagan
Jimmy Carter
Gerald Ford
Richard Nixon
John Kennedy
Dwight Eisenhower
Harry Truman

Falta ainda o Presidente Lyndon Johnson, entre Kennedy e Nixon, de que não encontrei nenhuma foto com a Rainha.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Avala e Smederevo

Desta vez, as novidades turísticas da minha estadia na Sérvia, resumem-se a ter visitado o monte Avala, a cerca de 15 kms de Belgrado, onde está instalada a torre de televisão, construída já depois da original ter sido destruída pelos bombardeamentos da NATO, em 1999
É também aí que está o monumento ao soldado desconhecido, da Sérvia.

E visitei também uma cidadezinha acerca de 50 kms de Belgrado, Smederevo, e que é muito interessante. Foi um importante centro industrial, na antiga Jugoslávia, pois aí era produzido todo o aço nacional, numa imensa fábrica, que ainda hoje existe, ao longo do Danúbio, mas que é agora de capitais americanos (...)
Tem esta cidade uma imensa fortaleza, considerada a de maior área da Europa e tem 25 torres
Tem uma magnífica Catedral
e um magnífico edifício onde está Câmara Municipal

terça-feira, 24 de maio de 2011

5º.Jantar Anual de Bloggers

Ora aqui está o logótipo do nosso jantar deste ano, que como já foi anunciado, se realizará no dia 4 de Junho, no Restaurante Guilho, na Amadora.
De parabéns está o Paulo, do "Felizes Juntos", que mais uma vez foi o autor do mesmo, com a habitual competência.
É tempo de começar a saber quem vai estar presente, e eu já iniciei alguns contactos, primeiro de quem tenho contacto telefónico, e depois irei, através do FB e dos mails, contactar toda a gente.
Mais pormenores sobre o jantar (ementa, preço), irão aparecer aqui no domingo, pois o Paulo, o Zé e eu iremos ao Guillho no sábado, combinar tudo isso.
Para quem vai, será disponibilizada, mais tarde informação complementar com as respectivas coordenadas.

Para os que já foram a algum dos jantares anteriores, não faço qualquer apelo, pois estou certo que só um impedimento pessoal os fará estar ausentes. Para os restantes, quero primeiro que tudo afirmar que não é um jantar de blogs gays, ou de gays com blogs, mas sim um convívio multifacetado, de gente muito variada; daí, nada de ter medo de sair do armário, pois ali não há armário algum... E aos tímidos, que percebo, possam ter algum receio de se sentir isolados, todos os que em anos anteriores passaram por isso, acabaram por adorar, pois toda a gente os fará sentir como amigos de há muito. E o facto de não ser um jantar com lugares defenidos, permite um contacto alargado.
E também sabem, que podem levar acompanhantes: namorad@s, amigos, familiares...
Haverá também pessoas que não têm blogs, ou porque já não têm, ou porque nunca tiveram e neste caso são seguidores e alguns, mesmo comentadores.
Vamos a isto!
Em caso de dúvida, contactem-nos por mail, a mim e ao Paulo, pois os e-mails estão nos respectivos blogs.
E só para primeira informação, ainda quase sem qualquer contacto feito, já somos 29!!!!

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Vergonhoso!



Artigo de Vasco Graça Moura no DN

Há coisas que são de uma evidência escandalosa. Tenho vindo a enumerá-las e as circunstâncias impõem que continue a fazê-lo.
O Partido Socialista, nestes anos do Governo, deu cabo do país. Arruinou-o e fê-lo resvalar para um estado de penúria e de impotência que não tem comparação nem paralelo com nenhuma das crises mais graves dos últimos dois séculos. Enfeudou-o sem alternativa a interesses estrangeiros. Desacreditou-o internacionalmente. Tornou-o inviável.
Portugal não vale nada e passou a ser um país "abaixo de cão", ou, se se preferir, um não-país sem conserto. Um não-país que ficou na dependência absoluta dos seus credores. Um não-país que perdeu toda a autonomia política e económica. Um não-país cujos dirigentes socialistas perderam de todo o sentido da recuperação e da decência. Um não-país que nada pode oferecer à geração dos seus filhos e que já comprometeu todos os recursos que deveriam ser guardados para os seus netos.
Portugal é um não-país à imagem do Partido Socialista. O Partido Socialista tornou-se um partido sem dignidade e sem mérito, conduzido por gente sem mérito e sem dignidade. A única metáfora aplicável à situação (simples metáfora, sublinho, não vá algum dos idiotas úteis de serviço pôr-se a fazer interpretações literais) é a de que, nas próximas eleições, o Partido Socialista merece ser corrido a pontapé pelos portugueses.
Num país de abjecta subsidio-dependência e de calaceiros profissionais, isto pode não passar de wishful thinking como, de resto, algumas sondagens parecem indiciar. Mas alimentar essa esperança é a única saída que resta a qualquer cidadão decente: constitui uma obrigação cívica contribuir para o afastamento radical de uma cambada. Essa gente delapidou de tudo o que podia configurar uma independência nacional e representar um património produtivo, dignificador e útil.
Vemos o Partido Socialista, impante, a encrespar-se e a mandar vir todos os dias, como se o desastre não fosse com ele e não tivesse absolutamente nada a ver com o estado em que Portugal se encontra.
Sabe que não precisa de analisar a situação, nem de falar nas causas da desgraça, nem de fazer mea culpa e muito menos de assumir responsabilidades de qualquer espécie. "Lá vamos, cantando e rindo" podia ser o slogan insensato da sua campanha.
Esta estranha inversão dos comportamentos e da realidade dos factos só é possível num país de lorpas, em que a aldrabice infrene se tornou um método de acção política e a irresponsabilidade governamental aspira a transformar-se em princípio constituinte. Se Portugal não fosse um país de lorpas contumazes, é de duvidar que Sócrates saísse ileso dos lugares em que se põe a arengar e a dizer o que diz.
O homem apresenta-se como a encarnação da excelência governativa, paradigma das políticas virtuosas, campeão irrepreensível e bem sucedido do desenvolvimento e do progresso, salvador destemido da pátria. Vê-se na televisão, ouve-se na rádio, lê-se nos jornais e não se acredita.
Mas reconheçamos que em tudo isso há um mérito sinistro. A criatura sabe a quem se dirige e conta, mais uma vez, com a canalha analfabeta e irresponsável do costume para lhe dar um número expressivo de votos. Sabe que não precisará de cumprir nada daquilo que prometer, que terá depois a desculpa das imposições da troika e que a piolheira mais ignóbil provavelmente votará nele porque nunca deixará de esperar que haja sempre mais alguma coisinha a pingar do erário público.
É neste contexto que os responsáveis pelo maior falhanço da nossa história desde a revolução liberal procuram fazer dos outros parvos para lançarem uma estratégia de "sucesso".
Um novo sucesso de José Sócrates seria a última instância do trágico e a catástrofe sem remédio para Portugal. A troika fez um diagnóstico implacável e impôs todo um catálogo coerente de medidas correctivas. Mas, ante a repugnante bronquidão previsível no eleitorado deste não-país, o erro da troika foi um e só um: devia ter imposto a saída imediata de José Sócrates pela esquerda baixa.


(Os destaques são da minha autoria.) 

VGM pode ser um excelente tradutor, que o é. Mas é também um cacique ao serviço do PSD e  à espera de um tacho; sempre foi um lambe botas e não tem qualquer autoridade moral para insultar, como faz neste artigo, portugueses como ele, só porque não compartilham o seu compadrio político.
Vergonhoso!




quarta-feira, 18 de maio de 2011

Orgulho!


Toda a gente sabe que sou benfiquista e tenho muita pena que o meu clube não esteja presente em Dublin.
Mas acima de tudo sou português e sinto um imenso orgulho em ver dois clubes portugueses disputar a segunda maior competição entre clubes, da Europa; ganhe quem ganhar, Portugal já ganhou.
E como não sou hipócrita, e porque não tenho qualquer simpatia pelo FCP (que apoiaria se jogasse contra uma equipa doutro país), gostaria de ver o SCBraga levantar o troféu - difícil, mas não impossível.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Novak Djokovic

É o grande herói do dia, aqui na Sérvia e não só, pois trata-se de um dos mais talentosos jogadores do ténis mundial de todos os tempos.
Ao vencer hoje no torneio de Roma, pela quarta vez consecutiva o número um do ATP mundial, o também muito bom tenista espanhol Rafael Nadal, deu um passo de gigante para o destronar, talvez já no próximo fim de semana em Roland Garros (Paris).
O ténis é um desporto fascinante e quando bem jogado é um prazer imenso assistir a uma partida; o jogo desta tarde foi fantástico e a vitória de Djokovic espectacular, para mais disputado menos de 24 horas depois de um desgastante jogo com o inglês Andy Murray, que durou mais de três horas.
O entusiasmo, aqui em Belgrado foi enorme e mais que justificado: Novak Djokovic é já o maior desportista sérvio de todos os tempos.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Admirável lição de amor

Porque estou aqui, com a pessoa que amo, porque tenho uma imensa admiração por tantos casais de gays e lésbicas de quem sou amigo, porque isto é uma admirável lição do que é o amor, aqui deixo este vídeo que dedico a todos esses amigos e amigas que se amam, alguns e algumas, de uma forma nem sempre fácil.
Mas acima de todos, ao meu querido Déjan.

sábado, 7 de maio de 2011

A caminho de Belgrado

Hoje, pela manhã, sigo para Belgrado,
via Roma (escala de 10 horas), onde chegarei já depois da meia noite.
Depois de uma separação de quase 4 meses é o ansiado momento de reencontrar o Déjan e com ele passar duas semanas, mais uma vez numa cidade e num país que cada vez mais admiro, principalmente pelas características do seu povo.

Tenho pena de não poder conhecer um pouco mais do país, mas sempre se programam visitas a sítios novos. E há todas as tradições seculares que vou assimilando, uma das quais a música, que é muito bela, como se pode ouvir no som que acompanha esta postagem.
Mas o que interessa mesmo é a convivência com alguém que surgiu na minha vida para ficar para sempre, pese embora as difíceis circunstâncias em que vivemos o nosso amor; mas já conhecíamos as premissas quando o iniciámos e temos tido a força e a capacidade para o levar avante e o fortalecer cada vez mais.
I’m almost there, chako pako!

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Va pensiero

Aconteceu no mês passado e foi um momento inesquecível. Riccardo Muti acabara de reger o célebre coro dos escravos, Va pensiero, do terceiro acto de Nabucco, e o público do Teatro da Ópera de Roma, aplaudia incessantemente e bradava bis! (Cabe lembrar que, para além de sua intrínseca beleza, que é inexcedível,  VA PENSIERO foi também uma espécie de hino informal dos patriotas do Risorgimento – e daí o enorme apelo emocional que preservou entre os italianos.)  Que faz, então, Ricardo Mutti? Volta-se para a plateia e, depois de recordar o significado patriótico do Va pensiero, pede ao público presente que o cante agora, com a orquestra e o coro do teatro, como manifestação de protesto patriótico contra a ameaça de morte contida nos planeados cortes do orçamento da Cultura.
Vá, pensamento, sobre as asas douradas
Vá, e pousa sobre as encostas e as colinas
Onde os ares são tépidos e macios
Com a doce fragrância do solo natal!
Saúda as margens do Jordão
E as torres abatidas do Sião.
Oh, minha pátria tão bela e perdida!
Oh lembrança tão cara e fatal!
Harpa dourada de desígnios fatídicos,
Porque você chora a ausência da terra querida?
Reacende a memória no nosso peito,
Fale-nos do tempo que passou!
Lembra-nos o destino de Jerusalém.
Traga-nos um ar de lamentação triste,
Ou o que o senhor te inspire harmonias
Que nos infundam a força para suportar o sofrimento.


O maestro Riccardo Muti acaba de ser galardoado com o prestigiado prémio "Príncipe das Astúrias" deste ano, 

segunda-feira, 2 de maio de 2011

domingo, 1 de maio de 2011

Mãe

Palavras para a Minha Mãe


mãe, tenho pena. esperei sempre que entendesses
as palavras que nunca disse e os gestos que nunca fiz.
sei hoje que apenas esperei, mãe, e esperar não é suficiente.

pelas palavras que nunca disse, pelos gestos que me pediste
tanto e eu nunca fui capaz de fazer, quero pedir-te
desculpa, mãe, e sei que pedir desculpa não é suficiente.

às vezes, quero dizer-te tantas coisas que não consigo,
a fotografia em que estou ao teu colo é a fotografia
mais bonita que tenho, gosto de quando estás feliz.

lê isto: mãe, amo-te.

eu sei e tu sabes que poderei sempre fingir que não
escrevi estas palavras, sim, mãe, hei-de fingir que
não escrevi estas palavras, e tu hás-de fingir que não
as leste, somos assim, mãe, mas eu sei e tu sabes.

José Luís Peixoto, in "A Casa, a Escuridão"


Este post vai ser enviada à "Fábrica de Letras", para o tema do mês de Maio, sobre a Mãe.