quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Belgrado, que saudades...

Gosto muito desta foto de Belgrado, tirada da margem esquerda do Sava, onde cresce a Nova Belgrado, em frente da velha, histórica e central Belgrado de sempre.
O Sava nesta fase do seu curso está quase a confluir com o imenso Danúbio, e assim esta cidade está na confluência de dois grandes rios.
É uma foto de Inverno, o mesmo Inverno que possivelmente irei encontrar depois de amanhã, sexta feira quando chegar ao aeroporto Nikola Tesla, em homenagem ao grande físico jugoslavo, um dos maiores de sempre.
Há cerca de ano e meio que não visito Belgrado e tenho já muitas saudades da cidade, a que já me habituei e da qual gosto muito, da cidade e das suas gentes.
Claro que terei o Déjan à minha espera, que me visitou em Outubro, e esta estadia terá um cunho algo diferente, pois pela primeira vez o Déjan já não é o estudante ansioso por acabar o curso, mas que podia gerir o seu tempo à vontade, para ser o licenciado a fazer o seu estágio, com horários a cumprir (começa amanhã mesmo).
Assim, vou estar mais tempo só, o que me dará aso a passear pela cidade, sem destinos específicos, mas descobrindo pormenores talvez desconhecidos; e depois será tão bom, recebê-lo em casa, no regresso do trabalho, a contar o seu dia, e com ele usufruir as horas livres. Para ele, nas poucas vezes que teve que sair sem mim em visitas anteriores, era sempre uma imensa satisfação ao entrar em casa e ver que alguém estava à sua espera.
Vai estar frio, mas isso não me preocupa, pois vou sentir um calor que tanta falta me faz, nestes tempos em que estamos separados.
Entretanto, amanhã durmo num hotel Ibis, mesmo pertinho do aeroporto de Londres (Luton) e devo dar um salto à cidade, que também nada de interessante tem a ver.
Vou continuar atento às vossas postagens, mas possivelmente menos “comentador” do que é normal e também pouca coisa devo postar durante estas duas semanas.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Pawel Kuczynski

O artista polaco Pawel Kuczynski é um génio na arte das ilustrações críticas. As suas obras remetem-nos para factos históricos e sociais, como a fome, o trabalho infantil, a exploração, a corrupção política, a desigualdade social e a guerra. O artista já ganhou diversos prémios internacionais.
Vejamos algumas delas



















sábado, 26 de janeiro de 2013

Al Berto

Al Berto, pseudónimo de Alberto Raposo Pidwell Tavares (Coimbra, 11 de Janeiro de 1948 – Lisboa, 13 de Junho de 1997), foi um poeta, pintor, editor e animador cultural português.
Nascido no seio de uma família da alta burguesia (origem inglesa por parte da avó paterna). Um ano depois foi viver para o Alentejo. O pai morre cedo, num desastre de viação. Em Sines passa toda a infância e adolescência até que a família decide enviá-lo para o estabelecimento de ensino artístico Escola António Arroio, em Lisboa.
A 14 de Abril de 1967, refractário militar, mudou-se para a Bélgica, onde estudou pintura na École Nationale Supérieure d’Architecture et des Arts Visuels (La Cambre), em Bruxelas.. Após concluir o curso, decide abandonar a pintura em 1971 e dedicar-se exclusivamente à escrita.
Regressa a Portugal a 17 de Novembro de 1974 e aí escreve o primeiro livro inteiramente na língua portuguesa, "À Procura do Vento num Jardim d'Agosto".
"O Medo", uma antologia do seu trabalho poético desde 1974 a 1986, é editado pela primeira vez em 1987. Este veio a tornar-se no trabalho mais importante da sua obra e o seu definitivo testemunho artístico, sendo adicionados em posteriores edições novos escritos do autor, mesmo após a sua morte.
As únicas excepções são os seus últimos livros de poemas “Horto de Silêncio”(1997), e “Degredo no Sul” (publicado apenas em 2007).
A 10 de Junho de 1992 foi feito Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada.
Deixou ainda textos incompletos para uma ópera, para um livro de fotografia sobre Portugal e uma «falsa autobiografia», como o próprio autor a intitulava.
Morreu de linfoma.
Em 2009 a Companhia de Teatro O Bando estreia no Teatro Nacional Dona Maria II em Lisboa um espectáculo intitulado A Noite a partir de Lunário, Três cartas da memória das Índias, Apresentação da noite, O Medo, À procura do vento num jardim d'Agosto e Dispersos.
 Além da poesia, Al Berto deixa-nos em prosa: “À Procura do Vento num Jardim d’Agosto” – “Meu Fruto de Morder” – “Todas as Horas” - “Lunário” - “O Anjo Mudo” - “Dispersos” e “Diários” (publicado no final do ano passado).
 É também autor de uma peça de teatro, “Apresentação da Noite” e de um livro de Desenhos, “Projectos de 1969”.
Em 1988 foi galardoado com o Prémio Pen Club de Poesia, pela obra “O Medo”.

Acabei de ler os meus primeiros livros de Al Berto: "Horto de Incêndio" (poesia) e "Lunário" (prosa).

Quanto a "Horto de Incêndio", e eu não posso fazer comparação com os seus outros livros de poesia, pois este é o único que li, achei-o surpreendentemente belo e...triste. Escrito muito pouco tempo antes da sua morte, ele antecipa-a e prepassa por todo o livro uma atmosfera de desapego da vida e a preparação para efrentar o destino que estava próximo.
Poderia escolher variados poemas, pois o tema, com variações, está claro, está sempre presente.
Escolhi este, pois o achei sublime:

 recado

ouve-me
que o dia te seja limpo e
a cada esquina de luz possas recolher
alimento suficiente para a tua morte

vai até onde ninguém te possa falar
ou reconhecer — vai por esse campo
de crateras extintas — vai por essa porta
de água tão vasta quanto a noite

deixa a árvore das cassiopeias cobrir-te
e as loucas aveias que o ácido enferrujou
erguerem-se na vertigem do voo — deixa
que o outono traga os pássaros e as abelhas
para pernoitarem na doçura
do teu breve coração — ouve-me

que o dia te seja limpo
e para lá da pele constrói o arco de sal
a morada eterna — o mar por onde fugirá
o etéreo visitante desta noite

não esqueças o navio carregado de lumes
de desejos em poeira — não esqueças o ouro
o marfim — os sessenta comprimidos letais
ao pequeno-almoço


Já no que respeita a "Lunário", este texto é-nos oferecido como a­ sua "primeira incursão"* nos domínios da prosa. 
Não se trata então ­de um romance, nem de uma novela, nem de contos, mas de um ­«micro-romance»? 
É uma narrativa composta por sete "capítulos", ­unidos pela presença do "eu" narrador, Beno. 
Este dá, sucessivamente, preponderância às outras personagens, ­revelando-as como principais, em cada um dos diversos ­encontros-capítulos: Lúcio e Gazel, o par homossexual, em­ «Crepúsculo», Nemú, o rapaz sem nome em «Lua Nova», o regresso de ­Alba, a mãe do seu filho Silko em «Quarto Crescente», a morte e ­«ressurreição» de Kid, em «Lua Cheia», a companheira de bar Zohía ­em «Quarto minguante» e, por fim, a viagem e regresso de Alaíno em «Úmbria». «Cântico» – um encontro do «eu» consigo próprio? -­ corresponde a uma síntese, a reunião final dos diversos ­fragmentos do sujeito (os «heterónimos»?) que – como a imagem das ­fotografias o repete ao longo do texto – cada personagem­ representa.
Este livro é prosa sim, mas arrisco a dizer que Al Berto apenas "sabia escrever" poesia, pois todo o livro é constituído por pequenos textos que são, na realidade, poemas.
E dou dois exemplos:

"Um dia, quando a minha memória de homem fugitivo
alcançar a idade de um deserto, debruçar-me-ei num poço e
tentarei beber o tempo esquecido do teu rosto. Estarei lucidamente
morto, eu sei, e os meus olhos já não prenderão a adolescência,
nem as imagens que dela se soltaram. E a minha cegueira surgirá
cercada por frondosas árvores e pássaros, mas não os verei mais.
O rosto, o teu rosto, já não conseguirá atrair-me para o fundo
circular do poço.

O tempo de sedução terminou. Terás de me tocar, terás de
trocar o tacto dos olhos pelo tacto dos dedos. Apenas persistirá o
jogo, a cumplicidade, e uma ténue vibração do corpo que se
perdeu contra o meu corpo.

Por isso me ergo daqui e atravesso estas imagens coladas às
paredes, e ao atravessá-las descubro que estou perdido, e
condenado também a perder-te.

Levanto-me do fundo de mim mesmo e abandono a casa, os
bens que herdei, e vou pela memória daqueles vestígios que se me
cravaram no interior das pálpebras, mas não semeio nem recolho
nada. Apenas persigo os passos que outrora abandonei pelas
cidades onde te procurei, antes mesmo de saber que existias.

E perco-me, perco-me onde a sombra dos corpos é um
sudário de melancolia sobre o mar. Mas, ainda aqui estou, quase
vivo, atento ao movimento perene de tuas mãos sobre o meu
corpo. E sem bússola, nómada até aos ossos, sigo pela noite onde
aportei, e não reconheço a casa que me destinaram para morrer."

e um outro

  "No centro da cidade, um grito. Nele morrerei, escrevendo o que a vida me deixar. E sei que cada palavra escrita é um dardo envenenado, tem a dimensão de um túmulo, e todos os teus gestos são uma sinalização em direcção à morte - embora seja sempre absurdo morrer. Mas hoje, ainda longe daquele grito, sento-me na fímbria do mar. Medito no meu regresso. Possuo para sempre tudo o que perdi. E uma abelha pousa no azul do lí­rio, e no cardo que sobreviveu à geada. Penso em ti. Bebo, fumo, mantenho-me atento, absorto - aqui sentado, junto à janela fechada. Ouço-te ciciar amo-te pela primeira vez, e na ténue luminosidade que se recolhe ao horizonte acaba o corpo. Recolho o mel, guardo a alegria, e digo-te baixinho: «Apaga as estrelas, vem dormir comigo no esplendor da noite do mundo que nos foge»."

*os dois primeiros livros de prosa, anteriores a “Lunário”, estão incluídos na compilação “O Medo”, pelo que “Lunário” é sim, a primeira obra em prosa publicada autonomamente (1988).






quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Fotos e telas

Apresento aqui três telas famosas de outros tantos famosos pintores: Pieter Bruegel (o Velho), Rembrandt e Van Gogh, curiosamente três pintores todos originários da Holanda.
O que aqui os reúne é que nas três telas representadas há uma impressionante semelhança com três fotos contemporâneas; duas delas são fotos apenas, em que as semelhanças são evidentes, mas são puramente fortuitas.
Vejamos o caso desta foto do N.Y.Times que mostra um grupo de crianças, pertencentes aos Mullets, um clã Amish do Ohio (EUA), com os seus característicos toucados que ocultam as suas cabeças rapadas, segundo os seus ritos próprios; essas crianças divertem-se, brincando entre elas, como tantas outras.
A comparação com uma das telas pintadas por Pieter Bruegel, da sua famosa série “Children’s Games”, é naturalmente apenas sugerida, já que figurativamente são, como é óbvio, diferentes.



O mesmo sucede com a conhecida foto de Che Guevara morto, depois do seu assassinato na Bolívia, e tirado pelo fotógrafo Freddy Alberto, em Outubro de 1967.
Tem, como o precedente caso, uma flagrante semelhança com uma tela famosa de Rembrandt, intitulada “Lição de Anatomia”, pintada em 1632.

Estes dois exemplos levam-nos a pensar se não haverá, porventura, dentro dos nossos cérebros,  imagens de arte que por qualquer motivo ficaram gravadas e que, de uma forma subconsciente nos levam a “expô-las”, nestes dois casos através de fotos; isto pode parecer ridículo, mas há quem se debruce sobre estas “coincidências”.

Já o terceiro caso, é completamente diferente.

Um fotógrafo lituano, Tadao Cern, famoso por distorcer as caras das pessoas que fotografa, num processo a que ele chama (vá lá saber-se porquê) “Blow Job”, a um dado momento viu num seu amigo semelhanças faciais com o famoso pintor Van Gogh, principalmente num dos seus conhecidos auto retratos.
O processo digital que o fotógrafo usou para “transformar” a foto original na face de Van Gogh está retratado neste vídeo

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Um livro...uma ideia...um outro livro

Acabei de ler um livro de ensaio, género que há muito não lia, e que devo confessar, não me é muito apelativo. Prefiro a ficção, a poesia, as biografias e os romances históricos; mas este era um livro especial que eu precisava de ler, e não dei o tempo por mal empregue.
Trata-se da obra “Homossexualidade – Uma História” (1995), da autoria do polifacetado autor inglês Colin Spencer. Este escritor escreveu sobre diversos temas – Ficção, Ensaio, Teatro, Livros de Culinária, e foi também desenhador. Além deste título, escreveu no ano seguinte, um outro ensaio sobre a homossexualidade (“O Kama Sutra Gay”).
Não sendo uma obra prima e sendo um livro ambicioso, pois não é fácil falar da homossexualidade desde a Pré História até aos nossos dias, terá algumas justificadas lacunas, mas o essencial está lá, desde os tempos em que a homossexualidade (este termo só começou a ser utilizado no século XIX) era considerada normal – Grécia, certos períodos durante o Império Romano, e outras civilizações antigas, incluindo as do extremo oriente e as pré-colombianas, algumas repúblicas renascentistas, mas também e sobretudo da enorme perseguição que quase sempre, ao longo dos séculos, lhe foi movida, a começar pelos judeus, que através da religião lhe moveram uma contínua luta.
 Aliás, ainda hoje, grande parte dos argumentos da religião cristã, contra a homossexualidade, se baseiam em textos bíblicos insertos no Antigo Testamento e em S.Paulo. Basta lembrar o exemplo do texto sobre Sodoma e Gomorra…
Não vou entrar em pormenores sobre todo o texto do livro, eles são muitos, apenas recordar que a homofobia tem grandes e profundas raízes no passado e chegou até nós, na actualidade, pese embora as grandes conquistas que se têm feito, neste campo, nos últimos tempos.
Aliás, uma das lacunas (natural) deste livro, é que tendo sido escrito em 1995, a época desde então até hoje (quase 30 anos) tem sido aquela em que mais se tem implementado em variados países desenvolvidos, do Ocidente, uma visão muito mais aceite desta situação.
Uma coisa é fácil de concluir: apesar de ser a homossexualidade não uma opção, mas uma questão genética, e de ainda hoje haver países que a consideram um crime que leva até à pena de morte, aquilo porque passaram os nossos antepassados pelo facto de serem homossexuais foi algo de terrível e com consequências absolutamente abomináveis, como por exemplo no tempo da Inquisição. No nosso país, no mundo ocidental de uma forma genérica, os dias que correm, são, na defesa dos direitos homossexuais e no reconhecimento da sua existência um quase paraíso por comparação com esses tempos.
Aproveito esta postagem para chamar a atenção para o aparecimento no nosso país de uma editora bastante original, ideia do João Máximo e do Luís, cujo nome é Index ebooks, que aproveitando a vaga das novas tecnologias com o aparecimento e crescimento dos ebooks, têm editado alguns livros de temática LGBT, incluindo algumas traduções de obras importantes, sem edição normal em Portugal; é um trabalho notável que pode ir sendo seguida no blog do João e do Luís.
Por outro lado, tiveram uma ideia muito interessante e que está apenas a dar os primeiros passos e que será a compilação de um Dicionário de Literatura Gay Portuguesa.
Para tal efeito, foi por eles criado um grupo no site goodreads, (que eu aconselho vivamente a quem gosta de ler) e que se chama precisamente “Literatura Gay Portuguesa”, onde os aderentes podem ir acrescentando livros que conheçam e caibam no âmbito do grupo. Por ora, apenas estão inscritos neste grupo, além do João e do Luís, a Margarida, o Miguel e eu próprio. Seria muito interessante que mais pessoas aderissem e contribuíssem com o acrescentar de obras, o debate de críticas e ideias, pois tudo isso é importante para o aparecimento futuro desse Dicionário.

sábado, 19 de janeiro de 2013

Klaus Nomi


Não é por acaso que o documentário "The Nomi Song", de Andrew Horn (talvez o mais profundo trabalho sobre o músico já elaborado), termina com a evocação de uma cena de um velho filme de ficção científica (de série lo-fi) no qual um ovni nos deixa e alguém diz que o encontro “imediato” que tinham visto talvez tivesse acontecido cedo demais, pelo que não estariam preparados para ele... 
Na verdade o tempo de Klaus Nomi foi o certo (militante new wave e fruto de uma etapa de saudável loucura criativa na cena undreground nova iorquina), mas a noção de “ovni” pode ser um bom ponto de partida para a sua descrição. 
Alemão, residente em Nova Iorque desde 1972, era dotado de um registo vocal invulgar, isto numa época em que estava ainda longe a abertura de espaço de interesse pelos contratenores que hoje dão nova vida, sobretudo, grandes criações da ópera barroca. 
Entre espetáculos de vaudeville “alternativo” foi ganhando espaço e cultivando uma personagem que chegou aos ouvidos de Bowie, que o levou a uma atuação no Saturday Night Live
Entre o encanto pelas heranças de outras épocas e a uma nova linguagem pop que se desenhava na altura (atenta à emergência dos sintetizadores), gravou um primeiro álbum em 1981 ao qual deu o seu nome e que se transformaria numa verdadeira peça de referência pelo modo ímpar como juntava esses dois mundos e apresentava a sua voz. Era diferente de tudo e todos... 
Um ano depois regressou a estúdio para gravar um segundo álbum onde, uma vez mais, cruzava ecos de um passado distante (em concreto revisitando uma ária de Purcell e composições de John Dowland) com alguns originais inéditos, sob evidente protagonismo instrumental dos sintetizadores, juntando ainda ao alinhamento uma versão de Falling In Love Again (imortalizada por Marlene Dietrich), uma outra de Ding Dong(da banda sonora de O Feiticeiro de Oz) e ainda uma de Just One Look (originalmente gravada por Doris Troy em 1963). Sem causar o mesmo arrepio do álbum de estreia, Simple Man passa por vezes bem para lá da linha do kitsch e parece fazer pouco mais que a aplicação de uma mesma ideia a uma menos interessante coleção de canções (as versões com memória cinematográfica deixando-nos perplexos algures entre o patamar da paródia e o da tragédia). 
Convém acrescentar que quando trabalhou este disco Nomi estava já certamente doente, tendo morrido de complicações de sida no ano posterior à sua edição. 
Simple Man não será nunca a expressão maior da sua obra (deixemos esse estatuto merecidamente entregue à sua obra-prima, que é o seu álbum de estreia). 
Mas, mais que as peças póstumas editadas em 2007 (a ópera inacabada Ze Bakdaz), junta um segundo lote de canções a uma obra que continua a ser um caso ímpar na história da música pop.

Registo de todos os álbuns de Klaus Nomi:



Klaus Nomi - 1981


Simple man - 1982


Encore - 1984


Essential Klaus Nomi - 1994 (póstumo)


Za Bakdaz - 2007 (póstumo)

Em 2008, no encerramento e entrga de prémios dos "Teddy Awards" do Festival de Cinema de Berlim, foi-lhe prestada uma homenagem, com a interpretação mais conhecida dele e inserida no seu primeiro álbum, "Cold Song", de um invulgar e fabuloso cantor brasileiro, Edson Cordeiro, que tive a felicidade de ver ao vivo, nesse mesmo ano, no S.Luís, em Lisboa. Desse momento, em Berlim, aqui fica o vídeo, imperdível.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Viagens - 6

Londres - Janeiro 1975
Quem leu a minha saga “A tropa cá do João”, sobre a minha vida militar, estará recordado do final do último episódio, em que eu contava ter regressado a Portugal mesmo a tempo de passar o Natal com a família (a 17 de Dezembro de 1974), e que passei à disponibilidade em 15 de Janeiro de 1975.
Assim já podia viajar de novo e não esperei muito tempo; ainda nesse mesmo mês de Janeiro, aproveitando umas célebres promoções da “Abreu”, lá fui eu passar “uma semana em Londres”. 
Fui só e fui não só para desanuviar todo aquele stress acumulado ao longo de tanto tempo em África, mas também para comprar umas roupitas, pois desde há mais de dois anos e meio, a minha fatiota era quase sempre a mesma: a farda.
Ganhei umas massas lá em África - afinal era capitão – e como deixava cá o máximo possível, quando vim, deu para isso e para comprar um carrito.
Não ia a Londres há cerca de 10 anos e mais do que Londres eventualmente mudara, eu é que tinha mudado muito.
Pela primeira vez ia ao estrangeiro, assumida que estava por mim próprio, a minha sexualidade.
Como ia só, fui posto num quarto duplo com um outro tipo, mais ou menos da minha idade, um sujeito muito porreiro e com quem me entendi muito bem, e era uma pessoa completamente heterossexual..
Não andámos sempre atrelados um ao outro, mas saímos várias vezes juntos e uma noite ele perguntou-me onde eu tencionava ir, e eu fui sincero, disse-lhe que era homossexual e que queria ir a um bar gay.
Nessa altura, um dos mais conhecidos locais gay de Londres chamava-se “ Catacomb’s Club” e era aí que eu queria ir.
Ele, penso que se chamava Luís, era muito bem apessoado e surpreendeu-me quando me disse que gostava de ir comigo, pois tinha muita curiosidade em conhecer um sítio desses.
O “Catacomb’s Club” era uma discoteca, com várias divisões, e dançava-se, até slows.
Curiosa a descrição que encontrei na net sobre este local e só tenho pena de não ter encontrado uma foto.

"Catacombs was open about 1972 in Earl’s Court. It opposite the hospital on Brompton Road, Earl’s Court end. Opposite where Brompton’s is now. It was downstairs, underneath a faux Tudor cottage front on the ground floor. You go down the stairs, pay the entrance money and it had a bar… The reason it was called the Catacombs was because it actually was catacombs. The bar was on one side, there was a like a resemblance of a dancefloor at the front of the bar, as that circled round the back, there was a wall that went round the front and behind that wall was another wall and little caves set in, about four of them. Then there was a passageway around the caves. That’s where all the sex used to go on. But they played music, really good music, and there was dancing."
Lá chegados, tomámos uma bebida juntos e depois cada um foi dar um giro; qual o meu espanto quando daí a pouco o Luís apareceu com um ar um pouco assustado e me disse que tinha havido um tipo que o convidara para dançar e ele tinha fugido…
Fartei-me de rir e perguntei-lhe porque não tinha experimentado e ele deu-me uma resposta totalmente inesperada, dizendo-me que se dançasse com alguém era comigo.
Embatuquei e embora sempre me conheça como uma pessoa que não perde uma oportunidade, desta vez não reagi, apenas sorri.
Passado um par de horas voltámos ao hotel, ainda fomos tomar um banho na piscina interior aquecida e tudo se conjugava para acontecer “alguma coisa”, mas eu não tomei a mínima iniciativa e ele, claro que também não. Ainda hoje pensando em como ele era bonito e bem constituído, fico arrependido de me ter ficado apenas com as vistas…

Também fui várias vezes a um Pub gay, lindíssimo por fora e não menos bonito por dentro, perto de Leicester Square, e que estava sempre muito (bem) frequentado, quer de dia quer de noite. Chamava-se "Salisbury".
Também consegui uma interessante opinião do local:

 "The Salisbury pub - I would call this one a spectacle. Not because ale or chips are significantly different in this place, but because it is one of the most elaborate and preserved London's pubs belonging to late Victorian era. Etched glass and mirrors, rich upholstery, dark mahogany and burgundy ceiling - all contributes to the pub's dazzling and extravagant interior. End it is also the West End official sports free bar - thank you, Lord!!!"


Mas foi uma semana essencialmente para conhecer Londres, pois na primeira visita, nos anos 60 só ali estive de passagem. Vi tudo o que um turista deve ver, incluindo o British Museum e o Madame Tussaud.
E fui às compras em Oxford Street, tendo comprado entre outras coisa um casaco comprido de cabedal que fez furor aqui em Portugal.
Belos tempos, em todos os aspectos e Londres tornou-se tão apaixonante para mim, que voltei lá muitas mais vezes.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Cinema e música - 5

Enrico Caruso foi um tenor italiano, considerado, inclusive pelo ilustre Luciano Pavarotti, o maior intérprete da música erudita de todos os tempos. A sua vida deu origem a um filme americano, de 1951 – “O Grande Caruso” (The Great Caruso), em que a personagem de Caruso foi interpretada pelo grande cantor lírico Mário Lanza. Como curiosidade o facto do filme ter sido proibido em Itália, sob o pretexto de que era demasiado “ficcional” a figura de Caruso.

No vídeo que aqui deixo, fica uma cena do filme, com Mário Lanza a cantar a “Avé Maria” de Gounod, uma interpretação que no dizer dos entendidos foi a melhor de todos os tempos. Neste vídeo, Lanza é acompanhado por um rapazinho, que alguém identificou o miúdo como sendo Luciano Pavarotti, o que é impossível, já que em 1951, Pavarotti tinha à volta de 15 anos e vivia em Itália. A voz que se ouve é realmente a da soprano Jacqueline May Allen.
Deixo para comparação, o vídeo do mesmo tema, desta vez interpretado por Luciano Pavarotti, em 1978.
Como curiosidade, o facto de que os últimos tempos da vida do tenor napolitano, inspiraram a célebre e magnífica canção do recentemente falecido cantor italiano Lucio Dalla, "Caruso".
 


sábado, 12 de janeiro de 2013

Estatísticas

Hoje, por um acaso, reparei na coluna do lado esquerdo deste blog, que o número de visualizações que ele teve, está por assim dizer nas 200.000.
Se referirmos que estas visualizações só foram implementadas em Maio de 2008, deixando para trás não só todas as postagens desaparecidas do blog (257), como também as primeiras 161 desta segunda fase, conclui-se que em 800 postagens houve cerca de 200.000 visualizações, o que dá uma média de 250 por postagem.
Estas visualizações referem-se a todas as vezes que o blog é aberto numa certa página e é curioso ver que entre as postagens mais vistas estão aquelas que têm nomes que facilmente são procuradas no Google e que portanto não foram procuradas deliberadamente por causa do blog.
O post mais visualizado – 1107 visualizações – foi escrito em 08/09/2011 (A Lisboa gay que eu conheci) e o segundo, com 937, postado em 25/09/2011 foi “15º.Queer Lisboa (balanço final)”. Só depois surge um post específico, com 779 visualizações (5 anos de blog), postado em 06/11/2011.
Estas visualizações maiores são de posts não recentes, o que é natural pois estão disponíveis há muito mais tempo que os mais recentes. Destes, só uma postagem ultrapassou a média, com 273 visualizações (Um casamento diferente) e isso deve-se em parte a ter sido partilhado pelo Marcos no FB.
Já quanto aos comentários eles são neste momento cerca de 34.900, nas 961 postagens que o blog tem, desde a sua interrupção, o que dá uma média de 36 comentários por post.
Só uma vez, logo no início houve um post sem comentários, em 23/08/2007 (Sina Peynard), bem interessante, por sinal; e por cinco vezes se ultrapassaram a centena de comentários, sendo os recordistas, com 104 comentários cada: “Parar e reflectir” (23/09/2008) e “A crise da blogosfera” (06/02/2010), curiosamente duas postagens com características semelhantes.
Enfim, curiosidades de um blog que me tem dado muitos momentos de satisfação, e sobretudo me tem dado a conhecer pessoas muito interessantes, algumas das quais passaram a barreira da blogosfera para entrarem na verdadeira Amizade.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Edward Hopper


Edward Hopper (Nyack, 22 de julho de 1882 — 15 de maio de 1967) foi um pintor, artista gráfico e ilustrador norte-americano conhecido por suas misteriosas pinturas de representações realistas da solidão na contemporaneidade.[1] Em ambos os cenários urbanos e rurais, as suas representações de reposição fielmente recriadas reflecte a sua visão pessoal da vida moderna americana.

 Luz – solidão – poesia – silêncio – angústia – introspecção – quotidiano – américa – são algumas das palavras de ordem quando se fala de Edward Hopper. Cada obra é como uma compilação de sonhos, de sentimentos pungentes ou puras construções mentais. Romântico, realista, simbolista: Hopper foi incluído em diversos movimentos e estilos. E, é, precisamente, essa complexidade que enriquece o seu trabalho.
As visitas de Edward Hopper a Paris foram numerosas: em 1906, pela primeira vez, tendo permanecido quase um ano, e, posteriormente, por um período mais curto, em 1909 e 1910. Foi influenciado por vários artistas que aí conheceu: por Degas e pelo princípio poético de “dramatização” do mundo; por Albert Marquet e pelos seus vários pontos de vista do rio Sena; Félix Vallotton e pela luz inspirada em Vermeer;Walter Sickert e o seu universo iconográfico urbano. Em Paris, Hopper adopta o impressionismo. A capital francesa foi, para ele, uma inspiração constante, aí descobriu cores e sombras, inexistentes em Nova Iorque e quase tudo foi tema de estudo e trabalho: ​​as escadas da Igreja Baptista, perto do seu apartamento, os barcos do rio Sena, a Pont Neuf, Notre Dame, entre muitos outros locais.

‘A pintura de Hopper toca a excelência nos domínios da forma e do mistério. Uma ode à introspecção.A Noite Interior. Atmosferas dignas de um cenário. Banhadas por uma luz  especial - a da noite americana – que o realizador francês François Truffaut homenageou no filme ‘La Nuit Américaine’ (A Noite Americana) de 1973. Das suas pinturas, Hopper gostava de dizer, “são sobre mim”. E há, também, o seu auto-retrato (1925-1930). A sua pintura parte da exploração do seu eu interior, um imenso oceano flutuante, que ele nunca parou de explorar. Ele pinta o exterior com o olhar voltado para dentro. Uma metáfora óbvia.
A sua pintura transcende as aparências e é aí que reside, precisamente, a sua força. E a propósito, Hopper numa entrevista cita Renoir: “Há algo de essencial na pintura que não conseguimos explicar”. Abrirmos, assim, nas suas pinturas uma janela e depois outra. Através, desses espaços, o nosso olhar retoma o caminho percorrido pelo pintor. As janelas são pontos de passagem. Sem vidros. Sobre isso, Hopper disse: “Sou fascinado pelos interiores urbanos, sem saber muito bem porquê. Talvez seja uma tentativa de abraçar um todo, toda a cidade, e não apenas algumas partes ou detalhes.” Somosvoyeurs dessas vidas imóveis, congeladas, petrificadas. Somos espectadores impotentes desses quartos, apartamentos e escritórios povoados de solidão. Seres imersos no seu mundo, numa calma aparente, em silêncio, que nunca saberemos, realmente, se é um acto de meditação ou marca de uma angústia profunda. Montaigne escreveu nos seus ensaios: “Quem se conhece (a si próprio) conhece, também, os outros, porque cada homem transporta, em si, a forma inteira da condição humana”. Na procura de si, através da pintura, Hopper acaba por nos representar a todos.






























quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

The Gay Men Project

Já por variadas vezes falei aqui, de outros blogs que conheço e sigo; as últimas vezes tem acontecido mais em relação a blogs que estão no seu início e funcionam como uma chamada de atenção para o aparecimento de um novo blog e raras vezes tenho apostado mal.
Tenho até orgulho no percurso que entretanto certos blogs tiveram depois disso, pois quer se queira, quer não, um blog sem seguidores ou comentadores não passa de um diário.
Mas hoje falo de um blog que é um clássico da blogo, mais antigo que o meu, um dos resistentes dos velhos e bons tempos da blogosfera.
Trata-se do blog do Miguel e se o chamo assim e não pelo seu nome (a referência ao blog obtém-se ao clicar no nome), é porque o Miguel, como o Félix, como o Paulo, só para dar alguns exemplos são para mim, muito mais Amigos do que bloguistas.
 Mas neste caso, o blog, ali enclausurado num condomínio fechado da blogosfera, chamado Livejournal, é um blog que merece ser lido pois revela uma pessoa sensível, culta, com bom gosto e com variadas ramificações de interesses. Não somos muitos os seguidores, mas somos imensamente fiéis.
E foi neste blog que encontrei esta recente postagem, que está muito dentro daquilo que eu penso de certos blogs, que se “perdem” com fotos quando os seus autores têm capacidades muito mais amplas que isso, e ao mesmo tempo chama a atenção para um blog novo, interessantíssimo e que no texto está bem referenciado.
Depois deste longo introito, eis o texto em causa, devidamente autorizado pelo Miguel, como é óbvio.

"The Gay Men Project


A net está cheia de representações da masculinidade homossexual. Na maior parte dos casos, na enormíssima parte dos casos, isso equipara-se a fotografias de gajos nus muito carregadas eroticamente (deixemos de fora a pornografia pura e dura, cuja circulação e disponibilidade, segundo alguns mal-intencionados, foi a verdadeira razão para qual a internet foi inventada!)

A questão é que, em rigor, a construção desse imaginário homo-erótico deve muito pouco à representação da homossexualidade masculina, e eu até me atreveria a dizer que é, em grande parte, vincadamente heterosexual, ainda que dirigido à fantasia, e à líbido, dos homossexuais.

Não me esqueço de que há toda uma imagética ligada directamente a diversos estilos de vida (ou culturas) tipica ou exclusivamente gays; estou-me a lembrar, por exemplo, da cultura bear e dos seus códigos visuais (ainda que, mesmo neste caso, não ande longe de certos imaginários predominantemente heterossexuais, como por exemplo o dos motards). Mas o ponto é que não há site pessoal ou blog que não esteja cheio de fotografias mais ou menos ‘sexys’ (atenção às aspas) de modelos e modelitos, de corpos irrepreensíveis e dirigidos a variados paladares, que constituem, digamos assim, o denominador comum (mínimo ou máximo, será questão de perspectiva) entre delírios gays de todas as idades e fantasias femininas de pendor mais ou menos adolescente.

Onde eu quero chegar é que não são afinal nada frequentes os lugares da net que apresentam representações da masculinidade que sejam especificamente homossexuais (ou gays, ou queers, ou o que se quiser), e nos quais a sexualidade não se esgote no seu apelo mais ou menos erótico, mas que aposte no carácter identitário dessas representações.

São todas estas reflexões que (me) sugerem o extraordinário trabalho do Kevin Truong no seu site/blog The Gay Men Project
, que se apresenta como ‘the visual catalog of gay men across the world’. No site, o Kevin Truong fotografa homens gays (originalmente nas suas casas ou espaços de trabalho, mas depois o projecto alargou-se a outros sets) e apresenta pequenos depoimentos dos fotografados acerca das suas experiências enquanto homossexuais. Vale a pena conhecer o site, e é obrigatório visitá-lo frequentemente.

Ainda que seja para concluir, como me parece ser o caso (e ainda bem), que essas representações não traduzem, afinal, um mundo aparte, e que a resposta à questão “com que se parece um gay?”, só possa ser “com uma pessoa qualquer”."



segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Cinema e música - 4

Há filmes,que embora não sejam musicais,ficam para sempre ligados a uma determinada música, não a música original do filme,mas sim uma canção, a ponto de que ao ouvirmos essa canção,de imediato os nossos sentidos nos levam ao filme.
Escolhi três filmes,melhor será dizer três canções que exemplificam muito bem esta situação
A primeira é interpretada pela inesquecível Judy Garland, no filme "O Feiticeiro de Oz",a melodia que já foi interpretada vezes sem conta por tantos e tantos cantores "Over the Rainbow"
A segunda faz parte do filme que porventura já mais vezes passou nas televisões de todo o mundo e contunua a merecer um público que não se cansa de ver Ingrid Bergman e Humphrey Bogart a despedirem-se num aeroporto e a pôr fim a um romance que tem, como quase todos os romances têm, uma música que Ingrid pede a um pianista que toque e cante uma vez mais; "As Time Goes By" é a canção que toda a gente já ouviu vezes sem conta, no filme "Casablanca".
Finalmente, uma canção que tem um papel muito importante no desenrolar da acção do próprio filme, quando uma mãe canta uma conhecida canção que o seu filho conhece bem,e a canta o mais alto possível,para que o miúdo, sequestrado naquela casa, a possa ouvir e lhe dê a ela e ao marido (James Stewart) a possibilidade de localizar o sítio onde ele está,através do assobio com que o miúdo costumava acompanhar esta canção que a mãe cantava; a música é muito conhecida "Que será, será", na voz de Doris Day e está no filme de Hitchcock "O Homem que Sabia Demais"

sábado, 5 de janeiro de 2013

Nunes

O Sad Eyes, além das três edições dos contos Pixel, cuja última edição subordinada aos temas Natal e LGBT, está agora em fase de votação, lançou um outro desafio, a que deu o nome “The Book of Distance” e que consiste na escrita de pequenas histórias, que não têm ligação entre si e que de alguma forma sugiram distância. Essas histórias serão nove, o número de letras da palavra DISTÂNCIA, e cada uma delas terá um título começado com a letra correspondente. O próprio Sad escolheu, e bem o Arrakis para o primeiro conto, que corresponde à letra D, e depois cada um, escolhe o autor da história seguinte, evidentemente com um título começado pela letra respectiva, respeitando a sequência. As histórias são manuscritas num caderno pequenino, que vai andando de mão em mão, até ser devolvido pelo autor da última história ao Sad.
Sucede que após a quarta história, escrita pelo K, este muito gentilmente convidou-me para escrever a história seguinte; mas eu estava naquele período de pausa do blog, e com pena, declinei o mesmo. Mas parece eu estava mesmo fadado que teria que escrever uma das histórias, e o Miguel, conseguiu “dar-me a volta” e aqui estou com a história correspondente ao N.
É uma história real, como quase sempre são as minhas histórias, passou-se comigo e as outras duas personagens são reais (apenas com os nomes alterados)  e está baseada num dos episódios daquela minha saga “A guerra cá do João” que publiquei já há bastante tempo. A noção de distância, nesta história não é apenas baseada em ter como cenário um local distante, mas principalmente uma distância (distanciamento) que tem que haver na hierarquização militar.
Só para terminar e antes de aqui colocar a história, fico muito satisfeito de poder comunicar que o próximo autor, da história começada por C, será o Paulo (Zoninho) do blog “Felizes Juntos”, que estou certo dará uma excelente colaboração a esta ideia que o Sad em boa hora teve.

"Nunes"
 Nunes era um jovem furriel operacional da companhia que eu comandava, no Niassa moçambicano, para onde tinha sido enviado. Lá longe, e numa rendição individual, fui encontrar 200 homens que nunca tinha visto antes e que a partir daí, iria comandar; eram quase todos de raça negra, da chamada “incorporação local”, ou seja, oriundos da própria colónia, incluindo mesmo alguns brancos, alferes, furriéis e cabos. Do continente não éramos mais que 20, todos brancos, dois alferes, os sargentos, alguns (poucos) furriéis e cabos e até um que outro soldado com especialidades menos comuns, como os que tratavam dos barcos pneumáticos nos quais fazíamos a travessia do Lugenda para a outra margem, onde decorriam quase todas as operações.
Eu sentia-me muito só, pois embora por feitio fosse muito comunicativo, tinha como obrigação não estabelecer amizades ou contactos privilegiados com quer que fosse, pois na vida militar e numas condições de vida, assim precárias, isolados do mundo, sem população num raio de 100 kms, o comandante tinha que ser o garante de uma hierarquização, mais necessária do que desejada; sim, havia convívio, mas não ultrapassava os limites que os factos impunham.
Por outro lado, a minha condição de homossexual estava ainda numa fase que não era plena e total, e tinha perfeita consciência que não seria ali que iria ter qualquer tipo de relação sexual, e nem era preciso um grande sacrifício, pois estava perfeitamente capacitado disso. Aliás, as idas com alguma regularidade a Vila Cabral, ou em menor escala, a Nampula permitiam-me, nessas alturas “carregar baterias”. E também nunca olhei nenhum homem sob o meu comando, segundo um ponto de vista sexual; havia dois ou três bastante dentro do meu padrão de gosto pessoal, mas nada mais que isso.
Sabia, isso sim, que havia homossexuais na companhia, pois que alguns, não muitos, tinham aquele “não sei o quê”, que os homossexuais sentem em relação aos restantes homens, mas nunca se tinha visto ou falado em ninguém a ser conhecido por comportamentos homossexuais.
Até que um dia, (há sempre um dia), estava eu no “parrot”(*)que servia de refeitório a oficiais e sargentos e vi um livro, cujas capas estavam forradas, em cima de uma mesa e peguei nele; era um livro que já tinha lido, “As Amizades Particulares” do Roger Peyrefitte, bem conhecido na então muito incipiente literatura homossexual. E curiosamente, algumas das partes mais “interessantes” estavam sublinhadas a lápis.
Estava a folhear interessadamente o livro, vendo esses sublinhados, quando entrou o furriel Nunes, um bocado apressado e parou aterrado ao ver-me com o livro na mão; vi logo de imediato que o livro era dele e para o pôr à vontade disse-lhe que conhecia o livro , que o achava interessante, principalmente as partes sublinhadas; não poderia ter sido mais directo, mas tudo sucedeu sem uma intenção real de interesse pelo rapaz, que até era bem apessoado, e sim de o sossegar pois ele estava quase em pânico. O facto é que realmente lhe disse implicitamente que era homossexual e notei o alívio com que ficou.
Uns dias mais tarde, o Nunes que era “sabidote”, de uma forma respeitosa, perguntou-me se eu era realmente homossexual e eu disse-lhe que sim, não menti. Abri uma torneira, pois o Nunes logo me foi dizendo que já havia estado com a,b,c,d, eu sei lá o abecedário inteiro…e só nessa altura me capacitei do “perigo” que corria de ficar a fazer parte do abecedário, o que não era aflitivo, pois pelos vistos, quase todos os elementos brancos da companhia já tinham tido experiências homossexuais, mas sendo eu o comandante, não estava nada interessado em transformar a minha companhia numa companhia de “homens com gostos diferenciados” para não usar termos grosseiros…
Mas o Nunes e por iniciativa própria, assegurou-me que nunca me exporia e que tudo o que já se tinha passado entre ele e outros, tinha sido feito com o necessário recato.
O que é um facto é que, visto o Nunes estar a par da minha situação, e porque sempre fui muito oportuno e rápido na forma de agir, em tais circunstâncias, sugeri ao rapaz que nas noites em que estivesse escalado para fazer rondas às sentinelas, passasse pela minha cabana – eu era o único a ter o privilégio de dormir sozinho, sem ser em camaratas – para “conversarmos um pouco”… Convite aceite, e assim passei a ter periodicamente direito a um muito agradável convívio sexual e que ninguém mais soube.
Tive a certeza disso, quando já com a guerra acabada, vim a conhecer melhor, aqui em Lisboa o Martins, alferes lá na companhia e que teve há tempos um bar e depois um restaurante no Bairro Alto e com quem muito conversei aqui sobre esses tempos que lá passámos. Ao falar casualmente no Nunes, ele descaiu-se e disse-me que tinha tido relações com ele lá, coisa que eu nunca soube, e quando eu lhe confessei que o mesmo se passara comigo, ele quase não quis acreditar…
Falámos então de alguns homens que ele, Martins, tinha conhecido sexualmente na companhia e daí concluí mesmo, e depois de ter visto o que vi em Vila Cabral, Nampula e Beira, de que uma grande maioria dos homens que fizeram a guerra colonial, tiveram lá experiências homossexuais.
O Martins e eu tornámos-mos bons amigos, mas nunca houve sexo entre nós e uma bela noite estávamos os dois num bar gay daqui de Lisboa, a beber um copo, quando apareceu…o Nunes! Que festança fizemos, o que rimos e o que falámos, os três até de manhã. O Nunes morava no Norte, tinha vindo a Lisboa de fim de semana e perdi-lhe o rasto. Até mesmo o Martins, deixou o restaurante do Bairro Alto e nunca mais o vi… Distâncias…
 (*)Parrot