sábado, 27 de fevereiro de 2010

Ashes and Snow


Tomei conhecimento deste vídeo no blog "Filho de Neptuno", de um bom amigo, o Fernando, que tive o prazer de reencontrar aqui na blogosfera.
Além de ser um vídeo de uma beleza e sensibilidade invulgares, quero chamar a atenção para o blog em referência, já que não sendo unicamente versado em assuntos sobre psicologia, esta é a vertente mais focada, e com muito interesse já que o Fernando é um excelente profissional; quando se aprende algo num blog, está a estabelecer-se a principal motivação da blogosfera: a partilha. É o caso.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Um desastre já anunciado

Eu estive mesmo tentado a não falar aqui na imensa tragédia que aconteceu na ilha da Madeira, pois sentia que não poderia escrever algo, que não colidisse com opiniões oficiais e/ou oficiosas sobre o ocorrido; e as imagens que toda a gente viu foram tão impressionantes que me faltava a coragem, de nas horas imediatamente consequentes, exprimir quaisquer palavras que não fossem de solidariedade para todos os madeirenses e principalmente para as pessoas de lá, que conheço.
Mas acabei de ver um vídeo no blog da Violeta, feito em 2008, e que não tem qualquer conotação política, que me impressionou terrivelmente; penso que este vídeo devia passar nas televisões para que os responsáveis autárquicos e governamentais da Madeira fossem responsabilizados numa grande quota parte do sucedido e que podia e devia ter sido evitado.
Em vez de andar a tentar camuflar o número de mortos, AJJ, o principal responsável, deveria assumir o erro de não olhar a meios para uma construção desenfreada e totalmente contra todos os planos previamente julgados como manifestamente perigosos, feitos por entidades científicas.
Para honrar a memória dos que perderam a vida e dos que tudo perderam, deveria assumir o seu erro: jamais o fará!


Adenda
Para complementar o que atrás refiro, aqui deixo para quem esteja interessado. um sonho de um "profeta" chamado Cecílio Gomes da Silva, e que já tem 25 anos de idade (foi escrito em Janeiro de 1985).

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Padres e freiras...(para rir)

Este blog tem andado muito sério, demasiado preocupado com as coisas políticas e sociais. Chegou à altura de tentar sorrir, e como são anedotas, espero não ferir susceptibilidades.

Na confissão ...
- Padre, eu toquei nos seios da minha namorada.
- Tocou por cima ou por baixo da blusa dela?
- Foi por cima da blusa dela, padre.
- Você é muito estúpido! Por baixo da blusa!!!, a
penitência é a mesma!!



O velho acaba de morrer. O padre encomenda o corpo e
rasga-se em elogios:
- O finado era um óptimo marido, um excelente cristão,
um pai exemplar!!...
A viúva vira-se para um dos filhos e diz-lhe ao ouvido:
- Vai até o caixão e vê se é mesmo o teu pai que está lá!



Na hora do almoço, a madre superiora anuncia:
- Irmãs, hoje teremos bananas de sobremesa!!
- Ehhhhh hhhh!!!!Vibram as freiras.
- Em rodelas!!,acrescenta a madre
E as freiras, decepcionadas:
- Ooooohhhhhhhhh!!!!...



A freira vai ao médico:
- Doutor, tenho tido ataques de soluços, que não me
deixam viver. Não durmo, não como, e tenho dores no corpo de tanto
movimento compulsivo involuntário.
- Tenha calma, irmã, que vou examiná-la.
O médico examina-a e diz:
- Irmã, a senhora está grávida.
A pobre freira levanta-se e sai a correr do
consultório, em pânico.
Uma hora depois, o médico recebe uma chamada da madre
superiora do convento:
- Doutor, o que é que o senhor disse à irmã Carmen?
- Cara madre superiora, como ela tinha um forte ataque
de soluços, eu disse que ela estava grávida. Espero que com o susto
ela tenha parado de soluçar!
- Sim, a irmã Carmem parou de soluçar, mas o padre
Paulo atirou-se da torre da igreja!!!




Um padre está em missão em pleno pantanal mato-grosso,
quando lhe aparece pela frente uma enorme onça faminta. A fera lambe
os lábios e prepara-se para atacar.
O padre ajoelha-se e diz:
- Ó Senhor, incute nesta fera sentimentos cristãos!
E a onça:
- Senhor, abençoai este alimento que vou tomar!



No confessionário:
- Padre, ontem eu dormi com meu namorado.
- Mas isso é pecado e pecado mortal, minha filha. Reze
cinco Pade Nossos de penitência.
A jovem fica mais algum tempo ajoelhada, pensa um
pouco e depois pergunta ao padre:
- Padre, e se eu rezar dez Padre Nossos? Será que hoje
posso dormir com ele outra vez?



O Jaiminho passa diante da janela do padre, com um pão
numa das mãos, a outra no bolso e diz:
- Boa tarde, senhor padre!
- Boa tarde, meu filho! Vejo que tens a semente da
vida numa das mãos.
E o que é que tens na outra mão?
- É um pão, senhor padre!


A campainha toca na casa de um tipo muito avarento.
O sujeito abre a porta e dá de caras com duas
freiras, pedindo donativos e que lhe dizem:
- Meu filho, nós somos irmãs de Cristo e...
O avarento atalha:
- Arre porra, estão muita bem conservadas!!!!



Já muito tarde, um padre passa perto dum cemitério e
apanha o maior susto da sua vida, quando ouve:
- Huuuum, huuuuum, huuuuuuuuum!
O padre pára, reza um Pai Nosso, faz o sinal da cruz,
enche-se de coragem e pergunta:
- De que é que esta pobre alma precisa?
E a voz responde-lhe:
- De papeeel higiéééééénico!



O padre Valdemar vai à prisão dar a última bênção a um
condenado, minutos antes da execução.
- Vim trazer-lhe a palavra de Deus.
- Não era preciso padre! Daqui a pouco já vou estar
pessoalmente com Ele...


Como se pode ver são perfeitamente inofensivas; ficaram desiludid@s??? Ora aí estão duas, para terminar, um pouco mais ousadas:


Num voo charter, velho quadrimotor, viajam 50 freiras, que se deslocavam ao Brasil para um congresso: eram as únicas passageiras. Pouco depois de levantar voo, um dos motores pára; o piloto diz para o co-piloto: "não há problema, ainda temos 3 motores; a meio do oceano pára um segundo motor; pergunta o co-piloto. "E agora'", responde o piloto: "ainda temos dois, isto aguenta". Já não longe da costa falha um terceiro motor: "Oh diabo, que gaita" diz o piloto, "o que vale é que estamos perto e com sorte chegamos lá". Rio de Janeiro à vista e o quarto e último motor dá o berro; o piloto diz apressadamente para o co-piloto: "vamos ejectarmos-nos!!!" Pergunta este: "e as freiras???", responde o piloto: "olha as freiras f*******!!" Ao que o co-piloto pergunta, incrédulo: "E há tempo, ainda há tempo???".


Num convento, todas as noites se ouvia um barulho estranho vindo de uma das celas: "chap, chap, chap..." As irmãs foram falar com a madre superiora que resolveu ir ver o que se passava; abriu a porta da cela e deparou com uma irmã a lavar as suas partes intimas, ao mesmo tempo que ia dizendo: "já que não comes, bebes!!!!!!"


Se a Isilda Pegado sabe disto faz queixa de mim ao Bentinho e lá sou eu excomungado...


domingo, 21 de fevereiro de 2010

Oração pela Família

Como diz o Daniel, e bem (quase sempre gosto do que ele diz), ontem "as boas almas encontraram-se"!!! E já agora vejam os outros dois vídeos que ele publica a seguir, dedicados ao mesmo tema.

Aproveitem e tentem descobrir a Isilda Pegado no coro, no vídeo; é a da verruga!!!!

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Fernando Nobre

Não tendo votado em M.Alegre nas últimas presidenciais, estava, à priori a ver-me como apoiante dele nestas, por ser um individuo sério e credível e capaz de aglutinar a esquerda de forma a impedir a reeleição de Cavaco.

Agora surge um homem, por quem tenho, como a esmagadora maioria do povo português, uma enorme simpatia, que tem feito da sua vida uma dádiva aos outros e que pode por ser um individuo não enfeudado a qualquer partido um candidato a considerar. Mas tem pontos fracos esta candidatura, pois irá dividir a esquerda facilitando , quem sabe a reeleição de Cavaco, embora F.Nobre recolha também muitos apoios na direita; não sendo um político, não se tem demitido de exercer o apoio às mais variadas opções eleitorais, de ambos os espectros políticos, o que é um pouco confuso; e, se não ser político de carreira não o indicia como possuidor de vícios políticos, por outro lado tal poderá não ser suficiente para exercer um poder que embora constitucionalmente não seja tão importante como noutros países (p.ex. a França), tem responsabilidades acrescidas numa conjuntura muito difícil para o país e para o mundo.

Confesso que fui apanhado de surpresa, e o meu voto vai ser dado , na continuidade de uma evolução política que varia de dia para dia, a quem me provar que estará melhor preparado para exercer o cargo com autoridade, honestidade e equidistância política dos partidos que os apoiem ou não.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

PALHAÇO !!!

Ontem, na Comissão de Ética da AR, o circo voltou à cidade: é entrar, meus senhores, é entrar; o espectáculo promete...

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Rosa Lobato de Faria


Quando do seu recente falecimento, não postei nada sobre esse facto, talvez por já tanta gente ter escrito tudo o que havia a dizer sobre ela.
Recebi recentemente por mail uma AUTOBIOGRAFIA, publicada no Jornal de Letras e não resisto a colocá-la aqui, por considerar diferente: aqui é ela própria a falar dela!

"Quando eu era pequena havia um mistério chamado Infância. Nunca tínhamos ouvido falar de coisas aberrantes como educação sexual, política e pedofilia. Vivíamos num mundo mágico de princesas imaginárias, príncipes encantados e animais que falavam. A pior pessoa que conhecíamos era a Bruxa da Branca de Neve. Fazíamos hospitais para as formigas onde as camas eram folhinhas de oliveira e não comíamos à mesa com os adultos. Isto poupava-nos a conversas enfadonhas e incompreensíveis, a milhas do nosso mundo tão outro, e deixava-nos livres para projectos essenciais, como ir ver oscilar os agriões nos regatos e fazer colares e brincos de cerejas. Baptizávamos as árvores, passeávamos de burro, fabricávamos grinaldas de flores do campo. Fazíamos quadras ao desafio, inventávamos palavras e entoávamos melodias nunca aprendidas.

Na Infância as escolas ainda não tinham fechado. Ensinavam-nos coisas inúteis como as regras da sintaxe e da ortografia, coisas traumáticas como sujeitos, predicados e complementos directos, coisas imbecis como verbos e tabuadas. Tinham a infeliz ideia de nos ensinar a pensar e a surpreendente mania de acreditar que isso era bom.
Não batíamos na professora, levávamos-lhe flores.

E depois ainda havia infância para perceber o aroma do suco das maçãs trincadas com dentes novos, um rasto de hortelã nos aventais, a angustia de esperar o nascer do sol sem ter a certeza de que viria (não fosse a ousadia dos pássaros só visíveis na luz indecisa da aurora), a beleza das cantigas límpidas das camponesas, o fulgor das papoilas. E havia a praia, o mar, as bolas de Berlim. (As bolas de Berlim são uma espécie de ex-libris da Infância e nunca mais na vida houve fosse o que fosse que nos soubesse tão bem).

Aos quatro anos aprendi a ler; aos seis fazia versos, aos nove ensinaram-me inglês e pude alargar o âmbito das minhas leituras infantis. Aos treze fui, interna, para o Colégio. Ali havia muitas raparigas que cheiravam a pão, escreviam cartas às escondidas, e sonhavam com os filmes que viam nas férias. Tínhamos a certeza de que o Tyrone Power havia de vir buscar-nos, com os seus olhos morenos, depois de nos ter visto fazer uma entrada espampanante no salão de baile onde o Fred Astaire já nos teria escolhido para seu par ideal.

Chamava-se a isto Adolescência, as formas cresciam-nos como as necessidades do espírito, música, leitura, poesia, para mim sobretudo literatura, história universal, história de arte, descobrimentos e o Camões a contar aquilo tudo, e as professoras a dizerem, aplica-te, menina, que vais ser escritora.

Eram aulas gloriosas, em que a espuma do mar entrava pela janela, a música da poesia medieval ressoava nas paredes cheias de sol, ay eu coitada, como vivo em gran cuidado, e ay flores, se sabedes novas, vai-las lavar alva, e o rio corria entre as carteiras e nele molhávamos os pés e as almas.

Além de tudo isto, que sorte, ainda havia tremas e acentos graves.
Mas também tínhamos a célebre aula de Economia Doméstica de onde saíamos com a sensação de que a mulher era uma merdinha frágil, sem vontade própria, sempre a obedecer ao marido, fraca de espírito que não de corpo, pois, tendo passado o dia inteiro a esfregar o chão com palha de aço, a espalhar cera, a puxar-lhe o lustro, mal ouvia a chave na porta havia de apresentar-se ao macho milagrosamente fresca, vestida de Doris Day, a mesa posta, o jantarinho rescendente, e nem uma unha partida, nem um cabelo desalinhado, lá-lá-lá, chegaste, meu amor, que felicidade! (A professora era uma solteirona, mais sonhadora do que nós, que sabia todas as receitas do mundo para tirar todas as nódoas do mundo e os melhores truques para arear os tachos de cobre que ninguém tinha na vida real).

Mas o que sabíamos nós da vida real? Aos 17 anos entrei para a Faculdade sem fazer a mínima ideia do que isso fosse. Aos 19 casei-me, ainda completamente em branco (e não me refiro só à cor do vestido). Só seis anos, três filhos e centenas de livros mais tarde é que resolvi arrumar os meus valores como quem arruma um guarda-vestidos. Isto não, isto não se usa, isto não gosto, isto sim, isto seguramente, isto talvez. Os preconceitos foram os primeiros a desandar, assim como todos os itens que à pergunta porquê só me tinham respondido porque sim, ou, pior, porque sempre foi assim. E eu, tumba, lixo, se sempre foi assim é altura de deixar de ser e começar a abrir caminho às gerações futuras (ainda não sabia que entre os meus 12 netos se contariam nove mulheres). Ouvi ontem uma jovem a dizer, a revolução que nós fizemos nos últimos anos. Não meu amor: a revolução que NÓS fizemos nos últimos 50 anos. Mas não interessa quem fez o quê. É preciso é que tenha sido feito. E que seja feito. E eu fiz tudo, quando ainda não era suposto. Quando descobri que ser livre era acreditar em mim própria, nos meus poucos, mas bons, valores pessoais.

Depois foram as circunstâncias da vida. A alegria de mais um filho, erros, acertos, disparates, generosidades, ingenuidades, tudo muito bom para aprender alguma coisa. Tudo muito bom. Aprender é a palavra chave e dou por mal empregue o dia em que não aprendo nada. Ainda espero ter tempo de aprender muita coisa, agora que decidi que a Bíblia é uma metáfora da vida humana e posso glosar essa descoberta até, praticamente, ao infinito.

Pois é. Eu achava, pobre de mim, que era poetisa. Ainda não sabia que estava só a tirar apontamentos para o que havia de fazer mais tarde. A ganhar intimidade, cumplicidade com as palavras. Também escrevia crónicas e contos e recados à mulher-a-dias. E de repente, aos 63 anos, renasci. Cresceu-me uma alma de romancista e vá de escrever dez romances em 12 anos, mais um livro de contos (Os Linhos da Avó) e sete ou oito livros infantis. (Esta não é a minha área, mas não sei porquê, pedem-me livros infantis. Ainda não escrevi nenhum que me procurasse como acontece com os romances para adultos, que vêm de noite ou quando vou no comboio e se me insinuam nos interstícios do cérebro, e me atiram para outra dimensão e me fazem sorrir por dentro o tempo todo e me tornam mais disponível, mais alegre, mais nova).

Isto da idade também tem a sua graça. Por fora, realmente, nota-se muito. Mas eu pouco olho para o espelho e esqueço-me dessa história da imagem. Quando estou em processo criativo sinto-me bonita. É como se tivesse luzinhas na cabeça. Há 45 anos, com aquela soberba muito feminina, costumava dizer que o meu espelho eram os olhos dos homens. Agora são os olhos dos meus leitores, sem distinção de sexo, raça, idade ou religião. É um progresso enorme.

Se isto fosse uma autobiografia teria que dizer que, perto dos 30, comecei a dizer poesia na televisão e pelos 40 e tais pus-me a fazer umas maluqueiras em novelas, séries, etc. Também escrevi algumas destas coisas e daqui senti-me tentada a escrever para o palco, que é uma das coisas mais consoladoras que existem (outra pessoa diria gratificantes, mas eu, não sei porquê, embirro com essa palavra). Não há nada mais bonito do que ver as nossas palavras ganharem vida, e sangue, e alma, pela voz e pelo corpo e pela inteligência dos actores. Adoro actores. Mas não me atrevo a fazer teatro porque não aprendi.

Que mais? Ah, as cantigas. Já escrevi mais de mil e 500 e é uma das coisas mais divertidas que me aconteceu. Ouvir a música e perceber o que é que lá vem escrito, porque a melodia, como o vento, tem uma alma e é preciso descobrir o que ela esconde. Depois é uma lotaria. Ou me cantam maravilhosamente bem ou tristemente mal. Mas há que arriscar e, no fundo, é só uma cantiga. Irrelevante.

Se isto fosse uma autobiografia teria muitas outras coisas para contar. Mas não conto. Primeiro, porque não quero. Segundo, porque só me dão este espaço que, para 75 anos de vida, convenhamos, não é excessivo.
Encontramo-nos no meu próximo romance. "


sábado, 13 de fevereiro de 2010

Haja tomates

Eu queria ficar calado neste caso das escutas telefónicas do “Face Oculta”, mas não consigo. É que este caso tem tanto de incrível, como de triste. E pode-se lhe pegar de muitissimas formas, conforme a vontade do freguês, ou seja ao sabor dos interesse mais variados. Independentemente do juízo moral e ético que possa ter para mim, recorrer a escutas para demonstrar actos ilícitos, estas serão sempre, ou quase sempre violações do mais elementar direito de um cidadão: a sua privacidade. Neste caso, há gravações entre arguidos de um caso efectivamente criminoso e entre elas aparecem gravações de um arguido com o primeiro ministro (de quem é amigo pessoal) e outras gravações que envolvem o seu nome. Algumas dessas escutas foram mandadas destruir por dois dos mais altos dirigentes da Justiça em Potugal: o presidente do Supremo Tribunal de Justiça e o Procurador Geral da República; até agora essa ordem continua por cumprir devido a “complexidades e burocracias institucionais” segundo o juiz de Aveiro que as aprovou como válidas e assim se tem esquivado a obedecer hierárquicamente e mais do que isso tem permitido a sua divulgação. Se isto não é viciar a Justiça ao mais alto nível, em Portugal, então a Justiça não é justa jamais. O jornal “Sol” dirigido por essa eminência parda do jornalismo português que é AJSaraiva resolveu armar-se em “Independente” dos nossos dias e publicar extractos dessas escutas numa edição, violando assim (mais uma vez) o segredo de justiça, mas isso em Portugal já é quase norma; e não satisfeito com isso, reiincide com mais informação bastante destacada, com uma capa muito apelativa e páginas e páginas de “mais do mesmo” tendo como fim provar que há uma tentativa de controlo total dos media pelo governo, e dando como exemplo disso a TVI de Moniz e de MMGuedes, através da PT. Moniz, directa ou indirectamente via MMGuedes ,nunca gostou de Sócrates e só quem via o Jornal Nacional podia ver que “aquilo” de notícias nada tinha, antes era apenas um tempo de antena semanal da mais incrível campanha de perseguição política que já houve em Portugal. Mais recentemente um jornalista da SIC, Mário Crespo, que há muito nas suas crónicas só tinha o mesmo objectivo, conseguiu por métodos muito pouco abonatórios ,relatos de conversas privadas e daí vitimizar-se, qual inocente criatura, sendo bom lembrar que vem de longe a ligação de MCrespo a sectores bastante conhecidos pelos portugueses pelos piores motivos (a sua fidelização a Kaulza de Arriaga na guerra colonial é um bom exemplo). Tudo isto é agora evidenciado e chega-se ao ponto, quase ridículo de MMGuedes afirmar a um noticiário da SIC enm directo que há censura em Portugal, sendo essa afirmação o desmentido da mesma. E para esse fim, não se olha a meios; o jornalismo que se qualifica como quarto poder, quer ser mais que isso; a deontologia já não interessa nada, estamos no momento do “vale tudo” e até nem é difícil obter informações, pois as “fontes” vêm voluntáriamente aos jornalistas, por parte de políticos interessados na sua divulgação. O que interessa a um jornal é vender, que se foda se a informação é válida ou não, se é lesiva ou não. Mas há casos em que já tem que haver “cuidados”: nesta última edição do “Sol” há duas páginas que focam a participação de Joaquim Oliveira nesta trapalhada; pois estas páginas não constam na edição angolana do jornal, pois neste caso, este empresário está ligado à filha do presidente angolano num consórcio que tem interesse no semanário; e assim sendo estas duas páginas saíram assim na edição angolana


Foto do blog "Arrastão"
Afinal a censura começa na própria redacção.


Há quem defenda que embora judicialmente não haja nada a fazer neste caso das escutas, embora nas entrelinhas se sugira que o PGR e o presidente do STJ pudessem estar a ser usados por Sócrates (só para rir), mas que políticamente o caso tem que ser investigado. Que seja, e se se provar que o primeiro ministro mentiu no Parlamento então demitam-no, ou por via presidencial ou por meio de uma moção de censura. Tenham tomates para o fazer e não lhe exijam que ele o faça. O que é curioso é que ninguém quer uma crise política, mas estão cada vez mais a criá-la; em que ficamos? Pois vamos a novas eleições e se não fosse trágico para o nosso país até me atrevia a sugerir um governo de coligação entre o BE e o CDS, por exemplo e veríamos finalmente o país a progredir económicamente, o desemprego a baixar, o défice a baixar para os limites impostos pela EU, as pessoas felizes e tudo acabaria em bem. Até sugiro para símbolo dessa “coligação” uma bandeira, ou melhor deixo duas, para poderem optar

Como é Carnaval, ninguém leva a mal...

Fotos do blog "Jugular"


sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Ni - Ni (18/7/1944 - 12/2/2009)

Se todo o ser ao vento abandonamos

E sem medo nem dó nos destruímos.

Se morremos em tudo o que sentimos

E podemos cantar, é porque estamos

Nus, em sangue, embalando a própria dor

Em frente às madrugada do amor.

Quando a manhã brilhar refloriremos

E a alma beberá esse esplendor

Prometido nas formas que perdemos.

(Sophia de Mello Breyner Andresen)


Uma imensa saudade...

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

"Hitler's Children"

Este é um filme documental, absolutamente impressionante com testemunhos de descedentes dos maiores nomes da nomenclatura do III Reich e que prepararam e executaram o Holocausto: Himmler, Goering, von Ribbentrop, Frank; e também com descendentes das vitimas do mesmo, sessenta anos depois.

Para ver aqui, e reflectir.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

sábado, 6 de fevereiro de 2010

A crise da blogosfera

Há tempos que estou para fazer uma entrada sobre este assunto.

Agora chegou mesmo a vez.

Quando, quase no final de 2006 iniciei o meu blog, não percebia nada de blogs, e muito pouco de informática, e foi depois de bastantes tentativas que pus o blog a funcionar, bastante rudimentar, mas sabia o que queria com ele: fazer uma ponte entre o meu sentir, as minhas ideias e gostos e assim como um diário público, abrir-me ao mundo.

De início, fui bebendo ideias aqui e ali, algumas a saudosos blogs que há muito acabaram; depois comecei a andar mais desenvolto, a aperfeiçoar novas potencialidades e a criar as primeiras amizades virtuais. No real apenas conhecia um amigo que tinha um blog de periocidade muito variável e que ainda hoje existe. Foi com uns comentários que fui fazendo e que ganharam alguma reciprocidade que “conheci” meia dúzia de pessoas possuidoras de blogs e passado uns meses aventurei-me numa ideia: sugeri um jantar de bloguistas, e dessa forma nos conhecessemos; claro que o meu universo de blogs era muito limitado, mas mesmo assim lá nos reunimos 9 ou 10 pessoas no Bar “Agito” no Bairro Alto, numa noite inesquecível: lá conheci entre outros, amigos que ficaram para sempre: o Zé, o Sérgio, o Luís, o Zé Júlio e o seu apêndice, numa jantarada muito agradável.

A partir daí, foi sempre a “andar”; por ser comunicativo, por gostar de conhecer pessoas, alarguei bastante o número de blogs que visitava, sempre com reciprocidade e comecei a conhecer muita gente e nalguns casos a ganhar mesmo amizade, que perdurou até hoje e perdurará. A ponto de um ano depois, e já com a colaboração do Paulo e do Zé (Felizes Juntos), se organizar um segundo jantar que foi um sucesso: no “Caruso” encontrámo-nos mais de 30 pessoas, algumas vindas de fora expressamente; aí conheci finalmente o João Manuel (Catatau).

O Miguel (Minha Luz) em boa hora decidiu, nesse Verão juntar também , nas Caldas um grupo de pessoas para um belíssimo pic-nic, que constituíu um êxito, com uma tarde de domingo muito bem passada.

Estava-se no auge dos blogs, com assiduidade bastante frequente e com os blogs, com raríssimas excepções a manterem-se. Daí, não ter sido difícil, accionar novo jantar, sempre lá para Abril, agora na Amadora, no restaurante “Guilho”, onde juntámos ainda mais gente que no ano ano anterior; desta vez, foi um jantar volante e assim os contactos foram mais fáceis e a presença feminina aumentou consideravelmente. Entretanto tinha perdido a blogosfera um elemento excepcional, que curiosamente nunca teve um blog próprio, nem precisava, pois tinha os blogs dos seus muitos amigos – faleceu o nosso Catatau. No Verão passado, também com êxito crescente houve um segundo picnic nas Caldas.

Mas, mais ou menos coincidindo com o final das férias de Verão começou a notar-se na Blogosfera, e não estou a particularizar o meu caso (melhor, os blogs que fui conhecendo) um fecho de vários blogs, uns anunciados, outros “abandonados”, sem postagens há meses e outros que desapareceram mesmo, sem se saber nada deles: ao mesmo tempo, muitos dos que continuam activos diminuiram radicalmente a sua frequência de postagens, outros vão dizendo qualquer coisa, mas não comentam nada de ninguém, enfim, é a crise da blogosfera!

Há uma razão de peso e que foi o aparecimento das redes sociais, principalmente o Facebook, que “roubou” muita gente à blogosfera; eu também estou no Facebook e acho que é uma rede importante de contactos e de divulgação de assuntos (o Twitter não tanto), mas, e isto é uma opinião pessoal, não substitui um blog. Onde estão os magníficos textos de alguns blogs que ainda existem , mas que se limitam a “assinar o ponto” ? Em pequenos apontamentos no Facebook? Não, de forma alguma!!!!

Claro que vão aparecendo novos blogs, há sempre uma renovação em tudo, e principalmente de gente mais nova, alguns deles com ideias novas, bastante abertos e inovadores; mas faltam os “clássicos”…

E apareceu recentemente outro fenómeno, que são os blogs de “partidarização” política, quase sempre de múltiplos autores, que têm evidente interesse, mas que entraram naquela “panelinha” de se espicaçarem uns aos outros com citações uns dos outros: há entradas com 4 ou 5 citações, pelo que os seus autores passam a vida a espiar-se mutuamente.

Enfim, espero que a blogosfera não morra de vez: eu vou continuar por aqui e sempre com o mesmo entusiasmo; e é com esse entusiasmo que desde já avanço a minha disposição de realizar o quarto jantar de bloguistas – já que não aparecem virtualmente, vamos encontrar-nos na realidade, para ao menos matar saudades. Irei falar com o Zé e com o Paulo e daremos notícias.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

"A Cidade"

No domingo passado, não vi apenas a peça de que falei no meu último post. Antes, durante a tarde, fui ver ao S.Luiz a última produção do Teatro da Cornucópia.
E antes de falar sobre a peça, gostaria de mostrar aqui o meu apreço por esta Companhia de Teatro, fundada em 1973 por Jorge Silva Melo, hoje à frente da Companhia “Artistas Unidos” e por Luís Miguel Cintra, ambos vindos do teatro universitário e que reuniram em torno do seu projecto um pequeno grupo de actores profissionais e que até ao 25/4 trabalhou sem sede própria e apenas apoiada esporadicamente pela Gulbenkian. Em 1975 participou nas campanhas de dinamização do M.F.A. e desde então tem vindo a ser subsidiada pelo Estado e conseguiu a sede onde ainda hoje apresenta a quase totalidade dos seus espectáculos, ali perto da Igreja de S.Mamede, entre o Rato e o Príncipe Real. Em 1980, Jorge Silva Melo saíu e entrou para a direcção Cristina Reis, responsável quase sempre dos cenários e do guarda-roupa das peças apresentadas. Embora com um núcleo de actores base, a Cornucópia sempre manteve a presença de convidados quer actores quer outros colaboradores. Seria injusto estar a falar de personalidades que foram marcantes nesta Companhia, ao longo destes 36 anos, pois algum nome poderia ficar injustamente esquecido. Com uma programação extremamente cuidada, a Cornucópia trouxe até nós textos até então nunca representados no nosso país, quer de novos autores como de clássicos, e a dramaturgia portuguesa nunca foi esquecida. Nos últimos anos tem estabelecido co-produções importantes com o Teatro Nacional D.Maria II, o Teatro Nacional S.João, o Teatro Nacional S.Carlos e outros Teatros Municipais (S.Luiz, Rivoli, Almada). A sua figura principal é indiscutivelmente Luís Miguel Cintra, uma personalidade a que o teatro português muito deve e uma das pessoas mais importantes da Cultura portuguesa do final do séc.XX e do séc. XXI.
A peça em causa chama-se “A Cidade” e baseia-se em peças cómicas de Aristófanes, escritas e representadas em Atenas, a cidade berço da democracia, no final do séc.V a.C. De notar que este dramaturgo é o autor de comédias mais antigo da História; são-lhe atribuídas 44 peças mas apenas 11 são conhecidas completamente e que foram traduzidas para a nossa língua pela Professora Maria de Fátima Sousa e Silva, tendo a partir desta tradução, Luís Miguel Cintra feito uma extraordinária colagem de 9 delas, dando assim origem a esta peça.

Peço desculpa do “plágio”, mas a forma mais concisa de falar sobre o conteúdo desta peça é a transcrição do texto da propria tradutora, destinada a este espectáculo:

“É um desafio trazer hoje à cena uma comédia de Aristófanes.Vinte e cinco séculos de distância, a Europa inteira a percorrer, eis o abismo de quem, no séc.V a.C., granjeou fama de génio teatral. O que fez a vitalidade da comédia desse tempo – a atenção ao quotidiano imediato, a reacção frontal, a alusão directa, a intervenção obre o colectivo – viria a ser também o obstáculo à sua pervivência. Como ressuscitar, hoje, esse quadro do passado?

Mas afinal, se vencida a barreira do contexto histórico, dos seus agentes concretos, à procura da essência profunda de cada criação, a descoberta é, para o Homem de hoje, compensadora. A Humanidade continua a ser a mesma, pouco mudou no que são os seus impulsos genéticos; e nem mesmo as alterações são radicais, numa vida colectiva que a chamada ‘cultura ocidental’ importou da velha Atenas democrática. E de repente, Aristófanes revela-se como inesperadamente moderno, compreensível, próximo; sem perder aquele exótico que lhe advém da mesma distância e do estatuto que lhe cabe de ‘clássico’.

É esta a constatação a que A Cidade nos convida. Não se trata do título de uma comédia em exclusivo, mas do que melhor convém à ‘comédia’ de Aristófanes. Ou não foi a sua vida de poeta, por inteiro, dedicada a tomar o pulso a cada experiência, crise, sucesso, de uma cidade, a sua Atenas? E não foi essa Atenas paradigma de todas as vivências que as cidades modernas bem conhecem?

Das onze comédias conservadas, nove estão presentes, de forma mais ou menos extensa, em A Cidade. A selecção de cenas seguiu um objectivo, e comecemos pelo essencial: que do conjunto avultasse o quadro realista de uma sociedade, sondada em cada face do seu quotidiano. Uma verdade suporta a coesão geral do espectáculo, fiel de resto ao processo histórico vivido pela velha Hélade: a de certeza de uma decadência que, sem tréguas, desmoronou a perfeição de um projecto – uma igualdade partilhada por todos os cidadãos.

Ao criar a democracia, a Grécia detectou-lhe de imediato os defeitos, aqueles mesmos que se nos tornam no quotidiano, flagrantes. Que o cidadão justo seja a excepção e não a regra. Que o político ‘ideal’ seja o corrupto, o padrão refinado de todas as pechas da classe. Que a convivência entre homem e mulher em sociedade se não oriente pela cooperação, mas pelo conflito. Que a ruptura de fronteiras estimule não a coesão, mas a xenofobia. Que a educação e a cultura promovam a autonomia, o prestígio social, mas também a ambição e o oportunismo. Que a inovação condicione os valores e incentive os vícios. Que as artes, após um apogeu de excelência, mergulhem no exagero reformista.

Num lapso de tempo vertiginoso, o sonho dava lugar ao desencanto. A fuga da realidade estimulava a imaginação e a utopia. Soluções para a crise – que a cidade real se mostrava incapaz de pôr em prática – eram testadas num mundo virtual, o da ficção cómica. Lá, as mulheres impunham ordem no fracasso masculino, pela greve ao sexo ou pelo transplante, para o colectivo, de conhecidas credenciais domésticas. A felicidade voltava a Atenas, na ressurreição simbólica de uma Paz tão desejada ou no regresso, clarividente e justo, do Dinheiro ao convívio dos cidadãos. Ou mesmo, em última análise, a fantasia abria acesso à fuga, dos males irremediáveis da cidade real para as galáxias ideais, onde o retorno à Idade do Oiro parecia ainda possível.

Esforço baldado. A decadência era um mal sem retrocesso. A mesma Atenas que aplaudia os brados dos poetas, em incansável denúncia, insistia nas debilidades e nos erros. E, atrás dela, os milénios que a perpetuaram. Artes da inevitável imperfeição humana.

Da velha comédia, A Cidade capta também o tom, além da mensagem, a alma do espectáculo. O espaço continua a ser o do colectivo. As figuras, mais do que as comprometidas com o passado histórico, são sobretudo os tipos, humanos e sociais, com tradição perene. O cómico combina o sofisticado com o popular, num equilíbrio de sucesso. Não se hesitou perante as ousadias que enriquecem a cena, o disfarce, o voo, a dança, a música, a materialização do abstracto.

O texto, por seu lado, apostou na actualização coloquial. Seleccionou referências pontuais – para que um certo tom sobrevivesse. Sem abandonar a riqueza das nuances – o obsceno, o retórico, o poético – que o original proporcionava. Depois de desmontada e reconstruída, a Cidade, no espelho cómico que lhe dá vida, sobreviveu fiel à sua própria natureza: ‘política’ por definição, vigorosa, cáustica, realista sob um véu de fantasia. Mas sobretudo talentosa, como se exige de um produto de Arte.”

Resta-me acrescentar que o espectáculo é uma festa para os olhos e para os ouvidos: tão depressa estamos a ver deuses e grandes vultos da cultura grega, como temos a sensação que estamos a assistir a uma revista; nem sequer faltam os finais dos dois actos, como apogeu. A interpretação é notável e está a cargo de Bruno Nogueira, Carolina Villaverde Rosado, Dinarte Branco, Dinis Gomes, Duarte Guimarães, Gonçalo Waddington, José ManuelMendes, Luísa Cruz, Luís Lima Barreto, Luís Miguel Cintra, Márcia Breia, Maria Rueff, Marina Albuquerque, Nuno Lopes*, Ricardo Aibéu, Rita Durão, Rita Loureiro, Sofia Marques e Teresa Madruga. A encenação é, como habitualmente de Luís Miguel Cintra.

*Nuno Lopes actuou com canadianas, mostrando um enorme profissionalismo, pois fracturou um pé, dois dias antes, durante o espectáculo. E é um enorme actor…além de ter um belo corpo que desnuda quase integralmente…

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

"Velocidade Máxima"

Ver teatro é para mim fascinante e só tenho pena de ver tão pouco, e por vezes escapam-me as produções “out-siders” que não são apresentadas nos principais palcos, pelas principais companhias, com actores conhecidos e não suficientemente publicitadas.

Foi uma peça deste tipo, uma produção fracamente comparticipada, com um grupo de actores que afinal se resume a um (Jonh Romão), já que os restantes intérpretes não são actores, mas prostitutos brasileiros que actualmente vivem e trabalham em Lisboa.

A peça chama-se VELOCIDADE MÁXIMA e fui vê-la a um espaço alternativo, chamado NEGÓCIO, que fica na Rua do Século, aqui em Lisboa.

Foi apresentada em Agosto no Festival Citemor (Montemor- o –Velho), teve depois duas apresentações no estrangeiro (Gijon e Bratislava) e depois uma série de espectáculos na Galeria Zé dos Bois (Bairro Alto) terminando hoje, com lotações esgotadas as representações no espaço referido. Ainda vai ser apresentada em Almada e eu gostaria muito de a ver representada em muitos outros sítios, se bem que compreenda que fora deste circuito urbano de Lisboa e de outros grandes centros, não seja uma peça fácil de apresentar…

Reza o programa: "Velocidade Máxima destaca-se pelo seu conteúdo polémico e pela razão da sua existência no palco, cuja raiz se focaliza no Ciclo Poder e Posse do Colectivo 84 (que co-produz a peça). O espectáculo tem como génese a vídeo-instalação “Voracidade Máxima” dos artistas Dias & Riedweg, objecto que coloca em evidência a problemática das identidades íntegras e integradas, o que existe nos hotéis ou nos apartamentos de luxo dos grandes centros urbanos, através do testemunho de prostitutos provenientes da América Latina. Velocidade Máxima pretende abordar, por um lado, as identidades transnacionais, a prostituição masculina e a relação entre sexualidade/economia, e por outro, o papel do artista no mercado da arte. No espectáculo estão em cena um actor encenador (John Romão) e três prostitutos brasileiros residentes em Lisboa. Aquilo que existe em comum entre os quatro intérpretes é o rosto: os “garotos de programa” transportam uma máscara com o modelo da cara do actor/encenador. A máscara ora protege ora permite que todos estejam ao mesmo nível, reforçando a necessidade de se esconder a cara como um instrumento para falar do próprio sentido da Identidade e do Poder.”

Mas o espectáculo é muito mais que isto: começa com um importante monólogo de John Romão (sentido e bem apresentado) de alguma da realidade da apresentação do teatro no nosso país, no que respeita aos subsídios, às diferentes “manhas” necessárias para se ser escolhido por programadores, não dando praticamente qualquer chance a novos empreendimentos e ao aparecimento de novos valores que denunciem a realidade do dia a dia, por vezes com uma mostragem crua e chocante ( bem necessária) das novas realidades da sociedade.

Depois desse intróito revoltado e apelativo, mostra-se duma forma sem concessões, o que se passa com o trabalho (não, não me enganei na palavra) de uma quantidade grande de imigrantes no nosso país ( e não serão só brasileiros) que vêem na prostituição a única forma de se sustentarem. As suas confissões, os seus lamentos, a dificuldade da vida que levam é completamente dissecada nesta peça.

Se o trabalho dos três rapazes brasileiros é muito meritório, o realce vai todo para o John Romão, que dá tudo, nesta peça: uma entrega total à denúncia da hipocrisia, da exploração e da violência exercida sobre esta gente. O acompanhamento musical a cargo da pianista Cláudia Teixeira, é perfeito e a integração de alguns temas musicais são verdadeiramente adequados. Como exemplo destes, deixo aqui um clip do último tema musical apresentado e que de certa forma resume a peça, da autoria do filho de Catano Veloso, Moreno Veloso.