Mostrar mensagens com a etiqueta espectáculo. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta espectáculo. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Maya Plisetskaya


A bailarina e coreógrafa russa , considerada uma das referências da dança do século XX,faleceu a semana passada em Munique, aos 89 anos, em consequência de um ataque cardíaco.
Maya Plisetskaya nasceu em Moscovo em 1925 no seio de uma família com ligações às artes, em particular à dança, que começou a praticar aos três anos.
Aos nove anos ingressou no Bolshoi Ballet School e aos 18 anos foi eleita primeira bailarina daquele teatro.
Considerada a criadora de algumas das inovações coreográficas e interpretativas mais importantes das últimas décadas, Maya Plisetskaya dançou durante meio século, sendo “A morte do cisne”, “Bela Adormecida” e uma versão moderna para “Bolero”, de Ravel, algumas das interpretações mais memoráveis.
Yury Grigorovich, Roland Petit e Alberto Alonso foram alguns dos coreógrafos que criaram coreografias para Maya Plisetskaya.
No dia do 70º. aniversário, em 1995, a bailarina estreou a coreografia “Ave Maya”, que Maurice Béjart criou para ela.
Oriunda de uma família judia, o pai foi morto pelo regime de Estaline em 1938 e a mãe foi enviada para trabalhos forçados no Cazaquistão, acusada de traição à União Soviética.
Nos anos 1990, Maya Plisetskaya obteve nacionalidade espanhola depois de ter dirigido o Ballet Clássico Nacional de Espanha.
Em 2005 foi distinguida com o Prémio Príncipe das Astúrias das Artes de Espanha. O júri deste prémio sublinhava a importância do trabalho de Maya Plisetskaya: “Transformou a dança numa forma de poesia em movimento”.
Antes, a bailarina tinha sido directora artística do Ballet Ópera de Roma.
Em 1994 fundou o Ballet Imperial Russo.
Maya Plisetskaya vivia na Alemanha desde a década de 1990 e era casada com o compositor Rodion Shchedrin.



 "A Morte do Cisne" é um curto bailado a solo, baseado no 13º andamento, "O Cisne", da suite O Carnaval dos Animais, que o compositor francês Camille Saint-Saëns compôs em 1886. O bailado foi criado pelo coreógrafo e bailarino russo Mikhail Fokine, a pedido da bailarina, também russa, Anna Pavlova, e foi estreado em 1905.
Escolhi este vídeo, não só por ser uma das peças em que Maya mais se distinguiu, como por nele ser muito evidente um pormenor que muitas vezes é esquecido - a importância dos braços na dança, mas principalmente na dança clássica.
Claro que na dança é com os pés que é mostrado o virtuosismo dos seus intérpretes; mas a forma como os braços acompanham o movimento do corpo é fundamental.
E aqui, neste vídeo é magistral a forma como Maya Plisetskaya o faz.
Simplesmente soberbo.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Doce Pássaro da Juventude


Vou dizer por palavras minhas muito pouco sobre esta peça produzida pelos Artistas Unidos e em exibição no S.Luiz, aqui em Lisboa.
 Apenas referir que achei a peça soberba em todos os aspectos, que considero Maria João Luiz uma das melhores acrizes da actualidade, que vejo Rúben Gomes a melhorar de papel para papel, que é admirável ver um actor como Américo Silva.
 E dizer que acima de tudo e num resumo demasiado simplista e talvez demasiado redutor, que é uma peça sobre essa tenebrosa palavra: o TEMPO.

De resto deixo um apontamento que transcrevo do programa:

"Uma actriz (Alexandra Del Lago) que envelhece e enfrenta o desastre de uma vida, longe dos doces anos da sua juventude. Um rapaz( Chance Wayne) que a conduz de volta à sua terra natal. É domingo de Páscoa, mas nada vai ressurgir, não haverá ressurreição. Mas todos procuram voltar a um passado feliz que um dia teve lugar. Enquanto decorre uma sórdida manobra política. Uma das peças mais secretas (e problemáticas*) de Tennesse Williams – e como tantas vezes a derrota perante o tempo, o derradeiro voo do pássaro da juventude?"

Mas deixo sobretudo um texto absolutamente genial de Jorge Silva Melo, que a propósito desta peça vai além dela e presta uma maravilhosa homenagem aos seus artistas. 
Mas convém não esquecer aquilo que a modéstia de Jorge Silva Melo não lhe permite escrever: sem ele não teríamos esta magnífica companhia de teatro tão bem denominada Artistas Unidos, sem ele, o teatro português estaria incomensuravelmente mais pobre. 
Por isso mesmo, muito obrigado Jorge Silva Melo.

ACTORES DESTES DIAS
São tão extraordinários, tão dotados, tão únicos os actores com quem há anos venho trabalhando uma, duas, só três ou quatro vezes, é tão extraordinária a liberdade e a integridade conseguidas nestes já quase 20 anos dos Artistas Unidos. E estava a ver as rugas começarem a surgir, os cabelos brancos a aparecer e pensei: não quero que estes actores a quem tudo devo, a vida, a arte, o amor, tudo, a vida de todos os dias, não quero que percam aqueles papéis que foram escritos para eles, não quero deixar passar o tempo, quero ver a Maria João Luís, quero ver a Catarina Wallenstein, sim, quero ver o Rúben Gomes, quero ver o Américo Silva, quero ver a Isabel Muñoz Cardoso, quero ver a Vânia Rodrigues e o Nuno Pardal e o Tiago Matias e o João Vaz, estes que se têm juntado a nós, sim, quero vê-los decifrarem comigo as tortuosas peças de Tennesse Williams, aqueles papéis que só podem fazer agora, agora que o doce pássaro da juventude lançou voo.
Comovi-me quando li o meu adorado Peter Stein dizer ao jornal Público “nunca quis ser encenador quando era novo, quero só ajudar uns actores”. É tal qual: ajudar uns actores que admiro, encontrar teatros, dinheiro, tempo, colegas, roupas para eles nos darem o que só os actores sabem, lágrimas, risos, suores, no fundo, abraços estreitos durante a noite.
E assim nasceu esta ideia de revisitar Tennesse Williams, fazer “Gata em Telhada de Zinco Quente” em 2014, “Doce Pássaro da Juventude” agora, “A Noite da Iguana” lá mais para a frente, peças de outros tempos, de outros palcos, peças que saberei ajudar a fazer, peças que, garanto, foram escritas aguardando os seus corpos, estas vozes.
Pois só isso agora desejo: ajudar a fazer.
E que cada espectador possa guardar dentro de si a ousadia destes artistas cuja disponibilidade não sei se merecemos.
Assim, voltamos a ver aqui no “Doce Pássaro da Juventude” quase todos os actores com quem trabalhei “Gata em Telhado de Zinco Quente” que estreámos em Setembro de 2014 em Viseu e andou pelo país. E mais alguns que a nós se juntam. Como se fôssemos uma companhia fixa, tivéssemos salas de ensaio, programássemos horas e dias, temporadas e trabalhos. Porque os actores têm dentro de si inesperadas personagens, máscaras, poesias.
Estreada em Nova Iorque em 1959 com encenação de Elia Kazan* e interpretação de Geraldine Page, Paul Newman e Rip Torn, “Doce Pássaro da Juventude” que Richard Brooks filmou em 1962 com quase todo o elenco original

é uma peça desequilibrada, poderosa, desarrumada, insólita em que Williams se debate com as convenções da sua Broadway e avança para campos apenas entrevistos*. Joga técnicas consideradas impossíveis, escreve um primeiro acto que é em si mesmo uma longa peça de duas personagens, desenvolve no segundo personagens e temas imprevistos, abandona personagens, são duas horas de vertigens várias, dolorosas.
E mais uma vez pede ao espectador que partilhe um segredo. “Eu não vos peço piedade, só peço a vossa compreensão – não, nem isso – não. Apenas que me reconheçam a mim dentro de vós próprios, e ao inimigo, o tempo, em todos nós.”, diz Chance Wayne e podia acrescentar com o imenso Baudelaire “hypocrite lecteur, mon semblable, mon frère”.
Talvez seja esse o seu apelo, tratar-nos como irmãos.
Mas será possível devolver ao teatro aquilo que aparentemente o cinema fixou? Será possível voltar a estas peças sem as cores esplendorosas de Hollywood? Será possível a St,Cloud (cidade onde a peça se desenrola) sem Kazan nem Richard Brooks? Será possível ver outra vez Alexandra Del Lago e Chance Wayne e ver como eles falam mesmo de nós, da nossa cobardia, dos nossos medos, do tal “tempo que passa por cima de nós”? Será possível voltar a pôr no palco estes dilemas, esta ansiedade, esta sofreguidão?
Olha, é uma aposta. E aqui estamos”.


* - não percam a leitura deste magnífico texto da autoria de Carlos Marques da Silva 

sábado, 14 de março de 2015

The Irrepressibles


“The Irrepressibles” é uma banda inglesa alternativa (arte-pop) criada em 2003 e que tem em Jamie Irrepressible  (Jamie McDermott) o seu mentor (vocais, guitarra, piano, programação electrónica e composição).
Os restantes membros são Sara Kershaw (piano e vocais), Apollo (violino e vocais), Chloe Treacher (violoncelo, contrabaixo e vocais) e Ollie Hipkin (percussão).
Esta banda lançou dois álbuns de estúdio completos: “Mirror, Mirror” em 2010 e “Nude” em 2912 e 5 Eps tendo também lançado alguns singles de grande êxito, dos quais o mais divulgado é “In This Shirt”.
Apresento aqui algumas das suas obras mais conhecidas em vídeos bastante sugestivos.






quarta-feira, 18 de junho de 2014

Les Ballets Trockadero de Monte Carlo

Les Ballets Trockadero de Monte Carlo é uma companhia de bailado americana constituída por dançarinos “drag” que parodia as convenções e clichés do romântico bailado clássico.
Foi fundada por Peter Anastos, Natch Taylor e Anthony Bassae em Nova York em 1974, produzindo pequenos shows nocturnos em locais muito especiais da Broadway.
O seu primeiro show foi em 9 de setembro de 1974, num sótão da Rua 14, no coração da Broadway. O atual diretor artístico é Tory Dobrin.
 Depois de receber críticas favoráveis na “The New Yorker”, foi descoberto por um público mais vasto.
Os "Trocks" começaram a percorrer o mundo, com compromissos prolongados em muitas grandes cidades. Em 2008, eles tocaram no “Royal Variety Perfomance”, na presença do príncipe Carlos.
 Os bailarinos retratam ambos os papéis: masculino e feminino num estilo bem-humorado, que combina paródias de ballet, com peças clássicas destinadas a mostrar as habilidades técnicas dos artistas.
Muito do humor resulta de ver bailarinos travestidos interpretando papéis normalmente reservados para as mulheres, vestindo tutus e dançando em pontas.
Assisti há poucos anos a um espectáculo memorável desta Companhia no CCB.
Deixo aqui dois vídeos, um com aspectos da própria Companhia e outro com um extracto célebre do bailado “O Lago dos Cisnes”


terça-feira, 27 de maio de 2014

"Quotidiano Anotado"

“Quotidiano Anotado”, que o Teatroesfera, de Massamá tem em cena e que fui ver no passado domingo, após ter votado, decorre no hall de entrada de um prédio, onde as personagens interagem e partilham pensamentos sobre a vivência de uma micro sociedade tais como controladores, idealistas, salvadores, resignados, amorfos, doidos, rebeldes, cruzando conceitos à porta do elevador.
Desafiando o habitual, o Professor que constrói uma tese de doutoramento a partir de anotações do quotidiano, anotando minuciosamente o comportamento das personagens que habitam o prédio, conclui que «é mais improvável o homem dominar o Quotidiano do que alcançar a Felicidade na Terra».
Rui Cacho
em cuja figura se centra a personagem do Professor, um autor instigador de um olhar inteligente e humor acutilante sobre a realidade, é um cidadão de Monte Abraão que conheceu e retratou em crónicas os habitantes deste prédio, que foram moldados em personagens reais neste espectáculo pela mão de Paula Sousa, também ela moradora nesta freguesia. Aliás, Paula Sousa tem a seu cargo a encenação, dramaturgia, cenografia e figurinos deste espectáculo. 
E no que respeita à interpretação ela apresenta aqui cinco jovens actores a quem deu formação durante 3 anos, no Curso de Artes do Espectáculo da Escola Gil Vicente: Ana Pestana, Beatriz Pinto, Murillo Camargo, Inês Filipe e Isaías Manhiça. 
Junto com eles estão sete actores do Grupo de Teatro da APRIMA (Associação de Reformados Pensionistas e Idosos de Monte Abraão), o que é sempre de enaltecer, pois ocupa com muito proveito o tempo de gente de mais idade e que, nalguns casos, vai mesmo muito bem, que é o caso de Manuel Teixeira, sendo os restantes, Irene Rico, Francisco Ventura, Isaura Almeida, Isaura Conceição, Lurdes Gonçalves e Raúl Rodrigues. 
Finalmente quatro actores profissionais: Emanuel Arada (o Professor), Isabel Ribas, Tiago Ortiz e José Graça. 
É um teatro que foge por completo ao intelectual, feito por assim dizer com a “prata da casa”, já que o dinheiro não abunda, mas que retrata muito bem a vivência da gente da terra, e que curiosamente tinha na assistência um prolongamento das personagens, já que a grande maioria eram pessoas pouco habituadas a ver Teatro, mas que viveram muito intensamente a trama, aplaudindo quando gostavam, interrompendo a cena e que riram com as cenas caricatas daquele dia a dia que afinal é o seu. 

Um apontamento particular e que divertiu quem estava nos lugares perto: mesmo ao meu lado estavam duas pessoas, pai e filho, de sessenta e tal e trinta e tal respectivamente; acontece que o mais novo sofrerá de algum problema mental e embora estivesse quase sempre bem, a um dado momento começou a ter “gases sonoros” e de cada vez que isso acontecia, o pai dizia-lhe “então pá que é isso?” e ele desculpava-se em voz alta para o pai e para as outras pessoas “desculpa, desculpem”… 
A partir de meio do espectáculo começou a pedir em voz alta ao pai que o levasse à casa de banho e o pai dizia-lhe “aguenta, rapaz…”. 
No final vim a saber que eram o marido e o filho da actriz mais velhinha, que veio ter com eles – cenas de um “Quotidiano Anotado”…

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Black Lips

"Black Lips" é uma banda americana fundada em 1999 no estado da Geórgia e era constituída originalmente pelos guitarristas Cole Alexander (vocalista) e Ben Ebergangh,  pelo baixista Jared Swilley e pelo baterista Joe Bradley. Ben Ebergangh veio a falecer em 2002 e é actualmente substituído poe Ian Saint Pé Browm.
É uma banda controversa, principalmente nos seus espectáculos ao vivo, tendo sido famosos os distúrbios causados na actuação no célebre local gay londrino "Heavens" e na sua digressão à India.
Também esteve no centro das atenções quando do massacre de Columbine.
Aliás nos clips musicais aqui apresentados podem notar-se comportamentos alternativos bastante marcantes e que são a sua imagem de marca.






segunda-feira, 14 de abril de 2014

Um excelente fim de semana

Foi um excelente fim de semana, marcado por dois acontecimentos bastante diferenciados e qualquer deles muito gratificantes.
Em primeiro lugar, quero referir-me à visita a Lisboa do meu amigo de há muito, o Edu, que há anos andava a “ameaçar” vir até cá, mas só agora cumpriu a “ameaça”. Trouxe com ele excelente companhia: a sua Mãe, D.Augusta, pessoa simpatiquíssima e com quem se pode falar de tudo com uma amabilidade extrema, e também o seu namorado, o Reginaldo, com quem o Edu faz um excelente par.
O Edu é exactamente aquilo que eu sempre julguei pelo que lia no blog e nos contactos que íamos tendo – uma pessoa com um dom especial de convivência, com um discurso muito particular e saborosíssimo, naquele linguarar de Sampa, que é muito mais que o brasileiro a que estamos habituados; tem um humor muito apurado, e é de uma grande ternura.
Passei com eles o dia de sexta feira, tendo-os levado de carro naquele “velho percurso”: Lisboa, Sintra, com Pena incluída, Praia das Maçãs, Azenhas do Mar, Cabo da Roca, Boca do Inferno, Cascais, Estoril, e depois uma visita aos pastéis de Belém e ainda uma ida ao Cristo Rei, para ver Lisboa de frente, sempre tão linda.

No sábado fomos jantar ao Parque das Nações, num grupo alargado ao Miguel Nada, à Margarida Leitão e ao João Máximo e Luís Chainho, em casa de quem acabámos a noite (moram mesmo pertinho da Expo)
a apreciar uma torta de laranja deliciosa que a Margarida fez para a ocasião e numa tertúlia muito interessada sobre música brasileira e música portuguesa, e seus intérpretes
 Foi uma bela noite.

Hoje domingo, fui à tarde, com o Miguel, ver a última produção teatral dos Artistas Unidos, no TNDM, “Regresso a casa”, de Harold Pinter, numa encenação de Jorge Silva Melo, que também é intérprete.
O protagonista é o fantástico João Perry, no papel de Max, o pai, que vive com dois dos seus filhos, interpretados por Elmano Sancho e João Pedro Mamede e com o seu irmão (JSM), e a este núcleo familiar totalmente masculino, muito marcado pela ausência de uma figura feminina ( a mãe, já tinha falecido???), junta-se o terceiro filho, que vive nos EUA e traz com ele a sua mulher, que a família ainda não conhece. Este casal é interpretado por Rúben Gomes e Maria João Pinho.
Note-se que todos estes actores à excepção de João Perry, fazem parte dos elencos habituais da companhia dirigida por J.Silva Melo e são todos actores de excelência.
A peça, uma das mais conhecidas de Pinter é muito forte e a única personagem feminina torna-se o centro não só da narrativa, como toma mesmo o centro nevrálgico daquela família tão peculiar.
É uma peça que eu atrever-me-ia de qualificar de amoral, mais do que imoral, pois aqui a moralidade não existe…Fortíssima pois, como é hábito de Pinter.
Jorge Silva Melo
já muito experimentado na encenação do dramaturgo inglês, não tem qualquer dificuldade em assinar uma encenação, a todos os títulos brilhante.
É uma peça imperdível, do melhor que tenho visto nos últimos tempos.

E, "the last, but not the least", o meu Benfica, sagrou-se hoje, praticamente campeão nacional da época 2013-14 (falta-lhe um ponto e três jogos para o conseguir). 
Absolutamente justo este título do SLB.

quarta-feira, 19 de março de 2014

Niki Noves

Depois de anos de exploração, Niki Noves
jovem dançarino e coreógrafo, concretiza em 2010 o seu anseio de ir mais longe na sua pesquisa artística e liberta-se dos códigos e das técnicas demasiado académicas, criando a sua companhia.
Utiliza todos os sentidos para fazer viver a dança, reinventar-se e encontrar resposta às questões de todo o ser humano é o que o motiva.
Ele cria instintivamente e o "leit motiv" das suas criações é um lugar que seja um mundo de recordações e de projecções futuras...
O seu movimento quer ser a expressão de estados emocionais, de pulsões, mas sempre num universo muito poético, marcado por uma sensibilidade exacerbada, por vezes quase animalesca.
Entre as suas criações, contam-se as obras "Cryptides", "Atavisme", "Burden" e "Avant de dire (Je t'aime)", da qual se apresenta aqui o primeiro acto, com interpretações do próprio Niki Noves

 e de Manu Macau

A música é de Vincent Gesterman.


Para quem esteja interessado, esta companhia pode ser seguida no Facebook, através da sua página https://www.facebook.com/nikinovescompagnie

segunda-feira, 3 de março de 2014

Uma excelente "noite perdida"


Foi esta noite a grande festa anual do cinema – a distribuição dos Óscares, e eu que há muitos anos sigo esta gala, não dei por mal empregue o facto de ter ido para a cama às seis da manhã, pois foi uma cerimónia muito equilibrada e apresentada soberbamente por Ellen Degeners
Ela é uma comunicadora por excelência, tem uma presença impressionante e teve momentos de um ineditismo total e que só com ela poderiam resultar, como o caso das “selfies”, sendo uma delas aquela que talvez seja no momento a foto mais vista de sempre

 como o peditório para um chapéu, de dinheiro para comprar pizzas  depois a distribuição das mesmas, em pedaços, em pratos de plástico e com um guardanapo – fabuloso momento!
Quase me arriscaria que Ellen passou quase tanto tempo na plateia como no palco…

Mas o que mais interessa é quem foram os vencedores e eu não vou aqui citar todos, apenas os das categorias mais importantes, reservando-me o direito de ter uma imodesta satisfação de ter publicado umas horas antes, nas redes sociais (FB e Google+), os meus prognósticos pessoais para as 9 principais categorias e ter acertado 7…(apenas errei e sem grande surpresa o da melhor actriz secundária, pois apostei em Jennifer Lawrence, e no melhor argumento adaptado em que a aposta foi para “O Lobo de Wall Street”).

Quanto ao melhor filme, sem surpresa, o vencedor foi “12 Anos Escravo”
de Steve McQueen, filme que ganhou apenas mais dois Óscares, mas importantes, precisamente o da actriz secundária, Lupita Nyongo’o
e o do argumento adaptado, e eu deveria ter jogado nesta aposta pois como tantas outras vezes o melhor filme coincide com um dos melhores argumentos.

Alfonso Cuarón foi o mais que justo vencedor da melhor realização por “Gravidade”
um filme assombroso com técnicas aplicadas do melhor que já se fez, e que levaram a que o filme fosse o grande vencedor da noite, com 7 estatuetas, por assim dizer todas técnicas.

Na interpretação, estava quase assegurado o Óscar de Cate Blanchett
em “Blue Jasmin”, por muito mérito que tivessem e tinham as outras candidatas (como pode Meryl Streep continuar a dar-nos interpretações deste nível, que a levam sem qualquer dúvida ao estatuto da melhor actriz de há muitos e muitos anos a esta parte?).

E se havia alguma dúvida entre Mathew McConaughey e Leonardo Di Caprio, era por Di Caprio já ter sido tantas vezes um justo candidato e nunca ter ganho, pois Mathew
é impecável em “O Clube de Dallas”, papel que exigiu um emagrecimento de 20 quilos num actor que até nem é pesado, e que quando vi o filme me fez pensar que ele estaria mesmo doente, tal a realidade do desempenho.
Também neste filme o vencedor da estatueta do melhor secundário, o surpreendente Jared Leto
que pôs por lado a música durante uns tempos para representar um assombroso travesti nesse filme.

No argumento original, Sponke Jonze não deu qualquer hipótese à concorrência com a sua história de “Her”, um filme não muito fácil, como acontece geralmente a todos os seus filmes, mas muito interessante e super actual, nesta altura em que a informática “governa” o mundo.

O melhor filme estrangeiro distinguiu o italiano Paolo Sorrentino
pelo seu maravilhoso “A Grande Beleza”, e com inteira justiça.

Uma referência a dois filmes que ganharam os dois Óscares para que estavam nomeados: “Frozen”, da Disney, que ganhou o melhor filme de animação e o da melhor canção, e “O Grande Gatsby”, com dois Óscares técnicos.

Os grandes derrotados foram “ Golpada Americana” (teve o azar de ser nomeado com inteira justiça em categorias onde sobressaíram outros nomes) e “O Lobo de Wall Street” (quando chegará a vez de Di Caprio?).

Momentos da noite, foram vários, além dos já referidos e protagonizados por Ellen Degeneres, entre eles o ressurgimento de duas grandes figuras de Holywood, a bela (mas muito “recauchutada”) Kim Novak
81 anos e o “Senhor” Sidney Poitier

de 87 anos e que foi o primeiro negro a ganhar um Óscar de melhor actor.

Também a sempre emocionante recordação dos que partiram e tantos nomes importantes este ano passado, com destaque para Philip Seymour Hoffman, para o ainda jovem Paul Walker e as grandes estrelas que foram Shirley Temple, Ester Williams, Joan Fontaine, Sid Ceaser, Eleanor Parker ou Julie Harris. A homenagem findou com uma interpretação muito boa de “Wind beneath my wing” por Bette Midler, sentida e como só ela sabe interpretar (ela nunca canta, interpreta sempre uma canção), e o seu vestido era lindo.
Por falar em vestidos, não sou grande especialista, mas achei deliciosa a apresentação de Whoopi Goldberg, com aqueles sapatos vermelhos e as meias listadas (só ela…).

Enfim, os discursos da noite foram para mim os de Jared Leto (falou até da Ucrânia e Venezuela) e Lupita Nyongo’o (comovente) e a satisfação incontida de Steve McQueen.
Uma excelente “noite perdida”.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Acting and Singing - males

Depois das Senhoras, os cavalheiros...
Também aqui haveria diversas opções, mas acabei por referir-me apenas aos mais óbvios, com uma excepção, de um jovem que faleceu muito prematuramente, e de quem haveria muito a esperar, Ricky Nelson
que apareceu num bom papel no memorável western "Rio Bravo".
Do resto, Frank Sinatra
foi o maior, sem dúvida, quer pelas suas muitas e conhecidas canções, quer pelos seus muito êxitos cinematográficos.
Bing Crosby
tinha uma voz magnífica e marcou de uma forma muito forte o tipo de actor cantor na primeira metade do século XX.
Dean Martin
 nunca foi um grande actor, mas foi muito popular, principalmente nos muitos filmes que protagonizou junto com Jerry Lewis; foi um cantor com uma voz diferente, muito apreciada e no vídeo que aqui deixo dele, uma homenagem a minha Mãe, já que esta é a sua canção preferida em toda a sua vida.
Sammy Davis Jr
 foi um bom comediante e um excelente "enterteiner"; junto com Sinatra, Martin e outros faziam parte de um grupo de amigos, que se diz estaria ligado à Mafia...
Como disse, outros haveria e há um nome que devo referir: Bob Hope.
 Foi um actor popularíssimo, apresentador de inúmeras galas dos Óscares e um cantor de sucesso. No entanto, não encontrei nenhum vídeo dele a cantar, sozinho, que me satisfizesse.

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Dos "Artistas Unidos", "Punk Rock"


Fui ver na quarta feira passada ao Teatro da Politécnica a peça de Simon Stephens "Punk Rock",
e a primeira surpresa (pouco agradável) que tive, é que já não havia bilhetes, uma hora antes.
Como era o antepenúltimo dia de representações, e não poderia ir sexta ou sábado, corri o risco de não ver a peça.
Mas esperei pacientemente pela entrada dos espectadores e depois lá me deram entrada e sem pagamento de bilhete…

Antes de falar da peça, gostaria de fazer uma pequena introdução sobre a companhia “Artistas Unidos” que agora ocupa e muito bem estas instalações onde funcionou em tempos a cantina da antiga Faculdade de Ciências e onde tanta vez eu comi, pois morava ali mesmo na Rua de S.Marçal.
 Esta companhia foi fundada em 1995 por Jorge Silva Melo
que já havia sido cofundador (com Luís Miguel Cintra), do Teatro da Cornucópia (1973/1979), e estreou-se com a peça do próprio JSM “António, um rapaz de Lisboa” e que o autor posteriormente transpôs como realizador para o cinema.
Foi no velho e incrível espaço de “A Capital”, no Bairro Alto que vi as primeiras peças desta companhia que sempre me despertou a atenção e o interesse, ali permanecendo até 2002, e entretanto o espaço recebeu o nome de Teatro Paulo Claro, em merecida homenagem ao jovem actor tão precocemente desaparecido. Depois foi andar pelo Teatro Taborda, pelo antigo Convento das Mónicas, eu sei lá, itinerando aqui e acolá até assentar onde hoje está e espero que por muitos anos.
Recentemente esta peça que agora vi foi a quarta de várias das quais gostei muito, sem excepção: “O rapaz da última fila”, “SalaVIP”, “A 20 de Novembro”.
Notável o trabalho que Jorge Silva Melo tem tido no teatro português, quer na programação, quer no lançamento de tantos jovens talentos, quer na produção e divulgação literária do teatro.

Quanto à peça, ela passa-se numa sala de estudo de uma escola secundária de Manchester, nas vésperas dos exames finais e mostra um conjunto de sete alunos, com a exteriorização dos seus caracteres pessoais ainda em formação, mas já muito bem definidos, os seus problemas de vária ordem, nomeadamente sexual, e de uma maneira geral dos assuntos do mundo actual, desde o bulling, à violência juvenil, ao estado actual económico e social (notável uma vasta “fala” sobre este aspecto a cargo de Isac Graça).
As tensões vão subindo de tom e adivinha-se um final sombrio, muito ao estilo das tragédias reais das escolas americanas (Columbine p.ex.). A encenação de Pedro Carraca é notável (vi no You Tube extractos de uma representação inglesa e preferi esta) e o trabalho dos jovens actores é excepcional – de todos; mas permito-me realçar a confirmação de João Pedro Mamede
e a descoberta de Isac Graça
e principalmente de Rita Cabaço, como Lilly).

Enfim, e como sempre ou quase, vejo a peça no final das suas representações e já não a posso recomendar; mas se ela for representada num qualquer local a que possam assistir, façam o favor de não a perder. Deixo um pequeno vídeo, com declarações do encenador e imagens de cena.
video

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Acting and Singing - Female

Se já havia bastante material para uma postagem como a que fiz há pouco tempo (Acting and Dancing -F), para o tema de hoje há muito mais e se eu fosse a pôr aqui tudo o que queria ficaria um post enorme e talvez demasiado cansativo.
Assim limito-me a pôr uma referência às principais cantoras que também fizeram filmes e muitas delas neles cantaram e depois escolhi quatro vídeos que muito me dizem pessoalmente.
Assim, começo com duas belíssimas cantoras, mas que poucos filmes fizeram - Dinah Shore
e a maravilhosa Eartha Kitt
Já mais conhecidas, duas excelentes intérpretes musicais e que se distinguiram num maravilhoso filme que recomendo vivamente, "Carmen Jones"; são elas Pear Bailey
e principalmente Dorothy Dandrige
Continuando a subir na escala, a cantora que encantou muita gente há uma ou duas gerações atrás, principalmente com o seu grande êxito, "Grease", Olívia Newton-John
e que dizer de Cher, a estrela de vários bons filmes (ganhou um Óscar com o seu desempenho em "O feitiço da lua"), mas que só cantou num deles ("Burlesque")?
Refiro depois a única delas que vi num concerto ao vivo, no estádio Alvalade, há já bastante tempo e que é um "animal de palco", tendo participado em vários filmes, com destaque para os "Mad Max" e para um filme que retrata a sua conflituosa relação afectiva e musical com Ike Turner, "What's love go to do with it". Uma fabulosa Tina Turner

E deixei para o fim as quatro actrizes de que seleccionei vídeos. Doris Day
aquela jovem americana das muitas comédias musicais com Rock Hudson, mas que teve uma actuação num dos grandes filmes de Hitchcock, "O homem que sabia demais", um filme que eu vi e revi vezes sem conta, principalmente pela cena final, com ela a interpretar talvez o maior êxito da sua carreira

Uma actriz com um palmarés de grandes sucessos cinematográficos e musicais, e que teve o seu ponto mais alto em "Funny Girl, é Barbra Streisand. E escolhi uma canção, linda por sinal, pois foi para mim uma data especial e com uma pessoal especial que vi este filme

O penúltimo vídeo, e a penúltima actriz cantora é aquele que me comove mais; trata-se de Bette Midler

no filme em que ela interpreta de certa forma a vida e carreira de Janis Joplin, "The Rose"

Para acabar de uma forma mais descontraída e alegre e fazer também uma referência ao bom filme actualmente em exibição "Ao encontro de Mr.Banks", Julie Andrews

Eu adorei o seu filme "Victor Victória" e tinha pensado pôr aqui um vídeo desse filme, mas acabei por me decidir por uma música, SUPERdivertida do "Mary Poppins", pois o fime de que falei aí em cima fala das pouco amistosas relações entre a autora do argumento e Walt Disney