domingo, 27 de Julho de 2014

In my place

Roubei o título à canção do dia, dos Coldplay, para mostrar como por vezes as coisas nos parecem tão diferentes, apenas pela forma como dispomos os elementos de um todo.
Cada uma das situações aqui mostradas tem exactamente as mesmas componentes nas duas fotos que servem como exemplo.
Mas o que é curioso é que certas coisas apresentadas de uma forma "desarrumada" fazem sentido ao contrário de tudo disposto numa forma perfeitamente sistematizada.
Vejamos por exemplo os quadros de Miró e de Van Gogh




Penso não haver dúvidas de que a "arrumação" nos dois casos, fica sempre a perder.

Tomemos agora o caso de dois exemplos no campo da alimentação; será que quando vamos comer uma sopa daquelas massas de letrinhas nos preocupamos com a arrumação das mesmas?


E o caso de uma salada? Quando fazemos a salada, temos os componentes, que são naturalmente seleccionados um a um, mas o que realmente nos interessa é o todo, a mistura das partes.



E o que aconteceria se na Natureza as coisas nos fossem apresentadas "descompostas"? Decerto o fim delas seria naturalmente o lixo.


Passará pela cabeça de alguém que vai passar um bocado de tempo a uma piscina (poderia ser uma praia), instalar-se segundo uma ordem programada?


Finalmente, um caso prático - quando se vai estacionar o automóvel, o que interessa o parqueamento segundo as cores do mesmo? o que queremos é que haja lugar...

quinta-feira, 24 de Julho de 2014

George Bellows

George Wesley Bellows nasceu e cresceu em Columbus, Ohio, filho de um empreiteiro devoto e solidamente republicano, e de uma mãe que esperava que o seu filho se tornasse um bispo metodista.
Ele sempre se sentiu profundamente ambivalente em relação ao pai, que tinha 55 anos quando ele nasceu (a sua mãe tinha 40), sendo filho único.
Era considerado como um maricas por seus colegas, mas George Bellows rapidamente aprendeu a defender-se com os punhos, e compensou a sua falta de jeito desengonçado, tornando-se um atleta de destaque, principalmente no beisebol.
 O seu amor pelo desenho cedo apareceu, desde que ele foi proibido de jogar fora aos domingos, mas permitiu-lhe desenhar enquanto a sua mãe lia em voz alta a Bíblia.
Na Universidade Estadual de Ohio, George Bellows provou ser um extrovertido espirituoso, destacando-se em beisebol, bem como no novo desporto - o basquete, cantando em teatros, e fazia desenhos de meninas para a revista da universidade.
As suas proezas atléticas quase o desviou de uma carreira na arte, mas em 1904 ele decidiu recusar um contato profissional de beisebol e mudar-se para Nova York para estudar pintura.
A cidade de Nova York foi uma revelação para ele após as naturezas puras e as residências limpas de Columbus.
Lá,ele rapidamente caiu sob o feitiço do professor carismático Robert Henri, que o apresentou a Shaw, Ibsen e lhe ensinou o socialismo, e inspirou-o a mudar de desenho, para pintar a vida das ruas. Em 1906 pintou a sua primeira obra-prima, "Cross-Eyed Boy"
a que se seguiram outras pinturas igualmente memoráveis de meninos de rua
e depois expandiu a sua visão com uma série de cenas urbanas magistrais que gravam temas como meninos nadando no East River, vagabundos que pululam em torno de um cortiço solitário, a ponte para a ilha de Blackwell, ou a grande cicatriz criada pela escavação da estação de Pensilvânia. Uma dúzia ou mais dessas telas podem classifica-se como das melhores pinturas americanas.






Talvez a sua obra-prima seja a cena de boxe, "Stag at Sharkey,"


inspirado pelo salão de Sharkey, do outro lado da rua do Lincoln Arcade onde teve o seu estúdio, e onde os amadores se agrediam mutuamente em combates nocturnos.


Tornou se um ícone da arte americana, talvez a única expressão das difíceis e ásperas emoções da cidade moderna desse tempo.

Em 1910, Bellows casou com Emma Story, e tiveram dois filhos, Anne, nascida em 1911 e Jean, nascida em 1915



Após o seu casamento, os temas de Bellow começaram a mudar.
Continuou a pintar cenas urbanas, mas cada vez mais se concentrou em paisagens do Maine e Woodstock



assim como retratos





 Surpreendentemente, o pintor de vagabundos e boxers mostrou ser particularmente adepto de retratos sensíveis de mulheres, incluindo muitas semelhanças magistrais de sua esposa e filhas. Apenas um ano antes de sua morte, ele pintou o mais famoso deles, "Lady Jean"
mostrando a sua filha Jean, com dez anos de idade vestida com um traje vitoriano. 
Apropriadamente, Jean mais tarde tornou-se uma actriz, aparecendo na Broadway ao lado de estrelas como Helen Hayes.
Enquanto o vigor de sua obra transmite um sentimento inconsciente, George Bellows era na 
verdade um notável pintor intelectual, que dominou uma variedade de diferentes sistemas de cor.
Além de ser um grande pintor, George Bellows também foi um dos maiores gravadores americanos,que exploraram a técnica de litografia para fazer impressões que parecem desenhos a carvão.




Infelizmente, George Bellows morreu de apendicite, no auge da sua fama e talento artístico, com a idade de quarenta e três anos. 
Mais tarde nesse ano uma grande exposição de sua obra foi realizada no Metropolitan Museum of Art, em Nova York. 
 A fama de Bellows começou cedo e provou de longa duração. 
Com a idade de vinte e três anos, tornou-se membro da Academia Nacional de Design, e com a idade de trinta e um anos tornou-se um académico completo, o pintor mais jovem eleito para aquele órgão. 
Com a idade de trinta anos já tinha um trabalho seu no Metropolitan Museum of Art. 
Hoje ele ainda é classificado como um dos gigantes da arte norte-americana - uma figura cujo realismo rivaliza com o de Thomas Eakins, e cujo virtuosismo técnico rivaliza com a de John Singer Sargent.
Ficaram também célebres as telas que pintou com motivos de neve 



e principalmente as que dedicou à violência dos soldados alemães durante a 1ª.GrandeGuerra









domingo, 20 de Julho de 2014

Dimitris Papaioannou

Dimitris Papaioannou, nasceu em Atenas em 1964 e é um encenador, coreógrafo e artista visual que começou a ser conhecido quando apresentou a coreografia da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004.
Mas o seu percurso artístico começou muito antes.
Começou por ser um artista visual, ilustrador e criador de “comics”, tendo apresentado o seu trabalho em numerosas exposições, produziu ilustrações para diversas revistas e coeditou um “fanzine” (1986-1992), que foi das primeiras publicações com artigos abertamente gays a aparecer na Grécia, tendo colaborado noutras publicações de índole gay e publicou cerca de 40 “comics”, muitas delas de teor gay, algumas com desenhos bastante explícitos.
Em 1986 começou a interessar-se pela dança e pelas artes “per formativas”.
Esteve nesse ano em Nova York, e chegou a interpretar e coreografar uma ópera em Baltimore.
No seu regresso a Atenas fundou com Angeliki Stellatou a “Edafos Dance Theatre” (1986-2002), tendo nesses 16 anos coreografado e produzido todas as 17 obras desse grupo.
Em 1989 esteve na Alemanha onde trabalhou numa obra com Tom Waits e Robert Wilson.
As suas mais conhecidas coreografias são pois desse tempo, não só na sua Companhia, mas também noutros projectos, entre eles, duas óperas e coreografias para peças de teatro apresentadas pelo Teatro Nacional Grego; ao mesmo tempo colaborou com a Ópera Nacional Grega e com diversas companhias de dança, como coreógrafo, dançarino e também no guarda roupa.
E também teve algumas ligações ao cinema.
 Não surpreendeu que tivesse sido convidado para Director Artístico das cerimónias de abertura e encerramento das Olimpíadas de 2004, realizadas em Atenas e pelas quais ficou mundialmente famoso. Posteriormente, em 2006 apresentou a sua obra de maior “fôlego”, denominada 2 (“Two”), com um imenso sucesso, com muitas referências à homossexualidade e em que também participou como intérprete.
Continua a trabalhar em novas coreografias nas quais se distinguem “Nowhere”(2009) e “Still Life”(2014).
Tendo apenas 50 anos é hoje uma das maiores referências da coreografia mundial e muito há ainda a esperar da sua futura obra

Gostaria muito de apresentar aqui vários vídeos das suas obras, o que tornaria esta postagem longa e de demasiada duração; mas elas podem ser procuradas ou no "You Tube" ou no "Vimeo".
No entanto aqui deixo três vídeos.
Um, fundamental, apesar da sua duração (cerca de 30 minutos), contém extractos das suas obras dos últimos 10 anos e é imperdível.
No entanto e para quem não tenha a paciência de o ver, fica aqui um apontamento, lindíssimo,de"Nowhere",
NOWHERE (2009) / central scene / for Pina from Dimitris Papaioannou on Vimeo.

E finalmente para aguçar o apetite para o filme de longa metragem 2("Two"), que eu tirei pelo "e-mule", fica também uma amostra desta obra invulgar.


Espero que gostem, pelo menos tanto, como eu gostei de conhecer Dimitris Papaioannou e a sua obra.

quinta-feira, 17 de Julho de 2014

E eis o dia D...


   

E eis o dia D!
O livro, até me custa dizer “o meu livro”, está à venda.
Tenho algum receio de me repetir, mas este livro tem como base umas crónicas publicadas ao longo de um tempo já recuado, neste blog e que tiveram como título “ A tropa cá do João”, nome de um poema saloio que escrevi lá em África e que foi a primeira dessas crónicas.
Na altura, os comentários de quem as leu foram bastante positivos havendo algumas pessoas com quem me ligo mais em termos de trocas de impressão sobre livros (Miguel Nada e Margarida Leitão, entre outros), que me questionaram porque não publicava “aquilo” como livro.
Nem tal coisa me passava pela cabeça.
Entretanto passado algum tempo vim a conhecer o João Máximo e o Luís Chainho, que têm entre eles um projecto deveras interessante, que é a INDEX ebooks, uma editora de livros digitais vocacionada essencialmente para obras relacionadas (de algum modo) com temas LGBT.
Conhecedor dessas minhas crónicas, o João, também me começou a falar em eventualmente estar interessado na publicação de um livro meu sobre esse tema.
Mais recentemente e como resultado do encontro virtual ( a Net é um mundo) com pessoas que estiveram na Ilha de Metarica em períodos anteriores a mim, publiquei aqui um post sobre uma publicação do Carlos Alves, chamada “A Metariclândia” – As aventuras em África (que por acaso só agora estou a ler).
E voltou o “cerco”, acerca do “meu livro”; tanto me forçaram, que acedi. E quando tomo uma decisão, é meu feitio empenhar-me nela. Assim depois de um primeiro contacto com o João em que definimos o que fazer – reescrever os posts já publicados, escrever alguns mais, ordenar os textos, fazer uma introdução e uma conclusão, escolher fotos, fazer dois ou três anexos – o livro começou a ser concebido.
E aqui veio para mim uma surpresa: se eu já conhecia e admirava como pessoa e como amigo, o João, depois de duas ou três “reuniões de trabalho” com ele, fiquei completamente rendido ao seu profissionalismo como editor. Eu nada conhecia sobre uma edição de livros e mais uma vez aprendi coisas o que é sempre muito compensador.
Não esqueço que o João não está só na INDEX, e portanto englobo aqui o Luís e a Patrícia.
E o livro nasceu!

Uma palavra que é imperiosa – este não é, de todo, um livro gay; nem nada que se pareça! Tem sim, um capítulo, que já era uma das crónicas publicadas no blog, sobre a homossexualidade na guerra colonial e eu faço uma alusão, que é muito verdadeira, à influência que o meu período africano teve na minha “auto saída” do armário.
Razões que chegam para fazer parte das publicações da INDEX.
Espero que quem o leia, goste e tenho sempre algum receio de que uma ou outra expectativa (não minha) demasiado alta, saia gorada.

Fica aqui a referência aos locais onde o livro pode ser adquirido.
Comprar ebook:
Google Play – Amazon (Portugal) – Amazon (Brasil) – Apple (Portugal) – Apple (Brasil) – Kobo by FNAC – Kobo Brasil – WOOK – Livraria Cultura.
Comprar em papel (impressão a pedido):
Bubok, Createspace, Amazon


segunda-feira, 14 de Julho de 2014

Geoffrey Laurence

Geoffrey Laurence é um pintor realista americano, que nasceu em 1949, em New Jersey, filho de pais sobreviventes ao holocausto, naturais da Silésia mas naturalizados americanos.
Foi criado e educado em Inglaterra (Londres), e ali viveu 38 anos.
Foi lá que estudou pintura em três escolas de arte durante sete anos e depois de terminados os estudos começou a trabalhar como free lancer em diferentes campos da sua arte: ilustrador de revistas, designer gráfico para empresas de moda e multinacionais, fotógrafo de jornais.
Na década de 90, tornou-se designer de interiores, mas sempre que tinha tempo disponível desenhava e pintava, principalmente figuras, tendo feito algumas exibições.
 Entretanto voltou de novo a dedicar todo o seu tempo ao estudo de técnicas de pintura clássica e em 1992 voltou aos EUA, onde em Nova York concluiu os seus estudos.
Desde 1996 que vive e trabalha no Novo México.
Gosta de explorar a relação entre a figura contemporânea e pinturas clássicas específicas.