quarta-feira, 3 de Setembro de 2014

Georgia O'Keeffe

Georgia O'Keeffe (1887-1986) foi uma das primeiras mulheres a alcançar um sucesso indiscutível no seio da pintura norte-americana.
Estudou pintura no  Art Institut of Chicago e mais tarde na Universidade de Columbia em Nova York.
Afastando-se das influências da pintura europeia dos inícios do século XX e, nomeadamente, do surrealismo, encontramos as principais bases de influência da sua obra na fotografia, tendo como principal mentor o fotógrafo Alfred Stieglitz (1864-1946).
que inicialmente começou por se interessar pelos quadros de O'Keeffe (numa fase ainda embrionária da sua obra) expondo-os na sua galeria “291” em Nova Iorque, e que, mais tarde, viria a ter um longo relacionamento amoroso com a artista, o que levaria a que houvesse uma influência recíproca na obra de ambos.
Num misto de arte abstracta, irreal e onírica, e arte figurativa, representativa, em certa medida, conservadora, a obra de O'Keeffe prima pelo cunho muito pessoal e emotivo que a artista imprime aos seus quadros, deixando transparecer o significado que atribui aos objectos que vê, à realidade que sente.
Daí o seu interesse pela natureza, a paixão pelo Novo México e a sua paisagem selvagem, inóspita até, em contraposição à sociedade moderna, civilizada, tipicamente nova-iorquina, cidade vertical repleta de arranha-céus também retratados por O'Keeffe, em que parece haver uma redoma que não deixa sequer entrever o céu.
As suas telas de paisagens e flores foram muito apreciadas a partir de 1928. Georgia é considerada uma das pintoras norte-americanas de maior sucesso do século XX
































terça-feira, 26 de Agosto de 2014

Viagens 13 - Alemanha

Excluindo as diversas escalas de uma noite em Colónia, a caminho de Belgrado, efectuei três viagens à Alemanha, sempre na companhia do Duarte.
A primeira à parte ocidental e ao norte do país e as restantes a Berlim.
Deixando estas duas para outra ocasião, vou falar desse primeiro contacto com o país que hoje manda na Europa (não o que sucedia nessa altura, que ainda se chamava R.F.A. (República Federal Alemã), com capital em Bona.
Fomos de avião até Frankfurt
cidade que pouco tempo tivemos para apreciar, pois foi quase só pernoitar; ficou a recordação de um enorme aeroporto e de uma atmosfera pouco agradável junto à estação ferroviária central.
Seguimos para Colónia
cidade muito bonita, banhada pelo Reno, com uma Catedral gótica maravilhosa, logo ali junto à estação de comboios, onde chegámos e apanhámos um táxi para o hotel que eu havia reservado; devo dizer que na altura não havia net e as reservas fazia-as por telefone depois de ter seleccionado o hotel num guia Michelin, ou neste caso de Colónia, no Spartacus, pois escolhi um hotel gay. 
Apesar de central, e estranhamente, o motorista desconhecia a morada, e foi preciso eu, munido de um pequeno mapa, onde tinha assinalado previamente o hotel, lhe ir indicando o trajecto, sem saber uma palavra de alemão (o individuo ou era novo na profissão, ou estava a fazer um “gancho”).
Mas lá chegámos e o hotel não era grande coisa, enfim...
Os dois ou três dias que estivemos na cidade deu para conhecer o principal – Colónia não é grande – e à noite íamos beber uns copos a sítios agradáveis.
Dali partimos com destino a uma pequena cidade – Munster –
que tinha para mim um particular interesse, já que era de lá um dos dois amigos que havia anos tinha conhecido na Figueira da Foz e com quem estabeleci uma especial amizade platónica, pois eu era e fui, durante algum tempo, virgem. 
Da Figueira, vim com eles para Lisboa passar uma semana e essa amizade estreitou-se ainda mais quando o outro rapaz disse um dia em conversa que esse mais amigo meu – Werner era o seu nome – era gay. Foi muito bonito e puro o que se passou nesses dias, eu tinha para aí 15 ou 16 anos e depois de ele partir mantivemos contacto durante uns tempos; ele era mais velho, vinte e poucos e era lindo, loiro e simpatiquíssimo. 
Ora ele era de Munster e eu ia à sua procura, apenas tinha o seu nome – Werner Heine – uma foto tipo passe e um endereço. 
Não o encontrei nem ninguém o conhecia...
Enfim, um pouco triste, seguimos viagem para Hamburgo, tendo tido uma breve paragem em Bremen.
Em Hamburgo
 tínhamos uma reserva de um outro hotel gay, situado em pleno coração do bairro do sexo da cidade, o famoso St.Pauli.
 Se o hotel de Colónia era fraquinho, este era uma espelunca, ainda estivemos para procurar outro sítio, mas como era por poucos dias e era só para dormir, ficámos.
Hamburgo é uma grande cidade, bonita, com um, lago muito vasto e agradável e um enorme porto.
Enquanto lá estivemos tivemos a visita de um casal amigo, de Berlim, o Hans e o Peter, que embora alemães tinham uma vivenda na Parede, e conhecíamos-nos daí
.Foram muito simpáticos e levaram-nos de carro até Lubeck
uma cidade lindíssima e que foi um dos principais centros da Liga Hanseática, que reunia as maiores cidades mercantis do norte da Europa, pelo que é um centro histórico importante e onde nasceu Thomas Mann.
Fomos aí almoçar num dos mais belos restaurantes onde já estive, todo decorado com bandeiras da Liga Hanseática e onde se comia maravilhosamente. 
A carta (menú)  era belíssima, enorme e eu gostei tanto dela que o Hans foi adquirir uma para me oferecer – gostava de saber por onde para ela...aqui por casa.
Ainda fomos a uma praia no Mar do Norte – Bremerhaven
 mas que era muito pobrezinha comparada com as nossas magníficas praias.
De Hamburgo regressámos a Lisboa.

Quando regressámos para a primeira visita a Berlim, já era a Alemanha, mas apenas há uns meses; mas isso fica para outra vez.

sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Matthew Connor


Num dos muitos blogs que vou seguindo, fui encontrar este senhor, um americano de Boston, que eu nunca tinha ouvido falar.
Gostei da voz, do estilo, e claro que lá estou eu no "You Tube" à procura de coisas interessantes.
Seleccionei dois vídeos, o primeiro bem bonito, intitulado "Smoke Signals"

Mas foi um outro que me fez trazê-lo aqui ao blog; uma canção magnífica num vídeo muito bem feito, num estilo "vintage", a preto e branco, com um título delicioso e que me fez naturalmente aumentar exponencialmente as minhas saudades do Déjan.
Deliciem-se com este maravilhoso "How is already July over?"...


terça-feira, 19 de Agosto de 2014

Pretende dar a ideia de perceber de pintura?

Isto não é totalmente verdade, é óbvio.
Todos estes artistas são grandes pintores e estas”particularidades” não passam de meras curiosidades que apenas pretendem fazer rir, com o acompanhamento vocal da “enorme” Maria Callas...

Se o fundo do quadro é escuro e a personagem tem cara de “não fui eu...”, então é um Ticiano

Se toda a gente tem um rabo grande e caído, evidenciando uma enorme celulite, então é um Rubens

Se os homens têm um aspecto efeminado, cara de constipados ou cheios de frio, então é um Caravaggio

Se são telas com muita gente, que parece normal, mas caminha sem direcção certa, “à procura do Wally”, então é um Bruehgel

Se a pintura tem muita gente, como que enlouquecida, parecendo imagens do “Feiticeiro de Oz”, então é um Bosch

Se os homens parecem necessitados, bêbados e têm caras manchadas, sujas ou mal iluminadas, então é Rembrandt

Se os homens, em todas as pinturas, são belos, estão nus ou semi-nus, com um sexo pequenino, depilados e de aspecto efeminado, então é um Michelangelo

Se o quadro tem bailarinas, com cinturas pretas, então é um Degas

Se a tela é nítida, as figuras são barbudas, corpos altos e magros, com cara de famintos, então é um El Greco

Se todas as personagens do quadro têm cara de “nada”, ou se parecem com o Putin, então é um Van Eyck


Se os quadros têm paisagens com muita gente, com corpos originais, ou então se têm frutos e uma garrafa de vinho, então é um Cézanne

Se tem bailarinas de cabaret e homens de duvidosa conduta social, então é um Toulouse-Lautrec

Se você esfregou a tela com o gato da vizinha, antes de secar a pintura, e tudo parece sem sentido, então é um Van Gogh

quarta-feira, 13 de Agosto de 2014

"Tension"

Bailarinos são vistos como seres sublimes e dotados de subtileza.
O que pouca gente vê é a força e a tenacidade por trás de cada passo feito por eles.
Focado nessa energia, o fotógrafo Nir Arieli criou "Tension", um ensaio para mostrar através da sobreposição de imagens os movimentos complexos e dinâmicos da dança.
A escolha dos modelos não podia ser mais correta: bailarinos contemporâneos.
Os movimentos, que não eram coreografados, foram executados de forma espontânea, à escolha do modelo e os resultados não poderiam ser previstos, já que a montagem das fotos veio depois, enquanto Nir procurava a combinação perfeita para o resultado esperado: um estudo sobre dança e tensão muscular.
As imagens são incríveis e passam a sensação de um deslocamento causado pelas escolhas intrigantes das justa posições.
A impressão que temos é que o corpo dança em torno de si mesmo, sendo objecto e palco da própria performance.
Elegância e estranhamento nunca foram conceitos tão próximos quanto neste trabalho.
O mais espantoso de tudo isso é pensar que tal projecto foi desenvolvido por Nir Arieli, uma pessoa sem qualquer afinidade com a dança, como ele mesmo diz: “Eu não posso dançar. Não posso no meu quarto, nem em uma boate, muito menos em qualquer tipo de palco. (…) No entanto, desta vez, pela primeira vez, eu me vi envolvido activamente na dança — mesmo usando o corpo de outra pessoa.”
Nir começou por ser um fotógrafo militar que trabalhava para um jornal.