domingo, 31 de agosto de 2008

O primeiro de três


Já escrevi várias vezes sobre a blogosfera, o que motiva este fenómeno e as várias razões que estão subjacentes ao aparecimento de um blog.
Hoje permito-me explicar um pouco mais em detalhe o porquê do meu blog; ele apareceu de uma forma quase natural, embora algo impulsiva, como é característica minha, e é essencialmente muito pessoal, quer no que respeita a mim próprio, quer à forma como vejo o mundo. Isto já foi dito, mas nunca referi o que me levou a adoptar o nome "whynotnow"; sucede que, quando iniciei o blog (6 de Novembro de 2006), se tinha finalmente cimentado um relacionamento que tivera início uns largos meses antes, mas que, na realidade só se efectivou depois de um primeiro encontro, em Belgrado, em Setembro desse ano.
E se este nome do blog, só por si se justificava para o início de um blog, mais isso acontecia se esse mesmo nome era a minha total aceitação desse relacionamento, pondo de lado, sem reservas as dúvidas de um relacionamento difícil, devido às distâncias (problema que se mantém) e devido à diferença de idades (completamente ultrapassado).
Quantas vezes me questionei, mais do que o “porquê”, sobretudo o “agora”…
Mas rendi-me e fiz o que devia, quebrei todas as defesas e fui em frente.
Portanto o nome deste blog deve-se em grande parte ao Déjan, que com tudo o que me foi dando (e continua a dar), me fez ver que precisava, como sempre precisei, de uma janela aberta para dizer das minhas alegrias e tristezas, para comunicar, para encontrar amigos (sem eles, o mundo é uma monotonia) e para ser eu, na realidade.

Este é o primeiro de três posts sobre o meu blog; Why now??? You w’ll see! Faltam dois…

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Passado e presente: 7 - O Lago dos Cisnes

A Dança é uma Arte maior, da qual se pode ser mais ou menos fiel seguidor.
Há inúmeras e variadíssimas formas de se manifestar este conceito que nos proporciona uma simbiose de movimento e melodia, e que se podem apresentar, desde o folclore, alma da música popular das variadas regiões, passando pelas mais normalizadas versões de conhecidos tipos de música (tango, valsa, salsa, rock, etc...), até às mais sofisticadas interpretações do chamado ballet, o qual, só por si, nos oferece variadas concepções, que tanto podem ser clássicas, como modernas.
É neste conceito de ballet clássico, que se inclui o famoso "Lago dos cisnes", coreografando de várias formas a maravilhosa partitura de Tchaikovsky.
Na sua versão mais normalizada, é considerada uma obra que se tem prestado a excelentes interpretações de famosas bailarinas em todo o mundo, de onde ao acaso me recordo por as ter presenciado, as de Margot Fonteyn e da portuguesa Isabel Santa Rosa.
No entanto, o coreógrafo britânico Mathew Bourne, na sua muito pessoal versão de obras famosas, que passa pelo "Quebranozes" e por "Eduardo mãos de tesoura", entre outras, maravilha-nos com uma ousada versão do "Lago dos cisnes", em que as esbeltas aves não são as habituais e graciosas bailarinas a que estamos acostumados, mas sim jovens e bem constituídos homens, com um figurino muito adequado à ave em questão, e que nos maravilham com a sua agilidade misturada com muita arte de bem dançar. Na versão original, da qual existe um filme, com saída já em DVD, o papel principal era magistralmente dançado por Adam Cooper, embora nas actuais digressões da companhia pelas diferentes salas de todo o mundo, o elenco, todo de excelente qualidade é diferente.
É claro que anseio vir a poder ver aqui no nosso país esta companhia, em alguma das suas coreografias (uma das mais recentes é "Mary Poppins" ), mas com a inclusão deste inolvidável clássico do bailado.

Uma das minhas recentes "Opções Culturais" e no que diz respeito à dança foi a versão que Mathew Bourne nos deu do “Lago dos Cisnes”; a propósito disso, repesquei este texto publicado no meu blog em 14 de Novembro de 2006, e como o tempo não pára, posso dizer que a mais recente obra deste coreógrafo é “O Retrato de Dorian Gray”; a inclusão do vídeo também não fazia parte do post de então, apenas documentado com uma pequena foto.


Matthew Bourne - Le Lac Des Cygnes

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Jornalismo????



Com o devido respeito, e depois de ter lido um post no blog do X_bear, resolvi alargar a citação dele, e publicar todo o artigo que um jornal(?) regional e vinculado à Igreja trouxe a público; é simplesmente vergonhoso ; e depois não há-de haver homofobia em Portugal....




O jornal em causa chama-se "O DISTRITO DE PORTALEGRE"


Director: João Pires Coelho Telefone: 245301620 email: jornalodistrito@net.novis.pt




Eis o artigo:

«Chegou a vez dos “larilas”.
Por várias vezes, representantes de diversas Instituições
têm alertado a opinião pública para um facto que consideram muito preocupante,
ou seja, em Portugal cada vez há menos crianças a nascer. Na terça feira, dia 22
de Julho, nas televisões e nas rádios, era divulgado este facto, tendo por base
as estatísticas da Direcção Geral de Saúde, publicadas no seu espaço informativo
na Internet. “Em Portugal manteve-se, em 2007, a tendência decrescente da
taxa de natalidade reflectindo uma redução de cerca de 3 000 nados vivos face
aos valores do ano anterior. Estas taxas são mais baixas nos distritos do
interior, Guarda, Bragança, Portalegre e Vila Real e superiores à média nos
Açores, Algarve e distritos de Lisboa e Setúbal. Quer isto dizer, sem margem
para dúvidas, que há menos bebés a nascer no nosso País. Este problema é sentido
em várias regiões do Interior, inclusivé já têm surgido autarquias a dar vários
incentivos aos jovens casais para terem mais filhos, uma forma de ajudar a
combater a desertificação. Até que surgiu a ideia luminosa do Governo, acabar
com algumas maternidades e mandar as Portuguesas terem os filhos em Badajoz,
olé! E, se recuarmos alguns anos, dá para saber que em 2001, nasceram em
Portugal 112.825 crianças, menos 7.246 que em 2000. Perante estes dados e sem
ser necessário dar mais pormenores, qualquer pessoa de bom senso e sentido das
responsabilidades estará preocupada com a falta de nascimentos de bebés no nosso
País. Mas, como em tudo na vida, não há regra sem excepção. Como se fosse mais
um milagre das rosas, surgiu uma luz no horizonte, não no sentido dos casais
terem mais filhos, mas sim uma nova “bandeira” da Juventude Socialista o
“casamento dos homossexuais!...” A propósito e para que não fique qualquer
dúvida transcreve-se parte das declarações do novo líder da Juventude
Socialista, Duarte Cordeiro, no Congresso do Porto, dadas a conhecer na TSF,
16h51, Domingo, dia 20 de Julho, e cita-se: O novo líder da Juventude
Socialista (JS), Duarte Cordeiro, afirmou este domingo que o casamento
homossexual «é uma imposição do princípio de igualdade», acreditando que o PS se
empenhará na defesa desta causa. «Deparamos com uma das poucas desigualdades
existentes na lei, impondo-se a alteração a vários níveis», disse Duarte
Cordeiro, acrescentando que «trata-se da felicidade de milhares». Duarte
Cordeiro, que foi este fim-de-semana eleito secretário-geral da JS, no Congresso
Nacional dos ‘jotas’ que decorreu no Porto, reafirmou que os jovens socialistas
estão empenhados «nesta batalha pelos direitos fundamentais dos cidadãos e
cidadãs homossexuais, mas estão cientes de que a alteração da lei se fará
através da força reformista do PS e do seu empenho na defesa das liberdades em
democracia». Ora aí estão as preocupações do Líder da JS! Sobre as liberdades em
democracia, este slogan foi defendido há décadas por socialistas convictos que
lutaram contra o antigo regime de Oliveira Salazar, estiveram presos nas
masmorras da PIDE, foram deportados, perderam a vida numa luta por uma causa que
abraçaram e que veio a culminar no 25 de Abril de 1974. Se nessa altura
soubessem que em pleno Século XXI os ideais da JS é conseguirem o casamento
entre dois homens ou entre duas mulheres, na linguagem do povo “larilas” e não
só, eram capazes de morrer de vergonha. Aliás dentro do Partido Socialista
felizmente há quem repudie esta forma de actuação, caso da Deputada Maria do
Rosário Carneiro. Tudo isto se torna mais grave por surgir de jovens que
deveriam lutar por outras causas. Exemplos: a falta de emprego, “jovens
licenciados sem trabalho já são 65 mil”. Depois há milhares de raparigas à
espera de encontrar um namorado e com os casamentos dos homossexuais bem podem
ir encomendando uma touca e ficarem para tias. Outro facto que fica como
interrogação para as próximas Eleições de 2009 e que são três: Será que a JS vai
organizar manifestações e comícios para os homossexuais? Ou vamos ter as marchas
GAY? Infelizmente não há uma oposição firme a muitos desvarios que vão
acontecendo neste País cada vez mais decadente, desacreditado e endividado, onde
alguns tentam enterrar os valores morais e da família. Se houvesse oposição,
quando o Primeiro Ministro José Sócrates respondeu a Manuela Ferreira Leite que
o PS era um Partido de liberdades e não era conservador, (presumível alusão aos
casamentos de homossexuais) tinham partido a louça toda... O que se viu? Com
medo de perderem os votos dos GAY no PSD e no CDS/PP, ou falaram a medo, ou
encolheram-se!...Ora bolas!…»
opinião João Trindade 24/07/2008 11:09 4556 Caracteres

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Opções culturais


Já há muito tempo não era desafiado para uma destas correntes bloguistas que de quando em vez aparecem. Desta vez, foi a Blueminerva a desafiadora e o que há a fazer é indicar quais os eventos culturais a que pudesse assistir ou ler, durante 24 horas de um período de férias, e se possível ordená-los cronologicamente: exposição, cinema, bailado, teatro, livro, música. Claro que está implícito o ver pela primeira vez ou rever…
Eu não indico os acontecimentos cronologicamente, até porque alguns podem ser simultâneos, caso da música e da leitura e também apenas escolhi coisas já vistas e que me deram um imenso prazer; sendo assim passo às minhas opções:
- Exposição - não será propriamente uma exposição, mas sim um objecto exposto, e
que seria o “David” de Miguel Ângelo, na Galeria da Academia, em
Florença, talvez a mais bela obra esculpida desde sempre, perfeita!
- Filme – não um, mas dois: “Brokeback Mountain”, pela história, pela fotografia, pela
música, mas principalmente por duas cenas que jamais me sairão da memória
(a cena do primeiro reencontro e a cena final); e “Far from the Heaven”, pela
recreação perfeita dos anos 50, pela história e sobretudo por uma admirável
Julianne Moore.
- Teatro – “O caminho para Meca” que vi há anos na Casa de Garrett, com uma Eunice
Munoz fabulosa e com uma esplêndida encenação de João Lourenço.
- Ópera – “Aida”, pela música, pela grandiosidade, por ser de Verdi, claro.
- Bailado – também duas opções: a versão gay do “Lago dos Cisnes” de Mathew
Bourne (das coisas mais belas que já vi); e “Romeu e Julieta” de Maurice
Béjart, que conseguiu “revolucionar” uma das maiores histórias de amor de
sempre.
- Música – fado, com Amália, incluindo “Lágrima”, “You raise me up”, porque “ele”
está sempre no meu coração, o “Piano concerto nº.21” de Mozart e o
“Inverno” de Vivaldi.
- Livro – e agora para variar, uma trilogia: “O Principezinho” de Antoine de Saint-
Exupery, “Memórias de Adriano” de Margaret Yourcenar e “As canções” de
António Botto.

Como é da praxe, aqui vão os desafiados, todos eles capazes de óptimas escolhas, estou certo: “Felizes juntos”, “Castelo d’areia”, "Gritosmudos”, "Psimentos" e "How the enGine throb"

sábado, 23 de agosto de 2008

Ouro gay em Beijing




O jovem australiano, Mathew Mitcham, de 20 anos de idade, acaba de conquistar a medalha de ouro na categoria de saltos para a água, graças a um sexto e último salto extraordinário.
Nada de grande realce, no meio de tantas medalhas de ouro, com o natural relevo para a do nosso Nélson Évora, se não fosse o facto de Mitcham, ser o único atleta masculino presente em Beijing, assumidamente homossexual (houve outras três atletas femininas que se assumiram).
Assim, Mathew Mitchum é o primeiro atleta gay a conquistar uma medadlha de ouro olimpíca.
Recordo que Gregg Louganis, o conhecido saltador americano, que conquistou várias medalhas entre as quais uma de ouro, só assumiu a sua homossexualidade mais tarde, ao anunciar que era portador do vírus da SIDA

Faltava esta foto, com o Mathew a festejar com o seu namorado.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Tale of Tales



Este filme realizado pelo russo Yuri Norstein em 1979, está considerado como um dos melhores filmes de animação de todos os tempos. Este vídeo mostra apenas a primeira de três partes, devido ao filme ser uma média metragem; no "You Tube" podem encontrar-se facilmente as duas partes restantes.

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Desejo-te tempo



Não te desejo um presente qualquer.
Desejo-te somente aquilo que a maioria não tem.
Tempo, para te divertires e para sorrir;
Tempo para que os obstáculos sejam sempre superados
E muitos sucessos comemorados.
Desejo-te tempo, para planear e realizar,
Não só para ti mesmo, mas também para doá-lo aos outros.
Desejo-te tempo, não para ter pressa e correr,
Mas tempo para encontrares a ti mesmo,
Desejo-te tempo, não só para passar ou para vê-lo no relógio,
Desejo-te tempo, para que fiques;
Tempo para te encantares e tempo para confiar em alguém.
Desejo-te tempo para tocar as estrelas,
E tempo para crescer, para amadurecer.
Desejo-te tempo para aprender e acertar,
Tempo para recomeçar, se fracassar.
Desejo-te tempo também para poder voltar atrás e perdoar.
Para ter novas esperanças e para amar.
Não faz mais sentido protelar.
Desejo-te tempo para ser feliz.
Para viver cada dia, cada hora como um presente.
Desejo-te tempo, tempo para a vida.
Desejo-te tempo.
Tempo.
Muito tempo!


(Autor: Giuseppe Tropi Somma)

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

"Latter Days"



Aaron e Christian são talvez duas das pessoas mais antagónicas deste mundo. Aaron é um jovem Elder (missionário mórmon) que deseja ser o orgulho da sua família e que vive intensamente a sua missão; Christian é um jovem homossexual, empregado de restaurante e que sexualmente é um “predador”(um encontro sexual todas as noites fá-lo feliz).
Quando Aaron e mais três jovens missionários chegados a Los Angeles, se instalam num apartamento vizinho do de Christian, os amigos deste fazem com ele uma aposta não acreditando que ele consiga seduzir um dos missionários; quase instintivamente, Christian elege Aaron como o seu alvo. Mas daí advêm dois problemas: Christian descobre que Aaron é um homossexual reprimido e depressa se apaixonam; mas por outro lado, para os Mormons, a homossexualidade é algo completamente inaceitável.
Quando o seu romance é descoberto, ambos terão que vencer imensas vicissitudes para manter o que afinal mais desejam: o amor entre ambos.
Dirigido por C. Jay Cox, em 2003, este belíssimo filme, tem como principais intérpretes Steve Sandvos (admirável como Aaron, e Wes Ramsey, como Christian. É um filme que ultrapassa e muito o vulgar romance gay, para pôr a nu o confronto entre a religião e a homossexualidade e os problemas que um jovem tem ao enfrentar uma feroz homofobia familiar; mas a capacidade do amor entre estes jovens tudo supera. Um filme a ver ou a rever.
No “You Tube”, podemos encontrar todo o filme, legendado em castelhano, dividido por vários vídeos; é de não perder!

Dedico com todo o prazer esta postagem ao amigo Engine.

sábado, 16 de agosto de 2008

A guerra do Cáucaso


Depois da queda do comunismo e da extinção da URSS, tem sido uma vertiginosa descida aos infernos o que se tem passado na nova Rússia; até que surgiu um senhor formado na KGB, mas com uma política híbrida de charme e de repressão, que fez voltar às gentes russas o orgulho pátrio: Putin!
Sorriso aqui, abraço ali, tornou-se um amigo do ocidente, mas sempre de pé atrás...
Quando o expansionismo americano, via UE, começou a "dinamitar" as fronteiras do seu território, "a mula deu um coice" e Putin, agora a jogar na sombra, mas sempre a comandar, achou que esta "sealy season", mascarada de jogos olímpicos, seria a altura ideal, para dizer "basta",
E agora, que chatisse, vamos lá a interromper as férias, ainda bem que a presidência europeia está em mãos francesas, pois Sarcozy tem vocação "pessoal" para Nobel da Paz, e o Bush lá manda a "Condolência" e manda mais umas asneiradas, e pronto, a poeira assenta...
Será que assenta? Esta "Guerra do Cáucaso" quer dizer muito mais do que parece e intimida muito boa gente; a Rússia, pela primeira vez desde a "venda" da R.D.A. efectuada por Gorbatchev a Kholl, rugiu e disse a uma América, perigosamente a liderar o mundo, nas mãos de um cretino, à politicamente imatura U.E. e a
uma China emergente e vizinha, que também tem, ou quer ter voz activa.
Vamos ver em que é que isto tudo dá, uma coisa é certa: essa Guerra Fria que durou nas décadas finais (50 a 80) do século passado, parece ter estado só em hibernação; mas o tabuleiro político dessa guerra também foi imensamente alterado...

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Dois lutadores foram ao tapete




Dois jovens lutadores da Universidade do Nebraska, Paul Donahoe e Kenny Jordan, foram excluídos da sua equipa depois de terem aparecido nus num "site" pornográfico gay. A razão oficial do seu afastamento, é baseada no facto de, como atletas da NCCA(National Collegiate Athletic Assossiation), eles não terem o direito de deixar as suas fotos serem utilizadas para fins comerciais( o "site" não é gratuito), nem de usufruir qualquer compensação com essas fotos.

Aqui ficam as fotos devidamente "axadrezadas" de cada um dos lutadores.


Para quem estiver interessado noutras fotos "sem pedras de xadrês" dos mesmos atletas poderá encontrá-las no "Código Secreto" - depois não digam que foram lá, inadvertidamente, ok?

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

La Mamma Morta



Esta é para mim, uma das cenas mais marcantes do filme "Filadélfia", pois junta dois talentos excepcionais, em diferentes áreas artísicas, é claro, mas ambos fabulosos: de Maria Callas já tudo se disse, mas nunca é demais ouvi-la, e nesta ária de "André Chennier" ela sobe a um nível quase inultrapassável. Tom Hanks, que neste filme tem, de longe, a sua melhor interpretação de sempre, consegue nesta cena, transmitir-nos toda a intensidade do seu drama pessooal, ao som de "La Mamma morta", e ao mesmo tempo, associa esse drama ao "libretto" da própria ópera. A estupefacção (admiração) de Denzel Washington só é comparável à nossa.
Admirável!!!

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Quando o telefone toca


"Um Homem liga para casa, numa tarde para saber o que a sua esposa ia fazer para o jantar.

- Estou?

Responde uma voz de criança.- Olá, querida, é o Papá. A Mamã está perto do telefone?

- Não, Papá. A mamã está lá em cima no quarto com o tio João.

Após alguns segundos, o homem diz:

- Mas querida, tu não tens nenhum tio chamado João!!

- Tenho sim, e ele está lá em cima no quarto com a mamã.

- Ok, então, quero que faças o seguinte:- Sobes as escadas a correr, bates na porta do quarto e gritas que o carro do Papá acabou de parar na frente da casa.....

- Está bem Papá, eu volto já. Alguns minutos depois, a criança volta:- Estou, Papá, já gritei à porta do quarto da mamã.

- E o que é que aconteceu?

- Bem, a mamã saltou da cama nua, começou a correr e a gritar pelo quarto, tropeçou no tapete e caiu pelas escadas e agora ela está morta...

- Oh, meu Deus e o Tio João ?

- Ele também saltou da cama todo nu, e muito assustado, saltou pela janela do fundo para dentro da piscina, mas esqueceu-se que tu tinhas esvaziado a piscina na semana passada para limpar, então, ele bateu com a cabeça no fundo da piscina, e agora também está morto....

Após alguns segundos de pausa o homem diz:- Piscina ? ? ?- Por acaso o Nº. para onde estou a ligar é o 082 70 00 24?

- Não.

- Então não é a Joana que está a falar ?

- Não.

-Peço imensa desculpa, mas foi engano..."
(Roubado descaradamente do blog do Sergio "A teoria do Kaos")

domingo, 10 de agosto de 2008

Passado e presente: 6 - Belgrado, uma cidade, um país, um povo



Fui recentemente, pela segunda vez na minha vida a Belgrado, curiosamente uma cidade capital de dois diferentes países, nessas visitas. Há anos, capital da ex-Jugoslávia, no seu imediato pós-Tito, e agora da Sérvia. Foi uma visita atribulada, essa primeira vez, pois tinha sido infantilmente roubado, durante a noite, na travessia ferroviária desde Atenas, ficando privado de qualquer documentação, do bilhete e de dinheiro, como é óbvio. Assim sendo, foi quase só o tempo ocupado com a ida à embaixada portuguesa, para resolver o problema, e pouco tempo restou para ver a cidade, da qual relembro essencialmente um bonito parque, com uma óptima panorâmica da confluência do rio Sava, que atravessa a cidade, com o Danúbio, que também banha as suas margens. Recordo, nesses tempos já longínquos, que era a primeira vez que visitava um país da área comunista, pese embora um comunismo pouco ortodoxo e algo terceiro-mundista, à imagem do seu líder até então, 0 Marechal Tito. Não foi fácil a comunicação com as pessoas, pois não encontrei muita gente a falar inglês, o francês era praticamente desconhecido e eu, de alemão e russo era e sou completamente ignorante. Ainda por cima, existia um segundo alfabeto, o cirílico, o qual para mim era igual a hieróglifos...Mas, lá me fui "desenrascando", e pude ficar com uma ideia de um país de contrastes, se é que se pode ter a imagem de um país apenas com uma fugaz visita a uma cidade, mesmo que seja a sua capital. Um povo afável, mas algo fechado e é curioso que fiquei com uma impressão, talvez pouco definida, mas que o tempo, infelizmente se encarregou de me explicar, de que era um povo com alguns problemas...Voltei a Belgrado em Setembro último, e desta vez aí permaneci quase duas semanas, o que foi suficiente para ficar com uma ampla visão da mesma, visitando os locais mais turísticos, mas também alguns outros menos conhecidos, devido à companhia sempre agradável e conhecedora de alguém que nela habita há vários anos. É uma cidade de contrastes, confirmei. Alguns prédios degradados convivem, nas principais avenidas, com belíssimos exemplos de uma arquitectura rica e muito bem conservada. Vasta, na sua área, bastante populosa (perto de dois milhões de habitantes), visitei pela primeira vez, na margem esquerda do Sava, a "nova Belgrado", com as suas amplas avenidas, modernos prédios de habitação, hotéis e zonas comerciais. Passeei-me pela extensa e sempre muito concorrida, dia e noite, zona pedonal, com uma quantidade e diversidade enorme de cafés, restaurantes e esplanadas aprazíveis. Recordei locais da minha anterior visita, como a já "gasta" estação ferroviária central, e o alindado parque da cidade, junto aos rios, que continua a ser o local de passeio e visita mais popular. Fui conhecer o majestoso e previamente auto laneado mausoléu de Tito...Vi a enorme catedral de S.Sava, a maior igreja ortodoxa que existe, e que apenas recentemente, teve a sua atribulada construção, finalizada. Mas preferi a simplicidade da igreja de S.Marcos, onde me foi dado observar pela 1ª vez,com alguma minúcia uma religião afinal tão próxima do catolicismo, que por aqui se pratica. Vivi a cidade, no seu dia a dia e habitei uma das suas principais avenidas, aquela que "ostenta" ainda hoje os sinais de uma acção punitiva, que visou não só Belgrado, mas vastas áreas da Sérvia, essencialmente pontes e importantes unidades económicas do país.


Estes bombardeamentos cirúrgicos foram efectuados pela NATO, com o objectivo, atingido, de certa forma, de forçar, em 1999 o então presidente Milosevic a aceitar a permanência das Nações Unidas no Kosovo, situação que ainda hoje se mantém num impasse difícil de resolver(*).Mas a contestação interna a Milosevic foi também enorme, e forçou mesmo a sua demissão, após as esmagadoras manifestações populares, que terminaram com o seu abandono do poder em Outubro de 2000. É lamentável, ver, ainda hoje, numa mesma avenida, prédios esventrados pelos "rockets" americanos, lado a lado com magníficos edifícios governamentais; sinais de uma violência que tanto marcou a Sérvia no final do século passado, consequências de uma guerra fratricida, que a ninguém beneficiou e a todos penalizou. Emergiram nos Balcãs novos países, alguns de fracas capacidades económicas, outros ajudados pela conivência de grandes potências europeias, com a Alemanha à cabeça, que sempre se opôs à formação de uma "grande Sérvia", e assim nasceu um novo mapa europeu, a juntar ao desmembramento da antiga URSS, no final da década de 90. O povo, esse, foi quem mais sofreu, como sempre sucede. Mas já tanto tinha sofrido nessa cruel e mortífera guerra, que teve, a meu ver, como primeiro e máximo culpado, mesmo após ter desaparecido, o Marechal Tito, o qual para seu poder pessoal, formou e manteve uma fictícia união de etnias, religiões e viveres, que se chamou um dia Jugoslávia. Dessa guerra, desses acontecimentos, espero vir a escrever algo, um dia destes...


Adenda: estes posts foram escritos em 11 e 16 de Novembro de 2006; após estas visitas já voltei a Belgrado, visita essa que documentei aqui no blog em 13 e 18 de Janeiro do corrente ano; e claro, desde Novembro de 2006 até hoje muito aprendi sobre este povo e este país…


(*) - Infelizmente já teve alguma resolução: a independência unilateral de um "país", chamado Kosovo...

sábado, 9 de agosto de 2008

O blog de um amigo

Conheço o André desde os seus 4/5 anos, era um puto porreiro que se entretinha quando criança com actividades bastante curiosas: gostava de fazer “coisas”…e coisas diferentes; era um miúdo calado, mas com opiniões e aprendi desde cedo a gostar muito dele.
O André cresceu e hoje é um jovem de 27 anos; quis a vida que os nossos contactos sejam mais raros, mas nunca deixou de ser o “puto” André, e quando há cerca de 4 anos ganhou um importante prémio internacional, e chegou a ser entrevistado na CNN, nunca o André perdeu aquele ar tímido que o caracteriza; esse prémio foi o corolário de inúmeros projectos que ia desenvolvendo na sua área preferida, o design, de preferência sobre automóveis e aviões.
Agora o André criou um blog, um bocadinho “empurrado” por mim – é o “Work in progress” e nele vai incorporar a vertente do design, mas também outras coisas da Vida e da sua vida; porque o conheço, sei que será um bom blog. Deixo aqui as referências ao troféu conquistado, sendo a foto a do prototipo vencedor “O português André C. foi o grande vencedor do 3º Concurso mundial de Design Peugeot, com o original projecto Moovie. Um feito assinalável, não só por ter sido alcançado por um jovem designer amador, de apenas 23 anos, como por demonstrar que em Portugal existe inspiração para criar projectos ousados e inovadores na área do design automóvel, que tão pouca expressão tem no mercado português.. Respondendo ao desafio "Desenhe o Peugeot com que sonha para o futuro próximo", André C. conseguiu destacar-se entre os 3800 projectos a concurso e terá agora como principal prémio a concepção de um protótipo à escala 1/1 do Moovie, o qual será apresentado no Salão Automóvel de Frankfurt, em Setembro próximo. Um cheque no valor de 6000 euros e a criação de uma miniatura do seu projecto à escala de 1/43 pela Norev são outras das recompensas que esperam este estudante de Design de Equipamento da Faculdade de Belas-Artes de Lisboa (FBAUL).
O Moovie é uma pequena viatura de apenas dois lugares, que deve muito do seu design às inovadoras rodas de grandes dimensões, as quais, pela sua concepção oca, recebem também as próprias portas da viatura. Estas últimas abrem num movimento circular, deslocando-se para a frente. As rodas, aliadas a duas esferas orientáveis, são capazes de rodar em ângulos próximos dos 360º, o que, conjugado com a ampla superfície vidrada, facilita as manobras a bordo do Moovie em ambientes urbanos.
O projecto idealizado por André C. aponta para um veículo amigo do ambiente, utilizando energia eléctrica, mas a própria Peugeot admite que a adopção de um sistema de células de combustível miniaturizado também poderia ser uma opção para animar esta interessante proposta. Mas, mais do que a mecânica, foi a estética que permitiu ao Moovie arrebatar o galardão. Os responsáveis da marca francesa reconheceram que o projecto português foi o que suscitou mais entusiasmo no seu centro de design, destacando a qualidade do tratamento da superfície, a simplicidade e suavidade das formas e o design emotivo, que transmite a sensação de um habitáculo acolhedor e confortável. Importa ainda referir que o Moovie não foi o único projecto distinguido pela Peugeot, pois, pela primeira vez na história deste concurso, foi instituído um pódio. O segundo prémio foi atribuído ao projecto 607 Arabesque, criado por um designer industrial inglês de 37 anos, o qual assume as formas de um coupé de altas prestações. O terceiro classificado foi um jovem chinês de 21 anos, Zhonghuayi, que concebeu um veículo futurista animado por células de combustível, que se poderá classificar como uma pick- -up para o futuro.”

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Claro ou escuro




“Para mim, não tenho qualquer dúvida: os heterossexuais aceitam a homossexualidade teórica, a «causa humanitária» dos gays, mas, se não forem gays, tanto melhor…
E se o forem apenas a «tempo parcial», porque não deixar a «parte obscura» escondida?
Aberto à sociedade apenas deve ser o «normal» e o maioritário, o dominante, aquilo que se pode expor sem medo; para o resto, é melhor o silêncio.”

Esta é uma citação de Vicente Molina Foix, conhecido escritor catalão, actor e realizador de um interessante filme - “Sagitário”, assumidamente homossexual e está inserido num excelente texto publicado na Zero, acerca do “Outing”, que difere da saída do armário, por ser feita por terceiros, normalmente acerca de pessoas conhecidas…
Se esta é a opinião de uma pessoa bem conhecedora da sociedade actual, e neste caso da sociedade espanhola, muito mais avançada que a nossa, questiono-me o que pensará a sociedade portuguesa, tão homofóbica como continua a ser, pese embora os pequenos passos que têm sido dados…
(foto de Paulo César)
Uma adenda par enviar um beijo e um imenso ao Déjan, que hoje festeja o seu 31º. aniversário.

sábado, 2 de agosto de 2008

For you, my love


The first time, ever I saw your face
I thought the sun rose in your eyes
And the moon and the stars
Were the gifts you gave
To the dark, and the endless skies
My Love.
And the first time, ever I kissed your mouth
I felt the earth move in my hands
Like the trembling heart
Of a captive bird
That was there, at my command
My Love.
And the first time, ever I lay with you
I felt your heart so close to mine
And I knew our joy
Would fill the earth
And last, til the end of time
My Love.
The first time, ever I saw
Your face


Every time I listen to this song, I remember one September morning when I arrived to Beograd airport and I see you for the firs time; it was an impossible description sensation and during a lot of time no words from our mouths, only a wonderful double smile and a real strong hug .
I have seen this “movie” so many times, my love and I become always touched when I remember it.
This song is for you and you can be sure that I keep having the same emotion, every time I see you again.
Next time it will be at Malpensa airport, in Milan, next 19 October, but it happens all days in my mind, and for ever.
Volim te, chako pako moe!!!