Mostrar mensagens com a etiqueta política. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta política. Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Uma imensa nojeira


Tenho tentado resistir escrever algo mais sobre o caso da detenção e posterior prisão preventiva de José Sócrates, mas isso é impossível.
Logo após os acontecimentos passados quase há uma semana, claro que não podia deixar de registar os factos nas redes sociais a que pertenço (FB e Google+) e fui confrontado quer nos comentários aos meus textos, quer principalmente no que li em textos escritos por amigos (FB) com opiniões que ultrapassam o salutar debate de ideias e formas de pensar para chegar ao insulto sujo e baixo que só o ódio pode provocar.
Tentando ser o mais cuidadoso possível na elaboração desta postagem, devo começar por um aviso prévio que não será novidade para ninguém que me conheça minimamente – conheço e sou amigo pessoal de José Sócrates dos tempos passados na Covilhã, onde fui aluno do seu pai, o Arq. Pinto de Sousa (já falecido) e onde mantive uma amizade sólida com o Zé, até porque ele era na altura o presidente da concelhia do PS covilhanense, e eu embora nunca tivesse sido filiado nesse partido sempre fui seu simpatizante.
Cheguei mesmo a integrar uma lista do PS a umas eleições autárquicas, por expressa vontade dele e eu só aceitei com a condição de ir num lugar não elegível, pois as minhas actividades profissionais não me permitiam ser vereador da Câmara, e portanto a isso se resume no campo político a minha afinidade com José Sócrates.
Mais tarde, quando os dois deputados socialistas do distrito de Castelo Branco eram António Guterres e José Sócrates, este pediu-me para ambos visitarem a empresa têxtil familiar onde eu trabalhava, no âmbito de outras visitas a empresas similares para apresentarem uma moção no Parlamento; claro que essa visita teria que ter o consentimento de meu Pai o que não era fácil, pois ele não comungava de forma alguma com os pensamentos socialistas e Sócrates, sabendo disso veio junto a mim, pois sabia que se fosse directamente falar com meu Pai, o "não" era certo.
Curiosamente, o meu Pai acedeu, com duas condições: eu é que os receberia e lhes mostraria as instalações e lhes deixaria dialogar com os trabalhadores, mas ele (meu Pai) queria no final da visita ter uma “conversa” com eles, pois lhes quereria dizer umas “coisas”.
A visita fez-se e afinal a conversa final foi uma agradável conversa sobre os problemas têxteis
entre mim, o meu Pai e...dois futuros primeiros ministros de Portugal.

Portanto eu olhei para estes acontecimentos desta semana com um olhar objectivo, mas também necessariamente com um olhar de um amigo que vê outro a viver um momento muito difícil, e ninguém me poderá condenar por isso.
Mas, e objectivamente, eu considero José Sócrates um dos raros políticos “a sério” que o nosso país teve após o 25 de Abril.
Quando exerceu as funções de Primeiro Ministro, teve um primeiro mandato mesmo brilhante, e se no segundo esteve menos bem, grande parte disso se deve ao eclodir de uma gravíssima crise europeia para a qual nem o país nem ele estavam preparados.
 Houve decisões dele controversas, algumas mesmo contra as quais estive, mas no cômputo geral foi sempre um político convicto, com carisma e incansável.
Continuamos a não saber se o tão falado, na altura, PAC IV, o qual tinha desde logo. a aprovação da UE, não poderia ter dado resultado.
Mas já na altura Sócrates era mal visto e mesmo odiado por muita gente, e foi fácil, a oposição em peso (com PCP e BE) derrubar o seu governo e claro que ele só tinha uma coisa a fazer- demitir-se e demitir-se do PS para permitir aos seus oponentes fora e dentro do partido que fizessem melhor que ele.
Quanto a mim, essa demissão, do Governo, pecou por tardia, pois quando da tomada de posse do actual PR, o silva de Belém, este individuo usou o seu discurso na AR para arrasar o Primeiro Ministro em termos tão graves que duvido alguma outra vez possa acontecer algo de parecido entre órgãos institucionais, que Sócrates se deveria ter demitido de imediato.
O que aconteceu depois toda a gente sabe, um governo da direita coligada conduziu o país a uma inqualificável situação social e sempre justificando os pesadíssimos encargos impostos ao povo português com o chavão da “herança do passado”.
Sócrates desligou-se da política e foi viver para Paris.
Desligou-se mas e por via de terceiros, nomeadamente certa imprensa (duvido que os pasquins CM e Sol possam ser considerados imprensa...), continuou sempre a ser referido e pelas piores razões. Daquilo em que esteve eventualmente implicado, sempre foi considerado inocente e claro que eu não posso afirmar com toda a certeza de que neste caso, e que é note-se, recente, e não dos tempos dele como político activo, que seja inocente ou não,
Mas até ser condenado, e por Lei ele é inocente!
Muita coisa se disse sobre variadas situações e de uma coisa apenas eu estou certo porque sei-o de fonte segura: a sua mãe sempre foi uma pessoa de avultadas posses e após a separação dos pais, ele ficou ainda mais ligado à mãe, do que antes...

Do episódio da sua detenção com câmaras “convidadas” a testemunhar o facto e com notícias imediatas dos pasquins acima referidos que só podem ter origem em fugas de informação oriundas da própria PGR (embora o inquérito agora iniciado acabe por arquivar o caso...), ninguém pode duvidar que se pretendeu desde o início o achincalhamento público do ex-Primeiro Ministro.
Sobre o “acaso” temporal dos factos só questiono porque eles não aconteceram antes ou depois, mas sim quando decorria a eleição do novo Secretário Geral e logo a seguir ao caso dos Vistos Dourados? Claro que perante umas sondagens que semana a semana davam o PS cada vez mais perto da maioria absoluta, estas “coincidências” são muito suspeitas.
E é ver nas redes sociais e não só (o “insuspeito” comentador MRS da TVI também) a dar como aniquilada toda a estratégia socialista e já embandeiram em arco com uma eventual reeleição de Passos Coelho.
Será que essa gente pensa que o povo português é estúpido ou masoquista????
Para já António Costa reagiu com um bom comunicado, aos acontecimentos e o próprio Sócrates numa primeira reacção após a sua detenção, sem negar que tudo isto é um caso político, aconselha os socialistas, para seu próprio bem (de Sócrates) e do partido a não confundirem as questões.
Mas os amigos não se podem esquecer, como eu referi no início e Sócrates terá sempre um lugar de destaque nos dirigentes que lideraram o PS.
José Sócrates é um animal político, que nunca desiste, nunca mesmo e se de alguma coisa estou certo é que não será fácil deitá-lo abaixo.
Nunca um político no nosso país foi tão odiado e vilipendiado, e se nalguns casos alguém possa ter razão, na grande maioria nunca chego a entender o porquê de tanto ódio – pode-se gostar mais ou menos, mas odiar?. Odiar é algo de muito feio...

Uma palavra final para duas personalidades ligadas directamente a este caso.
A primeira é o original advogado de Sócrates, João Araújo

desconhecido até então, aparece referenciado como um óptimo advogado e especialista nas matérias em análise; além disso é uma personagem desconcertante (no bom sentido) na forma como encara a comunicação social, nunca sendo mal educado, mas dizendo o mínimo, como deve ser...
A outra é o super juiz do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, Carlos Alexandre
 Um homem a quem é atribuído tudo o que de importante actualmente ocorre na Justiça portuguesa e gostaria de salientar a curiosidade de que todos os casos por ele iniciados conduziram à inocência dos presumíveis condenados.
Por outro lado é muito, mas mesmo muito estranho, que hoje mesmo, e com um “exército” de 200 homens este juiz tenha “invadido” os mais variados locais relacionados com o caso BES – bem mais importante que o caso Sócrates, porque lesou muita e muita gente – incluindo a casa de Ricardo Salgado, à procura de quê? De documentos? Onde eles já vão...
Não, os documentos só são importantes no caso de Sócrates e vamos lá detê-lo ao aeroporto e vamos lá pô-lo em prisão preventivo pois caso contrário ainda vai destruir mais documentos...

Enfim, uma imensa nojeira!!!!

domingo, 29 de dezembro de 2013

As "minhas" personagens do ano

Estamos no final de mais um ano, tempo de balanços e de esperança.
Quanto à esperança, confesso que ela é quase nula, em relação a um novo ano melhor que este que agora finda; e não seria difícil, tão mau ele foi…
Balanços, já afirmei ter sido um ano verdadeiramente mau, não só pelas razões que (quase) todos conhecem, mas também a nível pessoal, perdi um ente querido.
Não me vou a alongar em apontar o bom (pouco) e o mau (muito) que houve, quer no nosso país, quer lá fora e apenas deixo aqui a minha opinião sobre quem foram as personagens do ano de 2012.

Uma, pelas piores razões, a escolhida a nível nacional; e porque não pode ser tudo mau, a outra, a nível mundial, pelas melhores razões e nela assenta a maior parte da pouca esperança no ano que aí vem.


Vitor Gaspar, foi o escolhido por mim para personagem do ano nacional, embora houvesse vários outros candidatos e quase todos pela negativa.
A escolha nesta figura baseia-se em ter sido ele o pilar da (des)construção de todo um sistema económico, social e político em que ele confiava cegamente conforme a sua formação junto dos meios internacionais que agora comandam o mundo – os mercados.
A forma como ele governou o país foi catastrófica e o mais curioso é que foi ele próprio a reconhecer o fracasso dessa política, quando da sua demissão escreveu a sua famosa carta que é demolidora e que infelizmente o Governo ignorou e manteve essa forma de governar.



Já no plano internacional, a escolha é bastante consensual.
Este ano tivemos um facto inédito desde há muito – a resignação de um Papa e a eleição do seu sucessor. Independentemente das questões da fé e da religiosidade de cada um, todos sabemos que a figura do Papa tem no mundo um papel importantíssimo.
E a Igreja há muito precisava de sair da “rotina” de Papas ou muito maus (Bento XVI), ou “assim, assim” (João Paulo II).
Este Papa é o primeiro não europeu, originário de uma América Latina, cada vez mais importante no mundo actual.
Desde o princípio que o Papa Francisco nos deu uma boa imagem, mas com o decorrer do tempo essa imagem foi-se cimentando em actos e mesmo naqueles aspectos em que a Igreja é mais conservadora, para não dizer retrógrada, ele tem dado sinais de mudança, de não radicalismo.
E no que respeita aos aspectos sociais e políticos tem tido e terá cada vez mais, um papel muito importante e positivo a representar.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Eduardo VIII - Duque de Windsor

Acabei de ler mais um interessante livro que fala sobre o papel de algumas pessoas, que sendo gays tiveram algum impacto na História.
Trata-se do livro de Paul Tournier “ Os Gays na História”, e logo no início o autor explica o critério das suas escolhas, pois como parece óbvio, a “oferta” era muita; assim, ele apenas escolheu personagens masculinos, à excepção de um curto episódio sobre a figura bíblica de Ruth, e também, com excepção dos vultos culturais da Renascença, escolheu personalidades que de uma forma mais ou menos directa tiveram algum impacto na História.
Assim, encontramos referências a alguns homossexuais suficientemente conhecidos como tais: Sócrates, Alexandre, Júlio César, Adriano, David, Leonardo da Vinci, Miguel Ângelo, Shakespeare, Edward II de Inglaterra, Carlos XII da Suécia, Ludwig II da Baviera ou T.E.Lawrence, bem como outros menos conhecidos, como alguns reis e príncipes medievais (Jaime de Aragão, João II e Henrique IV de Castela), e um rei consorte espanhol – Francisco de Bourbon.
Mas mais interessantes são aquelas personagens de que há fortes indícios da sua homossexualidade, mas não certezas: S.João (o apóstolo favorito de Cristo), S.Paulo e Santo Agostinho, Voltaire e Robespierre, Lincoln, e Hitler.
Deixei propositadamente para o fim, uma das personagens que maior interesse me despertou – Eduardo VIII de Inglaterra, mais conhecido como Duque de Windsor e tio da actual rainha Isabel II.
Eduardo era filho de Jorge V e seu eventual sucessor.
No entanto, a sua vida foi cheia de pormenores muito curiosos e alguns pouco conhecidos.
Desde cedo Eduardo mostrou duas facetas da sua vida; por um lado, era conhecida a sua simpatia pela Alemanha e mormente por Hitler, então em plena ascenção política (anos 30) e por outro lado o seu gosto por pessoas do mesmo sexo, tendo um caso amoroso durante muitos anos com o seu secretário Dudley Metcalfe.
Sabendo Hitler da sua homossexualidade, e sendo ele um futuro rei de Inglaterra, este assunto preocupava o rei seu pai e os serviços secretos ingleses, que o vão visitar à sua residência oficial de Fort Belvedere,
para lhe exigirem um casamento antes de ser rei, para assim “apagar” essa imagem.
Ora nessa sua residência, o Duque de Winsor dava festas muito badaladas e recebia hóspedes variados, entre os quais apareceu um casal americano, os Simpson.
A uma certa altura o casal começou a deteriorar o seu casamento que acabou em divórcio e o Duque começou a ser um acompanhante preferencial de Wallis, a divorciada senhora Simpson.
Quando é feita essa proposta de casamento ao Duque, ele aceita com uma condição, que o casamento fosse com Wallis Simpson e fosse um casamento branco, ou seja, não consumado, deixando ao critério da senhora se ela quisesse ter um filho ou não (claro por interposta pessoa).
Entretanto em 1936 morre Jorge V e a Inglaterra vê-se com um rei – Eduardo VIII, com 42anos, solteiro e sem noiva.
A solução é o tal casamento, mas Wallis é divorciada e americana, e não só os súbditos a não aceitariam como rainha como o próprio Arcebispo de Cantuária, chefe da igreja inglesa não o permitiria, pelo que 11 meses depois, Eduardo VIII, abdica do trono, “por amor”, a favor do seu irmão Jorge VI, pai de Isabel II. Casa com a senhora Simpson em França, e curiosamente o padrinho de casamento é o seu secretário e amante
e passam a viver em França.
A vida sexual entre os dois era inexistente e a uma certa altura Wallis traz para a sua residência, um playboy americano amigo e bissexual, Jimmy Donahue, que contentava os dois duques sexualmente.
A coroa britânica nunca aceitou este casamento e o Duque apenas foi autorizado a visitar Londres por altura da morte da sua avó, Mary.
Mais tarde, houve uma certa abertura de Isabel II para resolver esta questão e os restos mortais daquele que foi rei por 11 meses, como Eduardo VIII, estão sepultados, como os da Duquesa, em Windsor.

Como apêndice uma curiosa foto...

quinta-feira, 11 de julho de 2013

"Sinais de Fogo"

Jorge de Sena (Lisboa, 2 de Novembro de 1919 Santa Bárbara, Califórnia,  4 de Junho de 1978)  foi poeta, crítico, ensaísta, ficcionista, dramaturgo, tradutor e professor universitário português.
Filho único de Augusto Raposo de Sena, natural de Ponta Delgada e comandante da marinha mercante, e de Maria da Luz Teles Grilo de Sena, natural da Covilhã e dona-de-casa. Ambas as famílias eram da alta burguesia, a paterna de suposta linhagem aristocrática de militares e altos funcionários, e a materna de comerciantes ricos do Porto. Segundo relata no seu conto Homenagem ao Papagaio Verde, teve uma infância recolhida, solitária e infeliz, o que fez com se tornasse introspectivo, observador e imaginativo.
Fez a instrução primária e os primeiros anos do liceu no Colégio Vasco da Gama. Concluiu os estudos secundários no Liceu Camões, onde foi aluno de Rómulo de Carvalho. Era um jovem que lia avidamente, tocava piano e escrevia poemas. Na Faculdade de Ciências de Lisboa, fez os exames preparatórios com as notas mais elevadas.
Sena nutria a ideia algo romântica de se tornar oficial da marinha, seguindo as pisadas do pai. Em 1938, aos 17 anos, entrou para a Escola Naval como 1º do seu curso. A 2 de Outubro de 1937 , iniciou a sua viagem de instrução a bordo do navio escola Sagres. Visitou os portos de S. Vicente, Santos, Lobito, Luanda, S. Tomé e Dakar, chegando a Lisboa no final de Fevereiro de 1938 . O contacto com a imensidão do oceano, a azáfama da vida a bordo e o movimento e mudança constantes agradaram ao jovem Sena, mas nem tudo correu bem. Segundo o relato de um antigo camarada de curso, naquele ano a viagem de instrução foi excepcional e particularmente dura e exigente em termos de preparação e destreza física, copiando o modelo da marinha alemã. Na parte teórica do curso Sena era brilhante, mas em termos atléticos era medíocre e apesar dos muitos esforços que fez não conseguiu satisfazer as elevadas expectativas do comandante do curso, que parecia nutrir um ódio de estimação pelo cadete contemplativo e intelectual. No final da viagem, foi comunicado a Sena que iria ser proposta a sua exclusão da Marinha por lhe faltarem as "necessárias qualidades" para oficial. Sena ficou profundamente frustrado e desgostoso com esta rejeição e o seu afastamento definitivo de um modo de vida que tanto almejava.
Apesar da sua inclinação natural para a literatura, o sobredotado Sena decidiu frequentar o curso de Engenharia Civil, iniciando-o em Lisboa e concluindo-o no Porto, em 1944, com a ajuda financeira dos seus amigos Ruy Cinatti e José Blanc de Portugal. O curso pouco o entusiasmou, mas durante todo esse tempo escreveu bastantes poemas, artigos, ensaios e cartas. Desde os 16 anos que escrevia e em 1940, sob o pseudónimo de Teles de Abreu, publicou os seus primeiros poemas na revista Cadernos de Poesia, dirigida por Cinatti, Blanc de Portugal e Tomás Kim. Em 1942, publica o seu primeiro livro de poemas, Perseguição, que não impressiona muito o seu amigo e crítico João Gaspar Simões e Adolfo Casais Monteiro considera-o um livro revelador mas difícil.
Em 1947, Sena inicia a sua carreira de engenheiro, que durou 14 anos. Trabalhou como engenheiro civil na Câmara Municipal de Lisboa, na Direcção-Geral dos Serviços de Urbanização e na Junta Autónoma das Estradas (JAE), onde permanecerá até ao seu exílio para o Brasil em 1959.
Em 1940, no Porto, Jorge de Sena conhece e torna-se amigo de Maria Mécia de Freitas Lopes (irmã do crítico e historiador literário Óscar Lopes), começando a namorar em 1944 e casando-se em 1949. Jorge de Sena e Mécia de Sena tiveram nove filhos. Mecia, sua incansável companheira e enérgica colaboradora, apoiando o escritor nas inúmeras crises que lhe surgiram ao longo de uma vida por vezes atribulada.
Trabalhava incansavelmente, para sustentar a crescente família. Além do seu absorvente trabalho diurno na JAE (que lhe possibilitou viajar e conhecer o Portugal profundo), Sena também se dedicava à direcção literária em editoras, à tradução e revisão de textos, ocupações que lhe roubavam precioso tempo para a investigação literária e a para a sua obra. A banalidade e a pequenez do quotidiano no Portugal de Salazar das décadas de 1940 e 1950 atormentam-no, bem assim como a mediocridade, a mesquinhez e a intriga dos meios literários, a opressão política, a censura literária, resultando num ambiente de trabalho sufocante e absolutamente frustrante, mas que não deixam de o inspirar para o poema É tarde, muito tarde na noite…
Durante esses anos publica várias obras: O Dogma da Trindade Poética – Rimbaud (1942), Coroa da Terra, poesia (1946), Páginas de Doutrina Estética de Fernando Pessoa(organização), 1946, Florbela Espanca (1947), Pedra Filosofal poesia (1950), A Poesia de Camões (1951), etc.
A sua situação como escritor e cidadão estava a tornar-se insustentável. Como escritor, não tinha tempo livre para escrever, apenas o podia fazer de modo insuficiente e limitado à noite e aos domingos. Também o facto de não pertencer a nenhum círculo académico e a falta de apoio institucional lhe frustrava qualquer pretensão de poder vir a editar alguma obra mais ambiciosa. Por outro lado, a sua participação numa tentativa revolucionária abortada em 12 de Março de 1959, colocou-o em posição de prisão iminente, no caso muito provável de algum dos conspiradores presos pela PIDE denunciar os que ainda se encontravam livres.
Em Agosto de 1959, viajou até ao Brasil, convidado pela Universidade da Bahia e pelo Governo Brasileiro a participar no IV Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros. Tendo sido convidado como catedrático contratado de Teoria da Literatura, em Assis, no Estado de S. Paulo, aproveitou essa oportunidade e aceitou o lugar, iniciando assim o seu longo exílio. Ele faz amizade com o poeta Jaime Montestrela, que dedicou o seu livro Cidade de lama. Por motivos profissionais teve de adoptar a cidadania brasileira.
Não foi contudo um exílio libertador. Sentia saudades da pátria, apesar do rancor perene que nutria pela pequenez, mesquinhez e falta de reconhecimento nacionais que o atormentariam até ao final da vida.
Em 1961, Jorge de Sena foi ensinar Literatura Portuguesa na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Araraquara. Em 1964, depois de vencer alguns preconceitos académicos pelo facto de ser licenciado em Engenharia, Jorge de Sena defendeu a sua tese de doutoramento em Letras (Os Sonetos de Camões e o Soneto Quinhentista Peninsular), tendo obtido os títulos académicos "com distinção e louvor".
O período de seis anos que passou no Brasil foi muito produtivo. Finalmente, tinha toda a disponibilidade para se dedicar à sua obra com a devida profundidade e profissionalismo. Poesia, teatro, ficção, ensaísmo e investigação. Parte do romance Sinais de Fogo e a totalidade dos contos Novas Andanças do Demónio foram escritos neste período.
A degradação da situação política no Brasil, com a instalação de uma ditadura militar a partir de Março de 1964, fez com que Jorge de Sena, mais do que nunca avesso a prepotências, aceitasse um convite para ensinar Literatura de Língua Portuguesa na Universidade de Wisconsin, para partir para os Estados Unidos em Outubro de 1965. Em 1967 foi nomeado catedrático do Departamento de Espanhol e Português da referida universidade.
De 1970 até 1978 foi catedrático efectivo de Literatura Comparada na Universidade da Califórnia, em Santa Barbara. Apesar da satisfação de ensinar e da amizade que os alunos lhe dedicavam, Sena não foi feliz. Queixava-se da "medonha solidão intelectual da América" onde não havia "convívio intelectual algum" e da esterilidade e espírito burguês do meio académico, que não se interessava pela sua obra.
Quando se deu o 25 de Abril Jorge de Sena ficou entusiasmado e queria regressar definitivamente a Portugal, ansioso de dar a sua colaboração para a construção da democracia. Sena visitou Portugal, contudo, nenhuma universidade ou instituição cultural portuguesa se dignou convidar o escritor para qualquer cargo que fosse, facto que muito o desiludiu e amargurou, decidindo continuar a viver nos Estados Unidos, onde tinha a sua carreira estabelecida.
Jorge de Sena morreu em 4 de Junho de 1978, aos 58 anos, de cancro. Em 11 de Setembro de 2009, os seus restos mortais foram trasladados de Santa Barbara, Califórnia, para o cemitério do Prazeres em Lisboa, depois de uma cerimónia de homenagem na Basílica da Estrela, com a presença de familiares, amigos e entidades oficiais.

Foi um dos mais influentes intelectuais portugueses do século XX, com vasta obra de ficção, drama, ensaio e poesia, além de importante epistolografia com figuras tutelares da literatura portuguesa e brasileira. A sua obra de ficção mais famosa é o romance autobiográfico Sinais de Fogo, adaptado ao cinema em 1995 por Luís Filipe Rocha. Grande parte da sua obra foi publicada postumamente pelos cuidados da viúva, Mécia de Sena.

Acabei de ler à dias o romance “Sinais de Fogo” de Jorge de Sena, do qual já tinha lido com muito agrado uma colectânea de contos sob o título “Os Grão Capitães”.
Este romance, em que a personagem principal, Jorge, tem muito de autobiográfico, passa-se na sua maior parte na Figueira da Doz, uma praia onde passei grande parte dos Verões da minha infância e da minha juventude; e se bem que a época seja diferente (finais dos anos 30 do século passado), não diferiria muito da Figueira dos anos 50/60 que eu conheci.
È um livro nem sempre fácil, devido às muitas considerações filosóficas que o autor vai entremeando com o decorrer da acção, mas com um elevado valor intelectual, podendo sem qualquer dúvida considerar-se talvez o mais importante ou pelos menos dos mais importantes marcos da literatura portuguesa da segunda metade do século XX.
 Com uma inesperada e nada contida narração sexual, tem, ouso dizê-lo, das mais ousadas narrativas sexuais jamais escritas em português, desde o mundo da prostituição, ao amor heterossexual puro (?), ás orgias, ao sexo homossexual, enfim, para todos os gostos, mas nunca gratuito ou deslocado.
No meio de toda a acção está a Guerra Civil Espanhola, a confirmação da ditadura portuguesa, a ascensão do nazismo e todos os fenómenos daí advindos na formação humana e política do Jorge.
O livro pode considerar-se inacabado, pois haveria várias hipótese finais que nunca chegaram a ver a luz do dia; apesar de tudo é um longo romance, com cerca de 600 páginas.
Deste romance foi realizado um filme, por Luís Filipe Rocha, em 1995 tendo Diogo Infante como protagonista, cujo trailer aqui deixo.
E também deixo o primeiro vídeo de uma magnífica série de cinco episódios, apresentados na RTP 2, sob o título genérico de Grandes Livros, e que merece ser visto na íntegra (está no You Tube). Curiosamente as cenas do filme aqui apresentadas não são do filme do LFRocha.  
Um livro memorável que merece a atenção de quem se interessa por ler, mas também por quem se interessa por um período tão interessante da nossa História recente.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Um país surreal

Não gosto muito de escrever postagens sobre a situação política, mas o que aconteceu em Portugal, a nível político é tão patético, tão surreal, que merece uma referência.
Numa pincelada rápida, o que se passou foi que segunda feira, Vitor Gaspar pede a sua demissão da pasta das Finanças numa elaborada carta enviada ao primeiro ministro. Nela não aponta uma causa directa mas farta-se de mandar pistas e não estarei muito longe da verdade se disser que a razão desse pedido de demissão assenta num somatório de pressupostos: ele já não acreditava na eficácia da sua política que falhou em todos os campos; ele tinha uma crescente oposição dentro do próprio governo, não só do outro partido da coligação, o CDS, mas de vários ministros do PSD.
Os grupos parlamentares que sustentam a coligação estão cada vez mais “rebeldes” e chegam a aprovar no Parlamento 6 medidas apresentadas pelo PS; a desconvocação da greve dos professores só foi conseguida com concessões que criam um perigoso precedente nos regimes de mobilidade da função pública aprovados sob pressão da troika. E ainda foi apanhado na armadilha montada por Teixeira dos Santos que o “entalou” com a questão dos Swapps.
Razões pois de sobra para Gaspar se ir embora, e como não deixa saudades, há a possibilidade de Passos Coelho resolver vários casos de uma vez só com a escolha de um novo ministro que implemente uma política orçamental e económica diferente, como por exemplo Paulo Macedo.
Mas o primeiro ministro mostra uma vez mais que é tudo menos um político e nomeia a pior pessoa possível, Maria Luis Albuquerque
que não só é a garantia de uma política inalterada, como é uma pessoa marcada por fortes suspeitas de políticas financeiras de risco quando gestora da Refer.
Portas, líder do outro partido da coligação, vai aos arames e pede a demissão, havendo uma grande confusão sobre o timing em que a apresentou, mas o facto é que essa demissão é comunicada ao silva de Belém, em cima da hora da tomada de posse da nova ministra das Finanças, acto verdadeiramente triste e bem demonstrativo de como é ridícula e apavorante a “pequena política portuguesa”.
Findo esse chocante episódio, PC reúne com o Governo em S.Bento e vai num instantinho à reunião da comissão política do seu partido a comunicar que no seu discurso ao país irá dizer que não de demite.
Num inacreditável palavreado, comunica essa sua decisão ao país e cúmulo dos cúmulos diz que não aceita a demissão de Portas, pelo que não pediu a sua exoneração ao silva e Belém, e que fará TUDO para que este governo não caia porque isso blá, blá, blá, blá, já sabemos de cor e salteado as consequências que ele invoca.
O que faz PC tomar esta atitude? Ele sabe que se ele se demitir, haverá eleições antecipadas, provavelmente a 29 de Setembro, coincidindo com as autárquicas e sabe que sendo assim, o PSD quase desaparece na contagem dos votos. Não se demitindo, procura ganhar tempo, para inviabilizar a coincidência de datas e vai procurar culpabilizar Portas e o seu partido da crise política.
Aguardam-se os próximos capítulos que prometem ser tão escandalosos como estes aqui relatados.
E o silva? O que faz? NADA!!!!!
O silva é um zero à esquerda, perdeu toda a decência mínima para ser PR. E pode ser, e deve ser, acusado de ter uma imensa quota parte neste “imbróglio” político.
Para piorar a situação, Seguro não é um homem que dê garantias de “salvar o barco”, embora possa ou pelo menos o tente, bater o pé na EU para que Portugal não seja o primeiro país a sair do euro e provocar com isso um efeito dominó de consequências dramáticas.
E nós, ficaremos melhor? De forma alguma e os tempos que aí vêm serão não só difíceis como têm sido, mas também extremamente incertos.
Mas resta-nos a consolação que fizemos o que devíamos ter feito para mandar estes bandalhos para a “p*** que os p****”.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

"The Last Fead"

Esta é uma tela de Paula Rego, intitulada "The Last Fead", ou seja, traduzindo à letra "A Última Mamada". Estou à espera da reacção da Presidência da República, com uma eventual abertura de um processo de averiguações ou uma coima de 1300 euros à pintora, por difamação do Chefe de Estado, que não só sugere que o mesmo é um palhaço, mas que até vai mamando aqui e ali (não quero ser má língua, mas esta última mamada terá algo a ver com o BPN?)

sábado, 4 de maio de 2013

Há sempre alguém que diz NÃO !!!

Já prometi tanta vez a mim mesmo que não voltaria a dedicar uma postagem do blog a questões políticas, deixando a raiva com que vou encarando a situação política, económica e social deste pobre Portugal expandir-se em “postagens rápidas” quer no FB, quer no Google+, e onde não me contenho e chamo os bois pelos nomes, debicando aqui e ali aquele português vernáculo, que naturalmente não aprendi em casa, mas que todos conhecemos e que faz tão bem gritar de quando em vez.
Acresce ainda o facto de que nas questões políticas (e nas religiosas) há por vezes, não digo discussões acesas, mas pontos de vista bastante diferenciados, e que podem com alguma facilidade degenerar em trocas de palavras menos agradáveis com pessoas que até se prezam e são amigas.
Mas, e este “mas” tem muita força, não consigo ficar calado perante o rumo que as coisas estão a tomar no nosso país, e dando de mão beijada, que há culpas de muita gente de diferentes cores políticas, na origem desta crise, como também estou consciente da conjuntura internacional (dava pano para mangas falar sobre isto…), não posso deixar de referir que a maior parte da terrível situação em que nos encontramos neste momento em Portugal, é por causa das políticas iniciadas por este governo, e pior ainda a sua total ineficácia, perante a péssima execução das mesmas.
Na sua comunicação ao país de ontem, PPC não fez outra coisa do que aquilo que costuma fazer: debitou medidas, a maior parte delas já conhecidas, e extremamente gravosas para o nosso povo, e não explicou, porque não o sabe fazer, a essência e o conteúdo delas, nem o seu exacto alcance. Limitou-se à nova imagem que o governo descobriu para justificar o injustificável: a pura chantagem, com a frase mais que repetida – ou isto ou a bancarrota!
Como a maioria do povo português já está na bancarrota, pois que venha a bancarrota, porra!!! É preciso é ter tomates para decidir isso e nem este governo, nem o que aí há de vir, mais tarde ou mais cedo, os têm para tal efeito. Ao menos com a bancarrota também eram atingidos os poderosos (grandes empresas já privadas ou a privatizar, banqueiros, reformados com pensões que são um atentado a quem passa fome, políticos de carreira bem instalados na vida, enfim o grosso daqueles que acreditam que este governo está a seguir o rumo certo.
Acresce o facto de que eu não acredito de que mesmo se houvesse tomates para tomar essa decisão, ela fosse conduzir à bancarrota real, pois a Europa, principalmente a da zona euro nunca o permitiria, já que tal significaria o princípio do fim de toda uma construção já muito abalada de união europeia.
O que é um facto é que há muita gente com fome, há famílias em situações limite, há um crescente número de desempregados e cada vez mais candidatos ao desemprego, há ameaças reais a um normal funcionamento de sectores fundamentais de um país, como a educação e a saúde, há um afastamento cada vez maior de outros países europeus, embora a crise estrutural seja a mesma para todos.
Para onde tem ido o dinheiro que temos vindo a receber por via do memorando de assistência? Para reavivar a economia? Para fazer crescer o emprego?
Não, tem ido para a recapitalização dos bancos, tem sido desbaratado em políticas que só nos conduzem a uma recessão cada vez maior.
Não posso deixar de referir aqui quatro nomes, que têm, neste momento uma enorme responsabilidade do que estamos a sofrer: Vítor Gaspar em primeiríssimo lugar, pois é ele que realmente governa, a seu belo prazer, com as suas teorias loucas que eu tenho sérias dúvidas que não sejam premeditadas e filha de uma concepção ideológica extremamente perigosa e que se enquadra em políticas internacionais muito mais elaboradas e que estão na génese de toda esta crise; é um homem tão poderoso como perigoso, pois está fora de qualquer controlo nacional.
Quem acima de tudo o sustenta é Passos Coelho, chefe do governo apenas nominalmente, que tem contra ele não apenas a oposição em peso, mas também o seu parceiro de coligação e até largas franjas do seu próprio partido, não só a nível popular, mas também a nível de gente de peso na estrutura do partido.
Quem o apoia, sim e de uma maneira escandalosamente parcial para quem institucionalmente deve ser apartidário é Cavaco Silva, um homem que tem hoje o desprezo de uma imensa maioria dos cidadãos deste país. Como é possível um Presidente da República ser tão patético como este homem? Ele representa o que há de mais negativo na já de si medíocre generalidade da classe política portuguesa.
Finalmente há Paulo Portas, que tem neste momento um peso político enorme e que ele nunca imaginou poder vir a ter em Portugal; devido à posição mais que pública do PR não acionar os mecanismos que estão ao seu alcance para pôr na rua este bando de ladrões, só PP, pode, ou dentro do próprio governo ou perante os deputados do seu partido no Parlamento, fazê-lo. Mas é um cobarde e estou certo que amanhã irá lavar as mãos como Pilatos, na sua comunicação ao país.
A alternativa mais que certa a tudo isto, e que será um governo socialista no poder, infelizmente não chega a ser alternativa, pois Seguro também não tem os referidos tomates.
Para quando uma verdadeira esquerda unida no nosso país, com o PCP e o BE a deixarem as suas ortodoxias de lado e juntarem-se a um PS forte e constituírem uma alternativa democrática válida e possível neste país à deriva?
Esta é a pergunta que deixo e que a ser respondida afirmativa teria o meu apoio e o de uma grande maioria do povo português.

quinta-feira, 14 de março de 2013

Viagens - 7 - (parte 2)


Portanto, o regresso, com paragens programadas para Belgrado, Veneza e Marselha, iniciou-se com uma longa viagem nocturna de Atenas para Belgrado; era um comboio daqueles com compartimentos para oito pessoas, quatro de cada lado
e preparamos-mos para dormir, (os bancos deslizavam e permitiam-nos dormir estendidos, mas com um conforto muito relativo). 
Naquela altura usavam-se as “pochetes”, onde se metiam as coisas mais pequenas e necessárias, e eu lá tinha a minha, onde guardava os documentos, o bilhete do comboio, o dinheiro e quaisquer outros objectos fundamentais (ainda não havia telemóveis, nem cartões de crédito nem outras “modernices”).
Eu viajava com um saco com roupa, pouca, apenas o essencial e essa pochete, que inadvertidamente deixei junto ao saco, em cima, na prateleira para as bagagens, em vez de a guardar comigo, enquanto dormia.
O comboio ia fazendo algumas paragens, e as pessoas abriam a porta do compartimento para ver se havia algum lugar vago e voltavam a fechar; claro que dormindo, ouvíamos esse barulho, mas nem ligávamos.
O que é um facto, é que ao chegar a Belgrado, pelas seis da manhã, o saco estava lá, mas a pochete alguém a tinha levado (estava mesmo à mão de semear…). 
E assim me vi na estação de Belgrado,
 indocumentado, teso e sem bilhete para seguir viagem (o bilhete era Covilhã/Atenas/Covilhã e mencionava as cidades que eu tinha planeado visitar, e tinha uma duração de cerca de dois meses).
Recordo-me tão bem de tudo, como se passou, em Belgrado quando cheguei : um gabinete da Polícia ainda dentro da gare, onde me dirigi, para lhes pedir que me ficassem com o saco e me ajudassem a procurar a embaixada portuguesa. 
Mas ninguém falava inglês e o diálogo tornou-se impossível, só os ouvia repetir “Portugália, Portugália” e não acederam a guardar o saco. 
Claro que junto a uma gare principal de uma grande cidade há sempre algum hotel, e vi logo um, mesmo em frente, um hotel pequeno, mas alguém devia falar inglês…
Para lá me dirigi e o recepcionista – rapaz novo e falando mais ou menos inglês, foi de uma imensa simpatia: acedeu a guardar-me o saco, deu-me uma planta da cidade e mostrou-me onde era a embaixada (longe, longe dali) e dizia-me que devia tomar o autocarro tal até certo sítio e daí um outro até lá. 
Simplesmente eu não tinha dinheiro e disse-lhe que ia a pé, até porque tinha muito tempo até a embaixada abrir; que não, era longe, devia apanhar o 83 (agora sei que o primeiro autocarro era esse porque conheço bem a zona) e depois o outro e não passava disto. E foi quando me estendeu uma nota de alguns dinares para os bilhetes (ele não me conhecia, mas até lá ficava o saco, pelo que ele confiava em mim).
Lá apanhei os autocarros e realmente eram uns quilómetros para lá chegar (Belgrado tem uma avenida com 8 quilómetros).
Enfim cheguei ao edifício da embaixada, muito pobrezinha, diga-se de passagem, muito cedo e sentei-me por ali à espera que abrissem no horário estabelecido; quando tal aconteceu, subi umas escadas e deparou-se uma moça, louraça bem ao estilo eslavo e eu com um “bom dia” bem português que ela não entendeu; vá lá que falava inglês, e lá lhe expliquei a minha triste situação.
Levou-me à presença de um senhor, mais ou menos da minha idade –jovem portanto – português que me pediu para lhe relatar a situação. Eu sabia que na altura o embaixador português na Jugoslávia era o escritor Álvaro Guerra, pessoa conhecida e cujo cargo era apenas político, pois não era da carreira diplomática.
Não estava à espera de ser recebido por ele, naturalmente, mas o individuo era alguém importante lá na embaixada e ouviu-me bem e depois começou uma conversa simpática, de onde eu era, onde tinha estudado, isto e mais aquilo e concluímos que tínhamos frequentado Económicas (ISCEF) nos mesmos anos, embora não nos conhecêssemos pessoalmente , mas tínhamos conhecimentos comuns, de algumas pessoas que até ocupavam lugares de destaque na altura, em Portugal. 
Isto para dizer que o homem me pôs completamente à vontade, me disse que aquela conversa tinha como fim saber se a minha história era verdadeira ou não e que iria tratar de imediato de me arranjar um novo passaporte com a validade de 15 dias, mais que suficiente para chegar a Portugal, um bilhete de comboio até à Covilhã e me disponibilizaria algum dinheiro para eu aguentar a viagem de regresso. 
Claro que o bilhete indicava Veneza e Marselha como eventuais paragens, mas eu não acreditava que pudesse visitar essas cidades, naquelas condições. Quando eu, chegado a Portugal liquidasse o empréstimo do dinheiro emprestado e do preço do bilhete, podia arranjar um novo passaporte normal aqui. 
Entretanto e como aquilo ia demorar umas horas, o homem, super simpático convidou-me a tomar o pequeno almoço com ele, num hotel que ainda hoje existe e que no momento era um dos melhores – o Slavia – no centro da cidade e que na altura era quase só para pessoal diplomático.
Tito tinha morrido havia três  meses e a Jugoslávia era um país comunista, apenas um pouco afastado da ortodoxia soviética.  Foi um dos melhores pequeno almoços que já tive e a companhia foi excelente.
Enfim, uma horas mais tarde, com documentos, bilhete e algum dinheiro, regressei ao hotel onde deixara o saco e lá fiquei hospedado duas noites, pois não quis deixar de visitar Belgrado.
Esta história é para mim muito importante, pois foi o meu primeiro encontro com uma cidade que tantos anos depois se tornou uma das que mais amo, por razões que toda a gente conhece. 
Na altura, fiquei com uma noção de uma cidade cheia de contrastes, mesmo a nível do povo, mas não podemos esquecer o contexto político da época – 1980 e o facto do líder carismático de quase quarenta anos de poder ter morrido havia três meses. 
Pouco mais visitei que a zona central da cidade, mas recordo perfeitamente alguns locais, que depois revisitei, como é óbvio.
Pela primeira vez estava num país comunista e em que era muito difícil a comunicação, já que muito pouca gente falava inglês, já que a segunda língua depois do servo-croata era o russo e depois o alemão, e eu dessas não percebia, nem percebo patavina.
Dois dias depois lá estava na velha gare de Belgrado (bem precisa de reforma urgente) a apanhar o comboio na direcção de Veneza; será que iria parar lá para visitar um dos sítios mais emblemáticos da minha programação?
É o que vamos saber na terceira e última parte desta viagem memorável…

E está prometido um episódio à parte para “aquela noite num hotel de Atenas”…

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

O que vem aí...

Passadas que estão as “festas” da quadra natalícia e do começo do ano, é tempo de reflectir no que respeita à situação político-económica do país.
E a comunicação de Ano Novo de Cavaco permite com clareza ser um bom ponto de partida.
É minha convicção – e da maior parte dos portugueses –que este governo cairá durante o ano que agora começou.
 Posta de parte a hipótese de demissão, que me parece totalmente afastada, dada a “convicção” suicida do primeiro ministro continuar a apoiar, por razões que só ele saberá, dois homens nefastos e de perversos desígnios, embora de diferentes cambiantes: o manipulador Relvas e o teórico Gaspar, resta a hipótese de o forçarem a uma demissão; essa demissão poderia acontecer de diversas formas, todas elas de difícil execução.
A primeira e mais lógica seria efectuada pelo Presidente da República, e que ficou com esta comunicação de Cavaco posta definitivamente de parte, quando ele afirma que é contra qualquer crise política, nesta altura. Uma segunda, que nasceria no seio do partido que ganhou as últimas eleições, o PSD, e que tem mostrado através de nomes importantes o descontentamento e o incómodo que este governo lhes causa; mas esta solução necessitaria de um apoio, mesmo que não activo de Cavaco Silva e não o terá, pelo que também estará vocacionada ao fracasso.
Restará que essa demissão forçada nasça dentro do próprio governo, através do rompimento da coligação que constitui a maioria parlamentar PSD/CDS; ora Portas, que tem o pão e o queijo na mão (e PPC parece esquecer-se disso, como se esquece de muitas outras coisas), não parece muito determinado a romper a coligação, talvez porque sendo muito mais um animal político do que qualquer outro membro do governo, sabe que tal situação não lhe trará qualquer compensação eleitoral, a curto prazo; mas pode vir a ser obrigado a fazê-lo por imposição interna, mormente por força do seu grupo parlamentar, que está longe de continuar a apoiar incondicionalmente os dislates deste governo.
Mas, perante a queda deste governo, o que lhe sucede, quais as alternativas?
É aqui que reside o principal problema e simultaneamente o maior apoio que PPC tem actualmente.
Num cenário de eleições antecipadas é dado como certo que elas seriam ganhas pelo PS, mas sem uma maioria absoluta, e mesmo que a tivesse com um primeiro ministro que é tudo menos uma garantia de algo melhor para o país; Seguro é um político fraco, pois quando não se mostra ser um bom líder da oposição, nunca se será um bom chefe de governo.
Por outro lado os partidos à esquerda do PS, mesmo que bem intencionados, nunca terão pelo irrealismo das suas propostas qualquer hipótese de pertencerem à formação de um novo governo, a não ser que façam tábua rasa de alguns dos seus princípios básicos.
Um outro cenário e que começa a ser considerado por diversos sectores mais à esquerda é o de um golpe de estado pela força; ora as forças armadas de hoje não têm uma motivação como tinham em 1974 e embora subalternizadas pelo Estado, estão relativamente conformadas com as suas regalias e refiro-me às hierarquias, pois ainda há pouco tempo soubemos ser Portugal um dos países europeus com mais generais e numa proporção incrível em relação a outros países. E as restantes patentes não têm como no 25 de Abril um estado de guerra que lhes dê suporte.
Uma insurreição popular, comandada pelos sindicalistas da CGTP pode ter algum apoio mas nunca o suficiente para derrubar o governo, numa espécie de “Primavera árabe” que transforme o Terreiro do Paço na Praça Tahir do Cairo, porque lhe falta o apoio do povo anónimo, aquele povo que não é comandado pelos partidos políticos nem pelos sindicatos, mas sim pela exaustão a que está a ser conduzido – o povo que fez a manifestação de 15 de Setembro.
Mas essa grandiosa manifestação tinha como principal objectivo um protesto genuíno e real contra os governantes, incluindo o PR, e na altura um objectivo concreto e conseguido – a aberrante TSU. Falta a este povo uma motivação extra e muito mais ampla, que é um apoio a uma alternativa real e válida.
Essa alternativa, é quanto a mim, só viável através de um golpe de estado, sim, mas dentro de uma instituição que se chama Partido Socialista.
Se houver quem consiga, a bem ou a mal, apear Seguro da liderança do PS, substituindo-o por alguém com coragem para enfrentar uma situação difícil sim, mas sem subserviência, sem alienar a soberania, haverá uma alternativa.
E nomes, perguntarão?
Pois há gente válida dentro do PS: António Costa, Francisco Assis, António Vitorino e porque não um jovem que promete muito – João Galamba?
E haverá muitos independentes disponíveis para um governo desse tipo.
Claro que todos sabemos que o poder dentro de um partido político como o PS, ou o PSD reside no aparelho e em quem o controla, e isso é um problema para remover Seguro do seu lugar, como foi o aparelho, via Relvas que levou PPC à liderança do PSD.

Tudo muito complicado e não sou eu, que não sou analista político, nem estou na posse daquelas fontes que tantas notícias fabricam, que vou fazer futurologia política. Apenas sugiro o que me ocorre no momento actual em que vejo a triste realidade do dia a dia e não me conformo.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Um conto de Natal antológico

O João e o Luís que me perdoem.
Ando na blogo há muito tempo, tenho participado e outras vezes lido participações em variados desafios, mas nunca li algo tão bom (e ao mesmo tempo tão divertido), como isto.
Por isso, muito ao estilo da Margarida Rebelo Pinto aqui estou a fazer "copy e past" da participação destes dois amigos no desafio Pixel do Sad Eyes, porque toda a divulgação deste conto deve ser efectuada.
Obrigado, amigos.

Todos os outros continuem a mandar histórias e boas, pois o futuro livro (não é verdade, João?), vai ser um sucesso; mas o vencedor está encontrado!


História #14 
Autor: João & Luís (INDEX ebooks)

INCENSO E MIRRA?

Tenho 33 anos, estou desempregado e agora fiquei sozinho. O meu namorado, Jonas, deixou-me, julgo que para sempre, com um curto beijo embaraçado e triste. A minha mãe, Marta, ainda não sabe de nada. E do meu padrasto, Jorge, não sei eu desde os 12 anos. Conheceram-se na Nazaré. Marta era uma rapariguinha modesta, filha de pescadores pobres. Jorge era um homem feito, serralheiro mecânico de profissão, um pouco calado e ensimesmado. No dia em que foi viver com ele, Marta disse-lhe que estava grávida, mas garantiu-lhe que ainda era virgem. Ele saiu porta fora, furioso, mas regressou nessa mesma noite, cabisbaixo e resignado.
Passados nove meses nasci, debaixo de um viaduto. A história do meu nascimento já foi contada milhares de vezes. Jorge e Marta tinham ido a Lisboa, para uma manifestação anti-troika frente ao palácio de Belém, mas o carro avariou na A8. O meu padrasto não tinha saldo para chamar o 112. Era noite, estava frio e não havia ninguém, a não ser as ovelhinhas, as vaquinhas e os burrinhos, que ruminavam mansamente, e eu nasci. Mas de súbito, a confusão! Primeiro, apareceu um helicóptero, pairando por cima do viaduto, projetando um forte foco de luz branca diretamente sobre mim. Depois, montados em três grandes limusines escoltadas pelas sirenes furiosas das motos da polícia, surgiram um preto americano, uma loira gorda alemã e um português com olhos de cherne, que saíram para me oferecer ouro, incenso e mirra. Ouro ainda vá! Mas incenso e mirra?

E porque faz parte da postagem este vídeo do início de um dos melhores filmes jamais feito – “A Vida de Brian”, dos Monty Pithon, aqui o incluo também.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Taxar os ricos - (um conto de fadas animado)

Depois de ver esta animação, que não retrata a situação do nosso país, mas ajuda a compreendê-la, talvez se perceba melhor o porquê de tantas afirmações repetidas até à exaustão por esta cambada que nos governa, tais como a famigerada "não há alternativa"; também se percebe melhor o que significa o "custe o que custar" obcessivo do indivíduo que quiseram pôr a (des)governar-nos. E principalmente se entendem ainda melhor as palavras de um conhecido banqueiro acerca da forma como o povo reage a tanta austeridade: "ai aguenta, aguenta!"
Mas quando o povo quer, não precisa de partidos políticos, nem de sindicatos - ele próprio se congrega e mostra a força da razão, como o fez em todo o país a 15 de Setembro.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Cinema e Música - 3



  Hoje venho aqui falar de um filme, que à primeira vista, nada teria a ver com esta rubrica “Cinema e Música”. Mas, bem vistas as coisas, a música é sempre um elemento fundamental de um filme e mesmo que não seja o seu principal motivo de interesse, há filmes que nos despertam uma sensibilidade musical muito apurada. O filme de que falo é o muito celebrado “A Lista de Schindler” (1993), realizado por Steven Spielberg, sem dúvida um dos melhores filmes que vi e seguramente um dos que mais vezes me humedeceu as faces… É difícil ficar indiferente à temática do filme, o salvamento de uma enorme quantidade de judeus por um homem de confiança dos nazis, Óscar Schindler. O tema musical do filme é do consagrado Jonh Williams que por este seu trabalho ganhou mais um Óscar dos muitos da sua carreira. É um tema belíssimo, muito triste, como convém num filme com este argumento e que no vídeo aqui apresentado tem como solista o famoso violinista Itzhak Perlman.
 
 Mas o principal motivo da inclusão deste filme na rubrica é uma cena, do filme a única cena que tem algo de cor, e que mostra o percurso de uma pequena miúda com um casaco rosa que se dirige para casa, no gueto de Varsóvia, passando pelo meio de cenas terríveis que vão acontecendo nas ruas quando os nazis invadiram o gueto para matarem e prenderem os judeus. Durante essa cena, e misturada com os sons normais do decorrer da mesma, vai-se começando a ouvir uma belíssima canção, cantada por um coro de crianças. É uma canção célebre entre os judeus, cujo nome é “Oyfn Pripetshik” , cuja tradução inglesa é “On the Cooking Stove”, e que foi escrita em Yiddish na segunda metade do século XIX, tornando-se muito popular na altura entre os judeus da Europa central e oriental, até à época anterior ao holocausto; fala-nos de um “rabbi” que ensina às crianças o alfabeto judaico. É uma melodia que ao longo da cena se vai ouvindo cada vez melhor e que está muito bem integrada nela. A cena é espantosa, como se pode ver no vídeo.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

De Quentin Crisp até à reflexão...

“Sou demasiado homem de todos os homens para ser o único homem de qualquer homem.”
Esta frase pertence a um dos mais admiráveis homens que conheço e admiro, e cuja vida já deu origem a dois filmes notáveis: “The Naked Civil Servant” e “An Englishman in New York”, ambos protagonizados pelo fabuloso John Hurt. Trata-se de Quentin Crisp, um homem que teve a coragem de viver à frente do seu tempo e que foi mesmo provocador, talvez para se vingar das humilhações que sofreu quando jovem, por causa da sua homossexualidade. Aliás o primeiro dos referidos filmes é a adaptação de um livro seu, autobiográfico. Também a música aqui apresentada, é uma homenagem de Sting a este homem e foi o título da canção que deu o nome ao segundo dos filmes.(Aconselho a visão do clip musical, pois é muito bonito).

Mas, eu não venho propriamente falar de Quentin Crisp. Esta frase da sua autoria reflecte de certa forma uma característica que é muitas vezes imputada aos homossexuais – a promiscuidade – mas que é tão visível no mundo gay como no mundo heterossexual. E, se muitos gays são promíscuos também muitos o não são e depois de encontrarem a pessoa certa, poucos o continuam a ser.
O mundo homossexual, nos últimos anos teve grandes alterações; se nalguns países, nomeadamente do Médio Oriente e de África, continua a haver pesadas penas para estes comportamentos, inclusive a pena de morte, na maior parte do mundo, principalmente nos países mais evoluídos, a homossexualidade é vista como um comportamento normal, pois ninguém é homossexual porque quer e a sexualidade de qualquer ser humano só a ele diz respeito.
Mais importante que a aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo, é a progressiva, mas demasiado lenta transformação das mentalidades. E se ainda há quem continue a ser tão ignorante ou idiota que considere a homossexualidade uma doença, também há uma crescente forma de encarar a situação positivamente e até muita gente tem perdido o medo de assumir não só a sua homossexualidade, mas também, e em muito maior número a sua bissexualidade. Claro que a homofobia continua a reinar, principalmente comandada pelas religiões, mas o alargamento da visão do mundo através do crescimento dos “media” tem levado muita gente, mesmo sem muita cultura a abrir os olhos.
Este fenómeno foi bem visível no documentário que a SIC apresentou a semana passada sobre o casamento de dois homens simples, residentes numa terra simples, e em que os factos nos foram apresentadas com uma naturalidade tocante, que algumas pessoas até acharam piroso, tão piroso afinal como tantos casamentos heterossexuais que se realizam por esse mundo fora…Mas a homofobia estava lá, quando no final da reportagem apareceu a notícia que ambos os homens haviam sido convidados a abandonar o rancho a que dedicaram tanto tempo das suas vidas.
Também na semana passada houve outros factos interessantes sobre a comunidade homossexual; em Espanha e como se esperava, o governo de Rajoy tentou anular a lei aprovada sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e só não teve êxito porque tal lei está na Constituição espanhola e a sua anulação é anticonstitucional; já o mesmo não sucede em Portugal, e um qualquer governo, como este que temos agora, dispondo de uma maioria parlamentar, o poderá fazer. Este apenas não o faz porque o momento de crise é tão grande que ninguém aceitaria discutir esse assunto, nesta altura; e também porque haverá, como sei que há, nos partidos que constituem o governo, gente, que é homossexual, alguns parlamentares e outros não…
Por outro lado o governo francês aprovou a mesma lei, que será decerto apresentada muito em breve ao Parlamento que a aprovará. Passos no mesmo sentido têm sido dados noutros países como no Brasil. Nos EUA, junto com as eleições presidenciais, houve mais três estados que por referendo aprovaram a mesma lei – Maine, Maryland e Washington- sendo já 10 os estados a terem como legal o casamento homossexual (20% do total dos estados americanos).
E ainda mais importante, foi o facto de o presidente reeleito, Obama, ter referido os homossexuais como outros quaisquer grupos de cidadãos americanos, no seu discurso vitorioso.
Também por cá, e sem surpresa, na recente convenção do Bloco de Esquerda, João Semedo referiu a importante colaboração deste partido na aprovação do diploma já referido. Continuamos no entanto com a grande lacuna da não aprovação da adopção por casais homossexuais, embora ela possa acontecer por um homossexual isolado…

Enfim, todas estas considerações, que já vão longas para chegar ao ponto que pretendia: cabe aos homossexuais, e estou a referir-me essencialmente aos portugueses, contribuir para que este caminho de normalidade seja cada vez mais consolidado; não basta “esperar sentado” e aplaudir depois, dentro do gueto em que muitos comodamente se instalaram. Não! É preciso agir, e não digo que seja preciso fazer parte das organizações LGBT, que tanto têm feito no nosso país; basta assumir o seu papel na sociedade, não ter medo de mostrar que se é homossexual, sem andar com uma tabuleta nas costas, mas fazê-lo de uma forma natural, no dia a dia, não tendo medo de dar a cara.
Claro que sair do armário é um processo que nem sempre é fácil, mas o que será melhor? viver de bem com a sociedade, mas sempre com o estigma da mentira, da ocultação e do medo de ser descoberto, ou viver em paz connosco próprios, mesmo que isso nos tire algum conforto temporário?
Um tema para pensar, e muitos dos meus amigos que aqui me seguem terá aqui um motivo de reflexão.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

A Cidadela de Cascais

Quando o Déjan visita Portugal, procuro mostrar-lhe o mais possível do nosso país e assim, apenas resta levá-lo ao Nordeste transmontano para ele ter uma ideia geral do país.

Aqui, na região de Lisboa, na capital e não só, tem visto muita coisa e em todas as visitas há algo de novo a mostrar. Por ele, passava todo o tempo na Baixa, local que o encanta sobremaneira, e desta vez pôde apreciar pela primeira vez o Cais das Colunas, até então e por causa das obras do metro, removido.
Fartámos-nos de calcorrear ruas e avenidas e esta semana andámos pelas ruas manhosas do Cais do Sodré, descemos a Almirante Reis, da Alameda ao Martim Moniz e de carro percorremos algumas zonas que ele não conhecia, como Telheiras, a Av.Lusíada e a zona do Lumiar e Calçada de Carriche.

Fomos a Cascais e visitámos um local que eu também desconhecia, a não ser por fora – a Cidadela!
 E que bela visita foi…É um local que bem se referencia no topo da maravilhosa baía e dentro da fortaleza, encontram-se hoje belos motivos de interesse; além de uma magnífica e moderna pousada
variadas lojas pequeninas de artigos vários e bares e restaurantes.Mas o realce vai para o Palácio da Cidadela, que após muitos anos fechado ao público se pode agora visitar.


Este Palácio pertencia ao Exército e era ali que funcionava o palácio do Governador, até que D.Luís I resolveu transformar o palácio em residência de Verão e até escolheu este local para morrer pois queria finar-se junto ao mar, segundo se diz. Também D.Carlos ali passava os Verões e aí tinha muito do seu “mundo” dedicado a uma das suas grandes paixões – o mar e as ciências náuticas. Já durante a República houve dois Presidentes que usaram este palácio; Craveiro Lopes, como residência de Verão e  Óscar Carmona ali estabeleceu quase permanentemente a sua residência oficial.
É um palácio com belas salas, com destaque para os soalhos e para os tectos e é pena não haver muitas fotos disponíveis pois são consideradas propriedade da Presidência da República, entidade que toma conta do Palácio, num protocolo com a Câmara de Cascais.
Possui uma capela ampla e bonita e tem uma dependência do Museu da Presidência da República, essencialmente vocacionada para as Ordens Honoríficas Portuguesas.
 A visita guiada foi excelente e como foi só para nós dois decorreu num ambiente muito agradável e descontraído.
Vale a pena visitar este sítio.