sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Blogosfera - textos e comentários


A pretexto do último post do “Felizes juntos”, o qual compreendo e sobre o qual já falei o suficiente com o Paulo, venho hoje referir , de uma forma genérica, o mundo da blogosfera, na minha perspectiva, como é óbvio.
Um blog é sempre um projecto pessoal (ou colectivo), onde se pretende, por razões várias, expressar ideias, sentimentos, iniciativas ou quaisquer outros factos que o(s) seu(s) autor(es) queiram tornar públicos. É lógico que a orientação de cada blog é unicamente vinculada pela mente do seu autor e ninguém terá que a questionar; ou gosta e lê, ou não gosta e abstém-se da sua leitura. Tenho na minha já vasta lista de blogs que frequento, as mais variadas orientações, e se lá estão, é porque me agradam, na sua diversidade.
O meu blog nasceu mais por curiosidade que por necessidade, mas, ao ir conhecendo a blogosfera, evoluiu, e hoje é mesmo uma necessidade para mim, pois é nele que expresso ansiedades, alegrias e tristezas, ideias, recordações e curiosidades; nele me encontro com autores doutros blogs com o mesmo tipo de viveres, e não só, alguns dos quais já “pularam” além da blogosfera e outros estarão a caminho; não tenho um blog vocacionado para nenhum tema especializado, alterno o pessoal com a realidade quotidiana, o passado com o presente, o sério com o brejeiro e a música, bem como as curiosidades da vida, têm nele parte importante. Habituei-me, no entanto a estabelecer, sem a preocupação de o fazer calculadamente, uma clara distinção nos assuntos que foco, entre aqueles que trato com uma seriedade e sensibilidade que penso serem inerentes a mim próprio, e aqueles outros que procuram dar alguma “cor” ao blog; os assuntos sérios, gosto de os dissecar, e por vezes sinto que não o faço suficientemente, pelo que a ajuda de alguns comentários, faz-me, nas respostas que retribuo, suprir algumas lacunas eventuais do texto.
E chegamos assim à questão dos comentários; ninguém diga que lhe é totalmente indiferente ter ou não ter comentários, pois embora um blog seja escrito essencialmente para comunicarmos as nossas ideias e gostos, se as sabemos compartilhadas, faz-nos bem ao ego; se não me ralo absolutamente nada em não ter comentários nos chamados posts “ligeiros”, ou tê-los “ligeiros” também, o mesmo não sucede com os textos mais preparados e sérios, pois como já referi, com eles, complemento ideias, completo o texto; habituei-me a comentar todos os comentários, até para mostrar a quem o escreveu, que prestei a devida atenção ao que foi escrito, embora compreenda que a maioria das pessoas o não faça.
Os amigos que atrás referi, que vou encontrando por aqui, só se conquistam mesmo através da troca de comentários, pois não são os textos que estabelecem as amizades, mas sim o conhecimento mútuo, que dos comentários advém, essa importante partilha.
Pela experiência, tenho visto blogs que acabam, ou porque chegaram mesmo ao fim, se esgotaram por si mesmos; ou porque num dado momento, as pessoas se cansam desta rotina; compreendo-os e aceito tais situações, embora nalguns casos, me seja difícil admiti-lo…
Para não cair nesse cansaço, e embora esteja consciente que tenho mais tempo disponível do que a grande maioria dos amigos que vou lendo, ponho um post, mais ou menos de dois em dois dias, para ir tendo tempo para visitar e comentar os outros e dar tempo aos outros de me visitarem a mim.
Espero que estas considerações não tenham sido senão o “chover no molhado”, mas senti necessidade de as explanar aqui e de as dedicar especialmente ao meu amigo Paulo, pois sei o quanto está “saturado” de tanta coisa e tem razões de sobra para isso, e o seu blog (e do Zé, claro), é que paga…
Mas nós não deixamos, podes ter a certeza, rapaz…

32 comentários:

  1. Gostei deste post e concordo plenamente com ele. Eu mesmo me saturo por vezes e ausento-me. Aliás meu regresso foi à menos de uma semana. Mas isto é como um ritual e confesso, adoro comentários. Sem eles um blog não é nada e esgota-se.
    Ps. tenho 27 anos
    Abração grande
    Miguel

    ResponderEliminar
  2. Faz sentido a tua análise da comunidade blogueira. Já cá ando há tempo suficiente para perceber de que são feitos os blogs. Acima de tudo são uma intenção aberta a um outro que é plural. E como de pluralidade se trata, é natural que se formem "públicos", que se estabeleçam afinidades, cumplicidades e (lá vou eu escrever uma palavra que cada vez gosto menos de usar pela desbragada parolice com que a usam) afectos.
    Assim, para todos os que navegam, há os imprescindíveis, os imperdíveis, os habituais, os de corpo presente, os que despertam curiosidade, os pet hate (para masoquistas), enfim, dependendo do tempo e da paciência, há-os para todas as ocasiões, gostos, áreas, pró menino, prá menina e para tod@s.
    Mas sabes o que sempre me seduziu na blogosfera? Imaginar uma pessoa do lado de lá que quer partilhar com quem desconhece um mundo real ou fictício. Saber que através dos comentários ela tem feed-back. Ela dá-me (o que quer que seja), mas eu também lhe dou (o que me vier aos dedos). Os dois desobrigados, num laço virtual que pode evoluir ou não. Que pode quebrar, fossilizar, seduzir ou tornar-se parte integrante do quotidiano dos dois. Um laço familiar, portanto.

    Bom fim-de-semana, rapaz. :)

    ResponderEliminar
  3. uma necessidade para mim, pois é nele que expresso ansiedades, alegrias e tristezas, ideias, recordações

    concordo com a tua apreciação. O blog não deixa de ser uma especie de catarse e por outro lado permite-nos aproximar de algumas pessoas que vale a pena conhecer.

    este blog, como sabes, é minha visita obrigatória.

    ResponderEliminar
  4. Amigo Miguel
    já tinha reparado que houve um tempo em que estiveste "ausente", mas ainda bem que regressaste, seja pelo ritual ou não.
    Abraço grande também e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  5. João Manuel
    tu é dos tais que habituas mal os teus "clientes"; não passo sem a tua apreciação que já te referi como extremamente certeira, bem escrita e quase sempre com alguma saudável brincadeira à mistura. Só é mesmo pena que não te queiras pôr a escrever um daqueles blogs que seriam imprescindíveis para qualquer bloguista que se preze, mas enfim, não há bela sem senão...
    Abração.

    ResponderEliminar
  6. É isso mesmo, Luís.
    Simplesmente falta-me a facilidade de comunicação que tu possues para dar ênfase às pequenas e grandes coisas do quotidiano; o teu blog é dos mais bem construídos da blogosfera; obrigado.
    Abraço e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  7. Pinguim, isto é uma espécie de arte poética misturada com panegírico.
    E novamente dou a mão à palmatória: serás dos poucos que comentarei, até porque falei contigo, embora não fosse necessário tê-lo feito.
    Pessoalmente, acho mesmo que é a marca pessoal de cada blogue que me faz continuar a gostar disto. Provavelmente, não vai ser o momento que atravesso que matará o vício criado por este universo (8 meses depois de ter começado). Também nós criámos o FJ mais por hobby do que por necessidade. Talvez tenha havido uma grande necessidade de comunicar, de fazer catarse, de partilha.
    Gosto da tua lucidez de auto-análise quer no que respeita às temáticas, quer sobre os comentários. Se não fossem eles, nós até nem teríamos a oportunidade de conhecer gente tão interessante. Por isso, aquela espécie de grito que eu deixei não quer dizer que tenha desistido de querer continuar a partilha nos comentários. Fico desiludido por não conseguir responder a todos, o que pode dar a sensação de que não lhes damos a atenção devida. Enfim, os dias não esticam, ou a motivação, ou a força... sei lá. Pode ser que aproveite para responder aos que ainda não respondi. Não sei que rumo tomarei, mas seja ele qual for não é o fim do mundo: há gente muito boa a escrever por esses blogues fora, certo?!
    Não sei se percebi que querias que as tuas considerações só fossem "chover no molhado"... não deve ser isso que queres dizer. Em todo o caso, acho que percebi a deixa. Obrigado, Pinguim, muito obrigado.

    P.S.: como dá para perceber e tu sabes, não foi a rotina que me cansou!

    ResponderEliminar
  8. A blogosfera que para mim começou como meio de protesto cedo se transformou numa maneira de partilhar as coisas que me tocam. Quando comecei no blog-city o que mais me desgostava era precisamente ter poucos comentários. Foi só quando me mudei para o blogger que o número de visitas e de comentários subiu. Durante todo este caminho já tive os meus momentos maus em que quis desistir mas o vício falou mais alto. Compreendo bem os motivos do Paulo mas ficaria muito triste se decidissem encerrar o "Felizes".
    Quanto ao teu também já faz parte dos meus imprescindíveis.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  9. Olá amigo. Muito interessante esta tua visão da blogosfera. Admiro imenso a capacidade que muitas pessoas têm de publicar qualquer coisa diariamente ou mesmo a tua publicação de 2 em 2 dias. Sou completamente incapaz de ter uma produção dessas. Normalmente publico duas vezes por mês e é porque os visitantes me começam a "picar" :)) Nesta altura sou capaz de publicar com mais frequência porque é o período em que se faz muita coisa na terra e gostaria de falar sobre essas tarefas. Mas assim que passar o mês de Março já não há esta corrida contra o tempo. Também tenho necessidade de me "ausentar" do blog de quando em quando.. mas depois volto.. volto sempre :))
    Beijinho e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  10. Li com atenção e muito interesse o teu comentário, querido Paulinho, e não há muito mais para dizer além de que estou de acordo contigo; quanto ao "chover no molhado" não me expressei correctamente, pois o que pretendia dizer é que com este post estaria a correr o risco de estar a falar de assuntos já demasiado focados, só isso. E eu não digo que o "eventual" frcho do FJ (lagarto...lagarto...),de ficaria a dever ao cansaço da rotina; apenas dei esse exemplo para o fecho de alguns blogs.
    Bom fim de semana para vocês, rapazes e resguardem-se pois vem aí chuva...
    Abraços muito amigos.

    ResponderEliminar
  11. Como podes ver, amigo Paulo, também eu partilho da mesma opinião acerca do FJ; e também os teus blogs se tornaram visita obrigatória, pois ambos são interessantes, focando temas diferentes e visando pessoas diferentes també,
    Abraço amigo e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  12. Querida Ana
    um comentário teu é sempre uma alegria e uma honra; o teu blog é dos tais que eu aponto como diferente de todos os outros que frequente; é uma lição de vida cada postagem, e é uma maravilha ver a vossa(vou falar no plural, como tu costumas fazer) felicidade feita de pequenos nadas, que são afinal tão grandes.
    É por blogs como o teu que me apetece pertencer à blogosfera.
    Beijinhos ternurentos.

    ResponderEliminar
  13. Já tivemos oportunidade de falar sobre este assunto. Ler o teu post acabou por reforçar o que eu já sabia... Temos uma forma de nos relacionar com a blogoesfera muito parecida. Não consigo posts com a mesma regularidade que tu, mas gosto de ir vendo os comentários, respondendo a cada um e visitando assiduamente os bloggers amigos.

    Fizeste um post sensato, acabando por homenagear os teus amigos. Fizeste bem...

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  14. Os amigos precisam de alento, por vezes e só assim compreendo a Amizade, meu caro João.
    Também eu gosto da tua forma de conduzires o blog, agora com um pouco mais de regularidade.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  15. este post foi "na mosca". Gosto do FJ. Entendo que por vezes não temos tempo para tudo o que queremos. este conselho é simple e poderoso: mais vale pouco que nada. Um provérbio diz: "mais vale um cão vivo que um leão morto".
    abraço

    ResponderEliminar
  16. Claro, amigo Sócrates
    O Zé e o Paulo são dos tais amigos que já pularam a "cerca" da blogosfera e não é o facto de o blog acabar que finda o nosso contacto e a nossa Amizade; o que está aqui em causa é o blog, pois é bonito, sentido e é uma pena perder-se, mas isso não irá acontecer, por muitos trabaljos que haja por lá de momento; vão ficar felizmente juntos connosco...
    Abração.

    P.S. - mandei-te um "testamento". eh eh eh

    ResponderEliminar
  17. Com efeito, Pinguim, um blog é um projecto que se nos afigura em determinada fase da vida: há quem consiga manter o blogue por muito tempo e há os que postam de vez em quando. já vi blogues de tudo; alguns fazem-me rir, outros espantam-me, complementam-me, educam-me, informam-me, etc., etc.. Há aqueles com que me identifico muito, porque expressam claramente aquilo que sinto e penso mas não sou capaz de escrever e ainda há os que são de pessoas, que muito embora tenham apenas um nickname, tornaram-se "amigos"...
    Enquanto escrevia a tese, período que coincidiu com o momento mais intenso da minha vida, porue culminou com outros aspectos para além da investigação, o Jasmimdomeuquintal serviu-me para me manter acompanhada. Depois fui desenvolvendo amizade com quem tão simpaticamente reparava no que escrevia e em muitos casos pressentia o que sofria. por isso, posso dizer que o blogue foi uma tábua de salvação.
    Não costumo fazer grandes comentários nos post - tenho pouco tempo (este é uma excepção) -mas só por alguma falha não comentei em que teve a gentiliza de me visitar.
    Só tive um comentário que tive de apagar e esse naõ se dirigia a mim, mas a outra pessoas que me visita diariamente.S enti-me tão exposta e desprotegida que nesse momento pensei em desligar de tudo. Ainda bem que não o fiz.
    saltitando de blogue em blogue encontro um painel de temas, risos, sorrisos, partilhas e amizade,que já fazem parte da minha vida, mesmo que seja ao nível virtuail. De qualquer forma acho que as amizades dos blogues deverão continuar virtuais, por outros motivos, mas sobre isso hei-de fazer um post. Desculpa o excesso de texto. Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  18. Um extenso comentário, é certo, boa amiga Jasmim, mas nada nele está a mais; só me vens a dar razão na "utilidade" dos comentários para um melhor esclarecimento de um texto; só não estou totalmente de acordo com o que dizes sobre a manutenção do estatuto de amizades virtuais, mas fico a aguardar o prometido post explicativo.
    Beijinhos afectuosos e um bom domingo.

    ResponderEliminar
  19. http://templodogiraldo.blogspot.com/

    Passem por aqui e comentem.
    SAUDAÇÕES.

    ResponderEliminar
  20. Obrigado pela tua visita; já fui espreitar o teu blog e é um interessante blog regionalista.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  21. Caro João,

    Estou de acordo contigo.
    Nem sempre comento, mas gosto de o fazer e de ler os comentários que deixam no meu blogue. Normalmente tento responder... embora às vezes seja difícil.
    Nos últimos tempos tenho andado um bocadinho disperso, o que me tem dificultado a "bloguice". Mas aqui continuarei...

    Abraço

    ResponderEliminar
  22. Ainda bem que somos livres...
    Livres de gostar ou não gostar, sem com isso querer ofender ninguém...
    Abraço!

    ResponderEliminar
  23. Eu revejo-me no essencial nesta tua análise. Acima de tudo faço-o porque me dá gozo. Comento os outros pela mesma razão.
    Sabes, é que eu já não tenho idade (nem posição social) para fazer o que não me apetece!!!
    eh eh eh eh
    Confessa lá que gostaste dos "parentes"!!!!
    Ai como eu adoro dizer babuzeiras!!!
    eh eh eh
    Abraço

    ResponderEliminar
  24. Amigo Maurice
    os comentários são como o sal na comida; sem eles o gosto não é tão agradável; quanto a ti, os blogs podem ser muito interessantes, mas a vida pessoal de cada um é mais importante, e por isso as "ausências" estão sempre mais que justificadas.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  25. Amigo Lampejo
    agora que estás um pouco "menos livre", e ainda bem, já falas em gostar ou não gostar de alguém; que bom é ouvir isso de ti...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  26. Gostei dos "parentes", amigo Tonghzi e adro aquilo a que inadequadamente chamas "babuzeiras"; a P.D.I. não nos traz só desgraças, também nos dá algum "estatuto". Eu e tu, mais eu que tu, somos os decanos "aqui da malta" e isso algumas vezes dá-me piada, sabes?
    Abraço.

    ResponderEliminar
  27. Acho que os nossos blogs são sempre qualquer coisa pior que nós!

    Aquele abraço!

    ResponderEliminar
  28. Caro Kokas
    eu diria isso duma forma positiva, mas significando o mesmo: todas as pessoas que conheci dos blogs são mais interessantes que os seus blogs, por muito atraentes que esses blogs sejam...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  29. Amigo pinguim, tenho estado afastado estes dias, mas estava tranquilo, pois já te tinha feito chegar a minha opinião por outra via. Seja como for, tenho que acrescentar que me parece admirável a clareza e a lucidez com que analisas o fenómeno dos blogues. Pela minha parte, tento fazer com que seja um processo de aprender com outras pessoas, para além de, no Queijo, tentar referir coisas que não se relacionem directamente com as agruras do trabalho, entre outras. Para mim, a blogosfera é um espaço de evasão. Abraço!

    ResponderEliminar
  30. Meu caro Rato
    já outro dia, havia referido a incrivel progressão do teu blog, dia a dia confirmada.
    Nota-se que é com um entusiasno crescente que estás na blogosfera; como teu leitor assíduo só tenho que te agradecer.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  31. O mau de tudo isto é quando nos afastamos dos amigos "reais", para nos contentarmos com comentarios favoraveis de pessoas que nunca chegamos a ver ou a conhecer na realidade.

    ResponderEliminar
  32. Caro AMIGO M.
    estás totalmente enganado, embora saiba que te custe a acreditar nisso; os chamados amigos "reais", nos quais naturalmente te incluo, estão sempre acima das Amizades feitas através de um blog, por muito agradáveis que sejam; e não são muitos,7/8, pelo que não quero de modo algum perdê-los, muito menos por mal entendidos. Conheces-me o suficiente para saber a minha lealdade e fidelidade nesse campo.
    Um abraço do tamanho do mundo, alargado a mais dois...

    ResponderEliminar

Evita ser anónimo, para poderes ser "alguém"!!!