quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Um golo do c******


Como não tenho arte nem engenho informático para postar apenas o vídeo, remeto este texto para uma postagem do blog italiano Gayburg.
Para quem gosta de futebol e não só...
É de qualquer forma um golo perfeitamente original, um autêntico golo do c******.

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Quatro anos de felicidade


Faz hoje quatro anos que demos início ao nosso relacionamento, naquela altura ainda totalmente virtual. O primeiro encontro, em Belgrado, apenas aconteceu em Setembro de 2006.
Tem sido uma experiência fabulosa, com um entendimento perfeito, e nem a distância, que por vezes nos custa demasiado a suportar consegue nublar.

For you, my love, all my tenderness; I miss you...
VOLIMTE!


©Todos os direitos reservados
A utlilização dos textos deste blogue, qualquer que seja o seu fim, em parte ou no seu todo, requer prévio consentimento do seu autor.

domingo, 27 de dezembro de 2009

Women In Art





Este vídeo é publicado também para ser incluído no tema escolhido para o mês de Janeiro da "Fábrica de Letras", e que é a BELEZA.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Acerca do "gentil" doutor...

É, até agora, a situação mais ridícula e caricata em que cai a dita Plataforma, comandada por essa advogada que se chama Isilda Pegado, que deve pretender a beatificação quando da visita papal. Quando um conhecido cirurgião pediátrico, Gentil Martins,mostra a sua precoce senilidade, com afirmações deste teor, está tudo dito: é o desespero!!!

Mas que mal lhes fizemos nós, homossexuais? Mas que mal causa ao país, o casamento entre as pessoas do mesmo sexo? Mas que cruzada é esta que mobiliza Igreja, imprensa, partidos políticos, "chefes de família" ofendidos e sei lá quem mais? Será esta lei uma ameaça à sobrevivência demográfica do país como pretende sibilarmente insinuar o senhor Cavaco? Será que Espanha, Bélgica, Holanda, Suécia, África do Sul, Canadá, Noruega e cinco Estados americanos (aos quais se juntou a região administrativa da Cidade do México, com mais habitantes que Portugal inteiro), deixaram de ser países sem moral e em que os casamentos heterossexuais tivessem sido limitados e assim levassem a uma menor natalidade?

Será que é preciso referendar um direito cívico? Se assim for abre-se um precedente que numa ridícula extrapolação, "amanhã" poderá levar a pretender referendar cada casamento entre A e B, sejam hetero ou homossexuais. E ainda sobre o pretendido referendo, chamado o supra-sumo da democracia, que direito posso eu reconhecer ao Quim, da Merdaleja (que nem escrever sabe mas vai à missa e ouve o senhor padre dizer que deve votar NÃO) para opinar sobre o meu amor por outro homem?

Quando se diz que este assunto está a tirar importância aos verdadeiros problemas do país, é precisamente esta campanha que o está a provocar, e não a lei aprovada pelo Governo e agendada para discussão no Parlamento para 8 de Janeiro. Quando se afirma que o Governo, de uma forma ou de outra está a pressionar o PR na promulgação ou não de leis, como se chama a esta campanha, neste particular aspecto, se não uma forma de pressionar o veto presidencial.

E quando se insinua, como essa senhora Pegado que esta questão dos casamentos entre PMS custa uma fortuna ao país (só para rir), sabe ela quanto custa fazer um referendo?

Se não fosse tão ridícula a frase usada neste contexto, até apetecia dizer: "Senhor, perdoai-lhes, que eles não sabem o que fazem".

Nota: eu não pretendo casar com o Déjan e muito menos com qualquer outro homem; apenas quero ter esse direito!!!

©Todos os direitos reservados
A utlilização dos textos deste blogue, qualquer que seja o seu fim, em parte ou no seu todo, requer prévio consentimento do seu autor.


terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Prenda de Natal

A minha prenda de Natal para quem me lê; não é nada que esteja relacionado com a época natalícia, mas é algo de belo, como belo deve ser o Natal. Por isso justifica-se...
Espero que gostem tanto desta Senhora, cujo único defeito foi viver pouco tempo e claro que dedico especialmente a uma pessoa que muito amo, uma das mais belas canções de amor de sempre.

FELIZ NATAL!!!

domingo, 20 de dezembro de 2009

As "minhas" cidades - Florença

“Há momentos, especialmente à noite, em que um passeio pela Piazza della Signoria me deixa aturdido…A piazza tem os seus residentes permanentes. Perto do Palazzo Vecchio, Neptuno encharca-se numa fonte que não funciona a maior parte do tempo. A imitação de David parece pairar, com erro gotejando pelos seus longos dedos. Hércules ataca o derrotado Cacus. Poucos lugares no mundo são tão saturados de eventos históricos. Afinal de contas, foi nesta piazza que Savonarola queimou as vaidades e foi ele próprio queimado. (Um medalhão embutido no pavimento assinala o local.) Cellini descerrou o seu Perseu de bronze. Aqui foi erigido o David de Miguel Ângelo
e, umas centenas de anos depois, transferido para a Accademia através de carris de uma momentânea via férrea. A Rainha Vitória atravessou esta piazza numa carruagem. Aqui ocorreram tumultos, foi derramado sangue em quantidade e, na varanda do Palazzo Vecchio, em 1938, Hitler apertou a mão a Mussolini enquanto os Camisas Negras cantavam.
Hoje, algas verdes cobrem a barriga das pernas de Neptuno. As algas são o pé de atleta da história. A piazza é o chuveiro dos tempos, onde deuses e heróis se expõem nus, ostentam genitais de dimensões excessivas, se gabam de conquistas e exibem troféus. Não é um lugar para mulheres. As mulheres ocultas na estatuária figuram ali como fantasmas da histeria ou do desejo masculinos. Polixena e as Sabinas, sendo violadas, calcificam a fanfarronice sexual. Judite, agarrando Holoferne para lhe cortar a cabeça, calcifica o terror sexual. Tal como os avisos das mães, uma fila de Virtudes reduz-se à sombra da Loggia, ignorada. Uma Hermes, metade humana, metade árvore é a menina bonita da piazza. A sua folha de figueira preta atrai a si todas as atenções, qual ponto de fuga, a sua evasão à luxúria incitando aquilo que procura repelir.

À noite a impressão é ainda mais forte. Tochas assinalando o friso recortado do Palazzo Vecchio conferem às pedras um esplendor brilhante, como se a luz as fizesse derreter. A esta hora, a vista de Neptuno, a sua humidade escorregadia e branca bastam para fazer crescer água na boca. Olhando para ele, percebemos enfim por que os escultores lutavam por blocos de mármore branco de Carrara. Apetece-nos tirar os sapatos, patinhar pela fonte e raspar as algas verdes nos seus flancos com as unhas."

Este é um texto inserido no livro de David Leavitt - “Florença, Um Caso Delicado”, em que o autor descreve com minúcia o conjunto escultórico de uma das mais belas praças do mundo: a Piazza della Signoria, coração da mais bela das cidades italianas – Florença. O livro consagra muitas das suas páginas, não só à descrição dos principais locais da cidade, como o Duomo, a ponte sobre o Arno, a igreja de Santa Maria Novella, a Accademia, o Palácio Pitti e os Jardins de Boboli, como também a vida de tantos artistas e principalmente escritores ingleses que escolheram Florença para viver entre o final do século XIX e as primeiras décadas do século XX.

Sendo Florença uma cidade que já visitei várias vezes, e sempre com crescente admiração, cabe-lhe a honra de inaugurar uma nova rubrica neste blog, sobre cidades que me fascinaram.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Morreu uma estrela

Com 90 anos de idade faleceu hoje a actriz Jennifer Jones, que marcou de forma indelével o cinema americano, principalmente nas décadas de 40 e 50 do século passado.

Tinha uma beleza não clássica, mas que a tornava muito sedutora. Após um primeiro casamento com o actor Robert Walker e depois de um longo romance, acabou por casar com o poderoso produtor de Hollywood, David O. Selznick, com quem viveu até este falecer; mais tarde casou de novo.

O filme que a catapultou para a fama foi “A Canção de Bernardette” (1943), e que lhe valeu o Óscar da melhor actriz.

Numa vasta filmografia, destacam-se os filmes em que foi nomeada para Óscares: “Desde que tu partiste” (1944), “Duelo ao Sol” (1946), “Love letters” (1945) e “Love is a many-splendored thing” (1955); ainda participou em outros filmes que a celebrizaram e em que contracenou com os melhores actores e sob a direcção de conhecidos realizadores: “A Fúria do desejo” (1952), “Estação Terminus” (1953), “O Homem do fato cinzento” (1956), “O adeus às Armas” (!957), “Terna é a noite” (1962), sendo a sua derradeira participação no cinema no filme catástrofe “A Torre do Inferno” (1974).

Curiosamente, esta actriz marcou-me muito, pessoalmente, por um filme menor, mas interessante, já de 1966 – “O Ídolo”, em que fazia o papel de uma mulher de meia idade que seduzia um jovem que podia ser seu filho; tendo ir a ver o filme (no Europa, em Campo de Ourique), houve uma cena bastante “quente” em que se ouvia um belo trecho musical e o jovem perguntou-lhe que música era aquela, ao que ela respondeu que era o “Inverno” de Vivaldi. Confesso a minha falta de cultura musical, e como não conhecia a música, fui no dia seguinte comprar o disco, e fui então informado que fazia parte de uma composição clássica chamada “As Quatro Estações”, comprei assim o meu primeiro álbum clássico, devido a Jennifer Jones…


quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Robert Mapplethorpe


Robert Mapplethorpe (New York-1946 / Boston-1989), foi o terceiro de seis irmãos, numa família católica – todos iam à igreja, uma experiência que o veio a traumatizar como adolescente na provinciana Long Island, um bom lugar para crescer e melhor para fugir, ele e todos os traumas que herdou da sua família. Porque sentir-se atraído por homens (foi apanhado pelos pais com fotos de rapazes mais ou menos desnudados e a sair de uma sex shop local), e ter pretensões artísticas, na década de 60, por muito hippie que o mundo fosse nesse tempo, não era fácil. Com 17 anos entrou num mundo que lhe permitiu começar a sentir-se livre, o Pratt Institute de Brooklyn, onde realizou os seus primeiros trabalhos, como escultor e pintor; apenas em 1972 começou a fotografar com uma Polaroid que um amigo lhe ofereceu.
É geralmente aceite que Mapplethorpe terá sido sempre homossexual, mas ele esteve noivo durante anos da cantora Patti Smith, que foi seu modelo até ao fim dos seus dias; é dele a capa do primeiro álbum da cantora
e foi por seu intermédio que conheceu bastante bem alguns artistas do mundo do rock e os fotografou, como Lou Reed, Debbie Harry ou Iggy Pop. Segundo ele, um dos factores mais importantes para o êxito de um retratista é que deve haver uma boa comunicação entre o modelo e o fotógrafo; para RM, as pessoas são o mais importante, principalmente o seu relacionamento com elas, e conhecer gente é uma forma de comunicação social. Na década de 70 dedicou-se intensamente à fotografia, tendo trabalhado com retratos , com imagens sexuais e com naturezas mortas; ele considerava o corpo humano uma forma e quando fotografava um corpo era como se estivesse a fotografar uma escultura.
A sua obsessão pelos pénis, não qualquer pénis, mas sim os que são grandes ou muito grandes e que pertençam a corpos musculados, levou-o a retratar o sexo masculino em paralelo a uma flor ou um fruto, saindo de um fato de um executivo,

mostrando-se como um elemento externo a um dançarino ou mesmo sendo “maltratado” numa relação sado masoquista, tendo neste último caso ficado célebres três fotos polémicas: um auto retrato em que o fotógrafo se sodomiza com um objecto,

um outro com dois amigos praticando “fisting”e o retrato de uma mulher - Lisa Lyon - que cobre a sua vagina com um escorpião
Aliás foi Lisa Lyon,

que juntamente com Patty Smith foi o seu grande modelo e a sua grande amiga; era uma mulher que praticava o culturismo e assim o seu corpo era também uma escultura masculinizada, com o seu quê de ambiguidade.
Mais tarde, Mapplethorpe começou a retratar naturezas mortas, sobretudo flores, que representavam atenuadamente nos seus caules e nas suas folhas, pénis e vaginas. Tendo até então sempre fotografado a preto e branco, apenas nesta altura começou a usar a cor.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Auf Wiedersen...Berlin


Pois é, uma das piores coisas que pode acontecer a um Carneiro, é sentir uma desilusão. Foi o que sucedeu neste fim de semana, quando me foi comunicado pelo meu amigo em casa de quem iria ficar em Berlim, em Março, que tal não seria possível, pelo menos nessa altura.

Como já tinha acertado datas com o Déjan e até já tínhamos voos programados, a desilusão foi enorme.

Mas, quando se junta a teimosia de um Carneiro, com a força de um Leão, mas principalmente uma imensa e mútua vontade de estarmos juntos nessas datas, até porque englobam o meu aniversário, já reservei hoje bilhete para o Déjan vir de novo a Portugal, no próximo dia 10 de Março e passar cá duas semanas. Estou naturalmente feliz!!!!

E como o Duarte, com quem compartilho a casa, combinou férias com o seu namorado, o americano Rich para a mesma data, vai ser muito interessante pois vamos ter férias simultâneas.

O Déjan e o Rich chegam no mesmo dia, a 10 de Março, e logo a 11, iremos de carro numa pequena digressão ao Minho e Galiza, ficando a dormir em dias consecutivos, no Porto, Guimarães, Braga, Vigo e Santiago de Compostela, de onde regressamos a casa.

Espero no Porto reencontrar amigos num jantar na marginal de Gaia e também em Braga, alguém que por lá viva.

O mais importante é estar com o Déjan, e o sítio é secundário. Mas…não é tudo, pois os “Metalicca” estarão em Lisboa no dia 18 de Maio e já hoje comprei bilhete para o Déjan para esse concerto; ele é tão marado pelos “Metalicca” que vai ao concerto deles em Zagreb, a 16 de Maio e de lá vem para aqui, via Madrid; ainda não sabemos quantos dias serão, mas talvez uma semana, pois entretanto mete-se o Rock in Rio…

Faltam 85 dias para abraçar e beijar o Déjan…ESTOU FELIZ!!!!

domingo, 13 de dezembro de 2009

Prémio Pessoa 2009

O Prémio Pessoa é um prémio concedido anualmente à pessoa de nacionalidade portuguesa que durante esse período - e na sequência de uma actividade anterior - tiver sido protagonista de uma intervenção particularmente relevante e inovadora na vida artística, literária ou científica do país.

Não é por acaso que o prémio se chama Pessoa e não Fernando Pessoa. A Unisys e o Expresso criaram, intencionalmente, uma certa ambiguidade entre a figura do grande poeta - que, aliás, nunca foi premiado em vida - e a pessoa, a personalidade portuguesa que, no ano relativo ao prémio, tenha assumido um papel importante para a sociedade em geral.

O Prémio Pessoa pretende, assim, ir contra a corrente de uma velha tradição nacional, segundo a qual o reconhecimento da importância da obra de algumas pessoas só foi verdadeiramente feito postumamente - tendo sido esse, precisamente, o caso de Fernando Pessoa - pelo que este Prémio não poderá ser concedido a título póstumo.

Acreditando cada vez mais na necessidade de intervenção da sociedade civil na regulação do futuro do nosso País, a organização pretende com este Prémio contribuir anualmente para o alargamento e o aprofundamento da obra de tantas pessoas portuguesas, umas mais conhecidas outras menos, que necessitam e merecem ser encorajadas para fazer mais e melhor.(*)

Foi entregue pela primeira vez em 1987 ao escritor e historiador José Mattoso, e no ano de 2008 ao arquitecto Carrilho da Graça, tendo distinguido ao longo destes cerca de vinte anos ilustres personalidades, como os escritores Manuel Alegre, Cardoso Pires e Herberto Hélder (que o recusou), Maria João Pires, João Lobo Antunes , Souto de Moura, Luís Miguel Cintra, entre outros.

O júri, bastante diversificado e constituído por personalidades conhecidas da vida nacional tem procurado distinguir pessoas de várias áreas, e nunca tinha distinguido alguém da área religiosa; isso aconteceu este ano, recaindo a escolha na figura do Bispo do Porto, D.Manuel Clemente, tendo o júri considerado que "a sua intervenção cívica tem-se destacado por uma postura humanística de defesa do diálogo e da tolerância, de combate à exclusão e da intervenção social da Igreja". O júri realça que além da missão pastoral, o bispo do Porto"desenvolve uma intensa actividade cultural de estudo e debate público. Em tempos difíceis como os que vivemos actualmente D. Manuel Clemente é uma referência ética para a sociedade portuguesa no seu todo”.

No seu currículo consta que D.Manuel Clemente foi o primeiro bispo português a usar o You Tube para difundir a sua mensagem de natal do ano passado.

Não ponho em causa os valores culturais, sociais e humanos do premiado, mas e até porque a sua posição na questão do casamento entre pessoas do mesmo sexo é conhecida e segue a posição da Igreja, como é óbvio, parece-me algo inoportuna esta distinção; aliás não é costume os membros do júri virem a público, a defender a razão da atribuição do prémio, como aconteceu, entre outros com Mário Soares; se o fizeram é porque sabem que haveria contestação a este prémio.

(*) - da articulação do regulamento do Prémio Pessoa

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

"O que se leva desta vida"


Após cerca de ano e meio de aturada pesquisa gastronómica, o cineasta João Canijo e os actores e encenadores Gonçalo Waddington e Tiago Rodrigues criaram uma peça que tem como ambiente os bastidores de um restaurante.

Em palco, há dois cozinheiros às turras. O ambiente cheira a comida mas os espectadores não provam os pratos. Ficam com água na boca.

A peça "O que se leva desta vida", coloca em acção dois cozinheiros que dão vida a duas visões diferentes do que é a arte de cozinhar e que se confrontam na defesa das sua opções culinárias .

A partilha conduz ao confronto: para um deles, o acto sublime é o próprio acto de criar, para o outro, o prazer de saborear.

"O que se leva desta vida" é, nas palavras dos seus autores, " uma visita aos bastidores da alta cozinha, mergulhando com humor e paixão num mundo onde os sentidos se encontram com a filosofia e a própria vida".

É, em suma, um espectáculo sobre a arte e a ciência da cozinha, sobre a insatisfação permanente e o espírito inventivo de dois cozinheiros que acabam por descobrir que um prato conta sempre a história de quem o cozinhou.

Para a peça foram criados por Juan Mari Arzak e Martín Berasategui dois pratos que são confeccionados em palco pelos actores.

Parece que o diálogo desta peça é bastante "preenchido" por palavras próprias de uma "stand up comedy", e não sei quem nem porquê, alguém teve a infeliz ideia de levar um grupo de pessoas da terceira idade a ver esta peça. É louvável que haja iniciativas dessas, mas há que escolher peças adequadas.

Ora as reacções deste público à peça foram as piores, tendo sido os actores vaiados em cena e produziram-se declarações no final, que podemos ver neste vídeo; claro que estas declarações mostram não só o atraso do nosso povo, mas também e sobretudo o inoportuno desta sessão.

Enfim, Portugal "progride e moderniza-se".

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

"Thirteen or so minutes"


Talvez o mais belo filme da normalidade de uma relação homossexual: para ver e reflectir, principalmente; e para mostrar a certas pessoas que é muito bom estar-se bem, sem olhar a convenções e preconceitos.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Abutres e não águias


Nem me vou dar o trabalho de seleccionar quem são; podem ser os representantes de vários sectores da sociedade portuguesa de hoje; é só escolher:
CORRUPTOS
MANIPULADORES DA OPINIÃO PÚBLICA
HOMOFÓBICOS
VALENTINS, JARDINS E AFINS
e mais, muito mais...

domingo, 6 de dezembro de 2009

Hypnotized Chair Sex

..
As figuras que se fazem, quando se está hipnotizado...
E há para todos os gostos - pela frente, por trás - e em posições mirabolantes.
Divirtam-se

sábado, 5 de dezembro de 2009

O dilema de Queiroz


Como se sabe Portugal soube hoje quais os seus adversários na fase de grupos do Mundial da África da Sul do próximo ano; qualquer grupo seria difícil e calhámos no grupo encabeçado pelo Brasil, juntamente com a Costa do Marfim e a Coreia do Norte.

O primeiro jogo será para mim o mais importante, pois em caso de vitória e perante uma admissível vitória contra os coreanos, defrontaríamos no derradeiro jogo, o Brasil, já qualificados…

Mas o jogo com o Brasil traz um problema curioso: é sabido que têm feito parte dos convocados de Carlos Queiroz, os brasileiros Deco e mais recentemente Liedson; claro que ao fazê-lo renunciaram a representar o seu país de origem, o que até se pode compreender, pois devido a tão bons jogadores que o Brasil possui, eles poucas ou nulas hipóteses teriam de alguma vez serem seleccionados pelo país irmão.

Mas se no futebol de clubes, é o dinheiro que impera e há que ser realista e bom profissional, já no que respeita à selecção nacional, o caso muda de figura; atente-se nas declarações de Liedson, hoje mesmo, após o sorteio:

"Antes do sorteio, os meus amigos diziam que queriam que Portugal jogasse contra o Brasil. Aconteceu. Sou brasileiro, o Brasil é meu país. Mas também amo e sou grato a Portugal e quero retribuir com o meu trabalho. Estarei dividido e vou procurar fazer meu trabalho", completou Liedson."

Perante isto, questiono eu, sem pôr em dúvida o bom jogador que Liedson indiscutivelmente é, se Queiroz o deverá convocar para a África do Sul, e caso o faça, se o fará alinhar contra o seu país?

O mesmo em relação a Deco, mas este já criou algumas raízes na selecção portuguesa…

Não comparemos com o caso de Scolari, pois este era seleccionador contratado e pago (muito bem pago) para defender as cores de Portugal; não é esse o caso de Liedson.

O que fará Queiroz????

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

A Consoada em casa dos meus Avós


Havia a mesa grande, todos os anos mais esticada, onde ficavam os adultos, e a mesa pequena, cada ano maior, onde algazarravam os mais novos, infinitamente mais animada, improvisada junto à lareira, que naquela noite aquecia o conjunto das duas salas contíguas.
No entanto, a passagem da mesa pequena para a mesa grande era um estatuto que nos envaidecia, pois iniciava-nos nas conversas dos adultos, mas onde nos sentíamos náufragos e quantas vezes não invejávamos as sãs gargalhadas da outra mesa.
Uma canja quentinha iniciava o repasto, em que o bacalhau reinava e era invariavelmente elogiado como melhor que o do ano anterior. Havia também polvo, mas não tinha um grande número de apoiantes. O peru, enorme e completamente "entupido" por um maravilhoso recheio, seguia-se-lhe. No capítulo da doçaria, pois havia os sonhos, as filhós, aletria, arroz doce e as "papas" com desenhos de canela que me deliciavam.
Dois momentos eram sempre esperados: a aparição da Xica, muito pequenina, cada vez mais velhinha a desejar as Boas Festas, e a chamada ao "palco" da mesa grande, do meu primo Eduardo, que todos os anos nos deliciava, na sua inigualável pronúncia tripeira, o repertório das anedotas inocentemente (?) picantes, e que o meu Pai habilidosamente lhe ia sacando, que punham toda a gente a rir, faziam corar a minha Avó e exasperavam o meu Avô (que gozo me dava vê-lo assim...).
Depois do jantar, os presentes, no salão grande, em que cada sofá era ocupado por uma "família". Era grande a admiração da pequenada a comparar presentes iguais apenas com cores diferentes; os mais velhos escapavam a essa regra e tinham o seu presente autónomo.
Depois era o convívio, em que sempre sob o olhar severo do meu Avô, se ia inovando ano após ano, com as iniciativas dos netos mais velhos. Não esqueço as minhas iniciativas de mostrar a toda a família que a minha Avó tocava maravilhosamente piano, e quando a convenci a abrir um improvisado baile, dançando uma valsa comigo (que bom foi, Avó...).
Alguns iam à missa do Galo, ali ao lado na capela das Doroteias, e no regresso já com os mais pequenos adormecidos, com o andar dos tempos, despachávamos o Avô para a cama e já com melhor ambiente, chegámos a fazer interessantes jogos, como o adivinhar nomes de filmes por mímica, onde eu obrigava o meu Pai a explicar "O delicadinho do 5º.esquerdo" e a tia mais puritana o "Sexualmente tua".
Era uma festa, a consoada em casa dos meus avós.

Este texto foi escolhido para ser incluído no blog “Fábrica de Letras”.



terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Everytime We Say Goodbye

Mais um doloroso adeus, mas também e acima de tudo, um renovar imenso da felicidade de amar e ser amado; dizia-me o Déjan, num SMS enviado após a nossa despedida que o seu apartamento estava tão imensamente vazio como o seu coração transbordava de felicidade…

Foram duas semanas de um perfeito entendimento, em que apesar de um agradável mês de Novembro (dias de temperatura amena e apenas uma tarde de chuva), não saímos muito, privilegiando a companhia um do outro no aconchego da casa.

Mas deu para acrescentar algo mais ao conhecimento de uma cidade que me surpreende a cada passo, tendo desta vez conhecido melhor a margem esquerda do Sava, a chamada Nova Belgrado, com os seus arranha céus, as suas largas avenidas, os grandes hotéis e salas de espectáculo, e a sua crescente população. Foi aí, mesmo na confluência do Sava com o Danúbio que tivemos um maravilhoso almoço num barco restaurante lindíssimo e de muito boa comida, e com uma vista maravilhosa. Também conheci um outro restaurante, antigo, muito tradicional, com uma apresentação a fazer lembrar um teatro, com camarotes, com uma decoração princípio do século XX e com uma pequena orquestra de 4 jovens músicos a criarem um bom ambiente musical.

Tanta coisa bela em duas semanas que passaram a voar, e de que irei dando algumas “pinceladas” em próximos posts.

Uma imensa cidade de 2 milhões de pessoas, de constantes contrastes, de vivências fortes, de gente que vibra, ri e sofre, no seu isolamento, dum povo que vai ter neste mês de Dezembro um pequeno mas significativo passo para estar mais perto da Europa, pois vão ser abolidos os visas para a saída do país, no espaço Schengen.

E, como não podia deixar de ser, já temos datas aprazadas para o reencontro: dia 11 de Março em Berlim!!!!

Como o meu bom amigo Luís Galego diz, e bem, num seu comentário, “quando a realidade ultrapassa a ficção…”

I miss you my love!


Every time we say goodbye,
I die a little
Every time we say goodbye
I wonder why a little
Why the Gods above me,
who must be in the know..
Think so little of me
They allow you to go

When you're near,
there's such an air of spring about it
I can hear a lark somewhere
begin to sing about it
There's no lovesong finer
But how strange the change
From major to minor
Every time we say goodbye

Why the Gods above me,
who must be in the know..
Think so little of me
They allow you to go

When you're near,
there's such an air of spring about it
I can hear a lark somewhere
begin to sing about it
There's no lovesong finer
But how strange the change
From major to minor
Every time we say goodbye

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Black or white

Foi recentemente criado na blogosfera um novo blog, cujo nome é “Fábrica de Letras”, com características muito originais e ao qual desde logo dei o meu apoio. Trata-se de um blog formado por entradas de bloggers que adiram à ideia, e subordinadas a um tema préviamente seleccionado por votação, entre vários temas propostos. Cada pessoa publica no seu blog um post sobre esse tema, ou escolhe um já publicado anteriormente e só tem que pôr o link do post no blog, sendo que essa postagem pode ter qualquer forma: prosa, verso, foto, desenho, vídeo... Neste primeiro mês o tema mais votado foi “Preto e branco”. Ora não sendo um tema muito da minha preferência, e estando de férias não me apetece muito elaborar algo de propósito para o efeito, mas desejando desde o primeiro tema, estar presente, resolvi com algum comodismo, confesso, que a minha contribuição fosse sobre alguem muito falado recentemente e a quem eu não dediquei nenhuma postagem, pois tudo foi dito na blogosfera sobre ele: Michael Jackson! E talvez seja MJ uma das pessoas onde a dicotomia preto/branco estivesse mais presente, pois sendo negro, sempre desejou ser branco, constituindo esse seu desejo quase uma obcessão da sua parte. Assim sendo, justifica-se plenamente a sua inclusão neste tema; e para ser ainda mais adequado, a escolha do clip musical não poderia ser outra senão o famoso tema “Black or White”.
(Este post, conforme explicado em cima, destina-se a ser incluído no blog “Fábrica de Letras”).

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Duas noites diferentes...


Quando soube o resultado do sorteio do “play-off” do apuramento do mundial de futebol, de imediato me vieram ao pensamento dois factos: o primeiro jogo, em Lisboa seria a 14 e eu não poderia ver o jogo pela televisão, a não ser em Colónia, onde pernoitaria nesa data; não sendo provável encontrar facilmente uma televisão naquela cidade alemã, só me restava a hipótese de encontrar um qualquer restaurante português que apanhasse as televisões portuguesas; pela net encontrei um restaurante que contactei telefonicamente ainda em Lisboa e de onde me garantiram que apanhavam a TVI e tinham vários televisores espalhados pela sala, mas seria melhor reservar mesa pois estaria decerto completamente cheio. Assim fiz e no sábado com uma hora de antecedência lá estava eu no “Nova Era”, onde fui muito bem recebido e era uma verdadeira casa portuguesa, desde a língua (só ouvi falar português), ate aos pratos que constavam do “menu”, tendo eu comido umas excelentes amêijoas à Bulhão Pato e umas deliciosa lulas grelhadas, regado tudo com imperial Sagres e um bom café português. Foi uma sensação inesquecível ter ali assistido ao jogo, no meio dos emigrantes que vibravam, e de que maneira a cada lance; quando foi o golo, foi o delírio. Magnífica noite, sem duvida, embora o resultado magro e a exibição pouco convincente da selecção nacional.
O segundo facto foi ter pensado na hipótese de assistir ao vivo ao jogo da segunda mão em Serajevo, já que no dia 18 estaria em Belgrado e a distância entre as capitais sérvia e bósnia não ser exagerada, e ter, naturalmente a companhia do Déjan; mas quando lhe falei no assunto, para eventualmente reservar dois bilhetes na FPF, ele desde logo me desaconselhou a deslocação e por várias razões: o jogo fora transferido para Zenica, uma cidade a 70 kms de Serajevo, conhecida por ser um local ultra-nacionalista e por serem os bósnios um povo demasiado extremista, pelo que iíramos encontrar decerto, problemas; embora não muito crédulo destes argumentos, e como ele me garantia que poderia ver o jogo pela TV em Belgrado, decidi que não iríamos a Zenica; os acontecimentos verificados só lhe vieram a dar razão...Assim, na quarta feira fomos a um original local, mesmo no centro da cidade, chamado “Sport Cafe”, um espaço grande, onde se pode comer ou só beber e com a particularidade de ter cerca de 25 televisores a transmitir simultâneamente vários jogos; seria apenas necessário arranjar uma mesa numa posição que desse para ver o jogo de Portugal. A assistência era muito variada: 10/15 sérvios, cerca de 20 russos e o mesmo numero de franceses, perto de 10 irlandeses, alguns bósnios e eslovénios e...um português- EU! Claro que havia outro português de coração, o Déjan. E isto porque o jogo Ucrânia-Grécia acabara antes, assim como o Argélia-Egipto...Houve um aspecto curioso que o Déjan me chamou a atenção, e que foi nenhum dos jogadores bósnios nem a assistência entoarem o hino do seu país, e era verdade; a razão é que eles não sabem a letra, pois o hino foi escolhido quando da independência , pela UE...Imagine-se o meu grito de Goooooolo!!!!! quando foi o nosso golo; ficou toda a gente a olhar para mim e ficaram a saber que eu era português. Foi tambem muito interessante ir vendo e ouvindo as reacções dos diversos simpatizantes, quando dos lances principais de cada jogo (os russos, eram os mais exuberantes). Uma outra bela noite, muito bem passada, diferente e que me encheu de satisfação, a mim e ao Déjan, que não só apoiava Portugal, como ansiava pela derrota dos bósnios.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Dalmatino

Hello to everyone!
So it seems it`s my turn to write here something...
I`m Dejan (as you probably know it), I was born in Dalmatia (region in Croatia), live in Serbia right now but many times think about my homeland.
Think through the music and some songs I`m immediately transported to Zadar and would love to present you some of my favorite shots that represent Dalmatia.
Here is Dalmatino, hope you`re gonna like it.
Chako pako, volim te!

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Estou quase a ver-te...

Já quase começo a ver-te ao longe; a tua figura que reconheço mesmo na bruma, começa a ganhar os contornos do teu corpo e já me deixo embalar no sonho das carícias prometidas.
O ritual vai repetir-se de novo, quando atravessar as “portas”; a primeira, ainda no aeroporto, quando eu surgir na porta das chegadas e os nossos olhares se cruzarem, finalmente de novo; e depois, quando atrás de nós, se fechar a porta do teu apartamento, e dermos azo ao contido desejo de um beijo tanto tempo adiado.
Está frio em Belgrado, eu sei, mas não o sentiremos decerto; durante duas semanas renovaremos os votos de um amor suficientemente grande para suportar as agruras de meses e meses separados fisicamente, embora continuamente mais juntos, dia a dia.
Eu posso não entender nada da vida, posso não perceber o porquê das situações, posso questionar a razão porque aconteceu, mas há algo que eu sei que existe dentro de mim, existe dentro de ti, e isso é mais forte que tudo o resto: contigo aprendi a saber completamente o que significa VOLIMTE e da mesma forma AMO-TE passou a ter todo o significado para ti.
Estou a chegar, Déjan e levo para ti o sorriso de uma imensa felicidade.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

"Porn & Penetration"


Mais uma extraordinária adaptação ao cinema de uma obra prima da literatura mundial, até aqui desconhecida, da célebre escritora Jane Austen.
Será que a veremos como musical na Broadway ou West End? Ou mesmo quem sabe no Politeama? Ali mesmo ao lado, no saudoso "Olímpia" foram representadas várias versões parecidas...

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Emissão especial de aniversário, para todos aqueles que nunca viram o brilho nos olhos de um jovem berlinense a partir o Muro


Com o devido respeito, não resisto a colocar este magnífico desenho de Pedro Vieira, publicado no blog "Arrastão".
É uma data que não pode ser ignorada.

De "machão" a "bichona"



Entre estas duas fotos cabem muitas outras fotos: é como passar do oito ao oitenta... Ora vejamos

TABELA DE GRADUAÇÃO DE MACHO

1 - Desportos
a.. Futebol, automobilismo, desportos radicais > MACHO
b.. Ténis, boliche, voleibol > TENDÊNCIAS GAYS
c.. Aeróbica, spinning > GAY
d.. Patinagem no Gelo, Ginástica Olímpica > BICHONA
e.. Os mesmos anteriores, usando short de lycra > LOUCA
2 - Comidas
a.. Capivara, javali, comida muito apimentada > CONAN
b.. Churrasco, Massas, Fritos > MACHO
c.. Peixe e salada > FRESCO
d.. Sanduíches integrais > GAY
e.. Aves acompanhadas de vegetais cozidos no vapor > BICHA ASSUMIDA
3 - Bebidas
a.. Cachaça, cerveja, whisky > MACHO
b.. Vinho, vodka > HOMEM
c.. Caipifruta > GAY
d.. Sumo de frutas normais e licores doces > MUITO GAY
e.. Sumo de açaí, carambola, cupuaçu, com adoçante > PERDIDAMENTE GAY
4 - Higiene
a.. Toma banho rápido, usa sabão em barra > LEGIONÁRIO
b.. Toma banho rápido, usa champô e esquece as orelhas ou o pescoço > MACHO
c.. Toma banho sem pressa, curte a água > HOMEM
d.. Demora mais de meia hora e usa sabonete líquido > TENDÊNCIAS GAYS SÉRIAS
e.. Toma banho com sais e espuma na banheira > VIADAÇO ASSUMIDO
5 - Cerveja
a.. Gelada e em grandes quantidades > MACHO
b.. Só cervejas extra, premium e importadas > HOMEM FINO DEMAIS
c.. Só uma às vezes para matar a sede > BICHICE SOB CONTROLE
d.. Com limão e guardanapo em volta do copo > BICHA
e.. Sem álcool > GAZELA SALTITANTE
6 - Presentes que gosta de ganhar
a.. Ferramentas > OGRO
b.. Garrafa de whisky > MACHO
c.. Electrónicos, informática > HOMEM MODERNO
d.. Roupas > VIADO
e.. Flores, velas aromáticas, perfumes, bombons > DONZELA VIRGEM
7 - Cremes
a.. Só pasta de dentes > MACHO
b.. Protector solar só na praia e piscina > HOMEM MODERNO
c.. Usa cremes no verão > BICHA FRESCA
d.. Usa cremes o ano todo > BICHONA TOTAL
e.. Não vive sem hidratante > FILA DE ESPERA DA OPERAÇÃO PRA TROCA DE SEXO
8 - Animais de estimação
a.. Animal de quê? > MACHO
b.. Tem um cão vadio que come restos da comida > HOMEM
c.. Tem cão de raça que vive dentro de casa e come ração especial > BICHA
d.. O cão de raça dorme na sua própria cama > BICHONA TOTAL
e.. Prefere gatos > TOTALMENTE PASSIVA
9 - Plantas
a.. Nem pra comer > TROGLODITA
b.. Come algumas de vez em quando > RAMBO
c.. Tem umas no quintal, nem são regadas > HOMEM
d.. Tem plantinhas na varanda do apartamento > VIADO
e.. Rega, poda e conversa com as flores do jardim > BICHONA PERDIDA
10 - Espelho
a.. Não usa > VIKING
b.. Usa para fazer barba > MACHO
c.. Admira sua pele e observa seus músculos > GAY
d.. Idem c, e ainda analisa a bunda > LOUCA
e.. Admira-se com diferentes camisas e penteados > TRAVECO
11 - Penteado
a.. Não se penteia > MACHO
b.. Só se penteia para sair à noite > HOMEM
c.. Penteia-se várias vezes ao dia > FRESCO
d.. Pinta o cabelo > BICHONA TOTAL
e.. Dá conselhos de penteados > BICHAÇA LOUCA
12 - Limpeza da casa
a.. Varre quando a sujidade estala na sola do pé > ANIMAL
b.. Varre quando o pó cobre o chão > MACHO
c.. Varre uma vez por semana > FRESCO
d.. Limpa com água, detergente e aromatizante > GAYZAÇO
e.. Usa espanador de pó e tem um avental > É A ESPOSA DO ESPANADOR
13 - Filmes
a.. Sexta-feira 13, A Hora do Pesadelo, Brinquedo Assassino, Laranja Mecânica, Pânico > MAD MAX
b.. Indiana Jones; filmes de Charles Bronson, Chuck Norris e Bruce Lee, > MACHO
c.. Os Trapalhões, Academia de Polícia, Um Tira da Pesada > FRESCO
d.. Forrest Gump, A Lagoa Azul; filmes de Richard Gere, Leonardo di Caprio e Julia Roberts > BICHONA

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

3 Anos


Hoje, o Whynotnow faz três anos, pois no dia 6 de Novembro de 2006, publiquei o meu primeiro post, da tal parte desaparecida e quase totalmente recuperada, do blog.

Esse primeiro post foi reposto no primeiro aniversário do blog, a 6 de Novembro de 2007, pelo que não faz sentido publicá-lo de novo.

O ano passado, em virtude de, à data, estar em Milão, só assinalei o segundo aniversário, uns dias depois, quando regressei; estive a reler esse post e recordo que deixava no final do mesmo, uma prece, para que o Catatau, então já gravemente doente, pudesse recuperar e pudesse estar no jantar dos bloguistas a realizar em Abril.

Infelizmente, isso não foi possível, e todos sabemos porquê…

Aliás, ao olhar para trás, de há um ano a esta parte, verifico com muita tristeza, que foi um período nefasto para mim, principalmente o decorrido neste ano de 2009: em Fevereiro, perdi a minha irmã e dois dias depois um tio; em Março foi a vez do Catatau partir e em Junho um amigo de infância, com a mesma idade, desapareceu também. Para finalizar, foi a Teresa, que conheci por intermédio do Paulo e do (Felizes Juntos), e com quem tive vários convívios, que partiu também.

Mas o ano não foi só tristezas: aconteceu um novo jantar, em Abril, muito participado e com muitas caras novas; em Julho, o Miguel (Minha Luz) organizou, com grande êxito o segundo Pic-Nic das Caldas e conheci ao longo do ano novos amigos, alguns já reais, outros ainda virtuais; assim, a lista de blogs cresceu em quantidade e qualidade e apenas lamento o desaparecimento da blogo de alguns “velhos” amigos, mas a vida é assim mesmo.

Claro que também, no plano estrito da blogosfera, se verificou algo que me entristeceu, pois alguém que apareceu, e tem toda a legitimidade de aparecer, na blogosfera, mostrou por várias formas que tem uma forma bastante particular de ver os outros blogs, e chegou ao ponto de me ter como alvo num post que fez, mas enfim, como na altura disse: “Os cães ladram e a caravana passa”.

Não posso deixar de ter uma palavra de agradecimento a todos os que me lêem, comentam e fazem o favor de ser meus amigos: o Whynotnow não faria hoje três anos sem todos vós.

E uma última referência para o meu grande apoio, dos dias bons e maus, o meu querido Déjan, que vou reencontrar daqui a pouco mais de uma semana; mas a ansiedade sobe dia a dia…

Beijos e abraços para tod@s.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

"Patrik 1.5"

Como estava prometido no programa de governo do PS, no período eleitoral das legislativas, o casamento entre pessoas do mesmo sexo faz realmente do programa deste novo governo e deve ser aprovado com facilidade nesta legislatura e até com alguma rapidez. De fora fica um outro anseio da comunidade LGBT, porventura de mais difícil aceitação e que é a adopção de crianças por casais homossexuais, embora na prática o mesmo seja “legal” desde já, pois basta não afirmar que são duas pessoas a quererem adoptar a criança, mas apenas uma, para tal ser possível…

Há países onde a adopção por casais é desde já legal, e entre eles está a Suécia.

Neste momento, tem pois cabimento falar de um interessante filme que passou no recente Queer Lisboa e que se chama “Patrik 1.5” da realizadora Ella Lemhagen e datado do ano passado.

Muito resumidamente trata-se de um casal gay, Goran e Sven que vão adoptar um órfão, Patrik 1.5, mas quando Patrik chega, ele não é afinal o rapazinho que eles estavam à espera. Uma vírgula fora mal colocada, e eis que aparece um rapaz homofóbico de 15 anos, com um passado criminal.

Toda a acção que então decorre leva inclusive à separação do casal, mas tudo acaba a contento.

Filme muito interessante e que deve ser visto e apreciado devidamente.

domingo, 1 de novembro de 2009

87 anos


Vou hoje para a Covilhã, a fim de passar o aniversário da minha Mãe, amanhã dia 2 de Novembro, com ela.

O ano passado estava em Milão e portanto não lhe pude fazer companhia; senti-me desconfortável e pesaroso, pois na sua idade e embora o seu estado de saúde esteja normal, nunca se sabe quando será o último.

Prometi a mim mesmo, que a partir deste ano, sempre passaria com ela este dia e assim farei: faz 87 anos e teve um ano muito difícil, pois perdeu uma filha o que a levou além da dor natural de uma mãe que perde um filho, à revolta de não ter sido ela a partir, pois seria a lei natural das coisas…

Será uma estadia curta, mas que me dá muito gosto.

A ela, no dia do seu aniversário, quero deixar a poesia eterna de Eugénio de Andrade:

“No mais fundo de ti
Eu sei que te traí, mãe.

Tudo porque já não sou
O menino adormecido
No fundo dos teus olhos.

Tudo porque ignoras
Que há leitos onde o frio não se demora
E noites rumorosas de águas matinais.

Por isso, às vezes, as palavras que te digo
São duras, mãe,
E o nosso amor é infeliz.

Tudo porque perdi as rosas brancas
Que apertava junto ao coração
No retrato da moldura.

Se soubesses como ainda amo as rosas,
Talvez não enchesses as horas de pesadelos.

Mas tu esqueceste muita coisa;
Esqueceste que as minhas pernas cresceram,
Que todo o meu corpo cresceu,
E até o meu coração
Ficou enorme, mãe!

Olha - queres ouvir-me? -
Às vezes ainda sou o menino
Que adormeceu nos teus olhos;

Ainda aperto contra o coração
Rosas tão brancas
Como as que tens na moldura;

Ainda oiço a tua voz:
Era uma vez uma princesa
No meio do laranjal...

Mas - tu sabes - a noite é enorme,
E todo o meu corpo cresceu.
Eu saí da moldura,
Dei às aves os meus olhos a beber.

Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo as rosas.

Boa noite. Eu vou com as aves.”

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

"Sleeping Betty"

Uma adaptação do célebre conto infantil de Perrault "A Bela Adormecida", realizada com mestria pelo realizador canadiano Claude Coultier, em 2007.
Deliciosamente divertido e desconcertante...

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

I'd rather dance with you

E que tal dançar ao som dos "Kings of Convenience" ????

E esta banda norueguesa vai estar em Portugal, para a semana: dia 2 de Novembro, em Braga, e no dia 4, no Coliseu de Lisboa. As meninas do ballet é que não virão...

sábado, 24 de outubro de 2009

Luz Verde


Há uns dias atrás publiquei uma entrada – “Cartão Vermelho”, na qual dava continuidade a um interessante desafio de nomear dez factos ou pessoas que por algum motivo não fossem alvo da minha simpatia. Arrumada a questão deveria nomear dez blogs para continuarem essa corrente; note-se que não se trata de prémios ou “selos” dos quais a blogosfera está cheia e que, nalguns casos, até são criados para aumentar o número de leitores/comentadores.

Dos blogs nomeados, alguns não “acusaram a recepção”, mas outros houve que responderam e de entre eles, pela sua originalidade destaco a resposta da Denise, que desafia alguns blogs, entre os quais os dois que a nomearam a citar o oposto, ou seja aquelas pessoas ou situações que nos merecem , sem reservas luz verde. É um desafio pela positiva e só por isso merece logo o meu apoio, pois há sempre a tendência para criticar, apontar defeitos e citar pessoas que não nos são simpáticos; e como não é mais um desafio para dar seguimento, mas sim ficar por aqui, é com gosto que aceito destacar agora, em termos gerais, grupos de pessoas ou situações que me estimulam e me fazem acreditar que pode e deve haver dias felizes.

Sem qualquer critério de ordenação passo a citá-los:

- Os que lutam pela Paz, em diversos campos.

- Os que alegram o nosso viver, pois o riso, ou pelo menos o sorriso é essencial à vida.

- Todos aqueles que através da música e do canto, nos mais variados géneros, nos acompanham e estimulam

- Os que através dos seus escritos, quer ficcionados, quer reais nos aumentam o saber e nos transmitem conhecimentos.

- Os que remam contra a maré da descriminação, em relação a todas as minorias, de raça, de orientação sexual, de credos religiosos e de outros grupos marginalizados (ciganos, prostitutas, emigrantes, sem abrigo…eu sei lá!)

- Os que através da Amizade, nos ajudam a ser felizes e menos sós.

- Os nossos Amores – Déjan, amo-te muito!

- As “Mães”, pois nada no mundo se pode comparar à felicidade e à dor de trazer à vida um novo ser.

- Os sonhos que nos povoam; sem eles a vida seria uma monotonia.

- A nossa auto estima, já que se não gostarmos de nós quem gostará?

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Animação masoquista

Uma fabulosa animação de Patrick Smith, realizada em 2006, que nos mostra, ao som de uma boa música, o lado masoquista de um jovem admirador de fantoches...

terça-feira, 20 de outubro de 2009

A forma e não o conteúdo

Muito se tem falado nos últimos dias sobre as declarações de José Saramago sobre a Bíblia, na apresentação da sua última obra.
Não sou nem um leitor assíduo do Nobel português, nem um "expert" na percepção do conteúdo bíblico; portanto não vou fazer juízos de valor sobre o conteúdo do que foi dito, mas apenas e porque tenho a minha maneira de ver as coisas e o meu sentir, discordo e muito da forma como Saramago se referiu ao assunto.
Ele é um escritor, tem o seu mérito como tal e foi Nobel da literatura o que é uma honra para todos nós; além disso e antes que isso, é um ser humano, e como todos nós tem direito a proferir as suas opiniões.
Mas as opiniões de Saramago têm um alcance que não têm as minhas e as do homem comum, e ele sabe disso, pois é inteligente. Não quero acreditar que a sua evidente senilidade o leve a usar estas declarações como estratégia de promoção do seu livro; antes quero acreditar que ele se julga, e desde que recebeu o Nobel, mais que nunca antes, um detentor da verdade, um dogmático...
E é de uma arrogância chocante, como se fosse ele o centro do mundo. José Saramago é, na minha opinião, como Ary dos Santos, por outras razões (pessoais, que aqui expus), o exemplo de que deve separar-se a obra, do ser humano que a produziu.
A obra de Saramago é objectivamente muito meritória, embora eu não o endeuse, como muita gente faz, mas o homem que ele é nunca me entusiasmou, tendo mesmo na sua vida situações que reprovo frontalmente, sendo a maior a sua passagem pela direcção do Diário de Notícias, em pleno PREC e que é das maiores nódoas do jornalismo português, ao praticar uma censura interna total, contrariando assim a democracia que sempre disse defender; mas era a "sua" democracia, não a democracia.
Que continue a escrever livros que serão sempre acarinhados pela sua legião de admiradores, sejam bons ou menos bons, lá na sua ilha onde se auto exilou de um país de que parece não gostar, mas tanto tributo lhe tem mostrado.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Castanholas

Um vídeo absolutamente maravilhoso; a execução de uma conhecida obra musical, tendo como solista...em castanholas uma senhora mexicana, absolutamente fantástica: Lucero Tena!!!
Espectacular! Fabuloso!!
Mais uma vez agradeço à Ana, o envio deste vídeo.

sábado, 17 de outubro de 2009

"Mulligans"

De entre os últimos filmes de temática LGBT que tenho visto, venho hoje falar do filme datado do ano passado “MULLIGANS”, realizado por Chip Hale, e com argumento de Charlie David, que interpreta também o principal papel.

Trata-se não de um filme de amor, nem sequer de paixão, mas da constatação de que há pessoas que têm “problemas” consigo próprias e que guardam dentro de si, dando a ideia do que realmente não são.

Uma família canadiana vive uma vida feliz e sem problemas e tudo começa quando o filho mais velho traz consigo um colega da universidade para passar o período de férias na sua bela casa, à beira de um lago.

Esse amigo, Chase é interpretado por Charlie David, conhecido actor assumidamente gay (Dante’s Cove - A Four Letter Word), que escreveu o argumento; e está em Charlie David o único erro do filme, pois tem demasiada idade para interpretar o papel de um jovem ainda não licenciado e que acaba por despoletar uma homossexualidade sempre reprimida em Nathan, o dono da casa e feliz marido e pai daquela família; Nathan tem a defender o seu papel um actor muito bom (em todos os sentidos) e que é Dan Payne. Ele e Thea Gill, que interpreta a sua mulher são quem mais se distingue na representação.

Não há um “happy end” nem para um lado nem para o outro e as pessoas, depois dos acontecimentos vividos, seguem os seus destinos, pois como se diz no trailer, por vezes não há segundas chances.

Não sendo um filme excelente, é muito interessante pois fala num assunto importante, e de uma forma nada especulativa ou carregada de dramatismo: a importância da homossexualidade na vivência familiar.

Será um exemplo para muitos casais que vivem uma vida “feliz”, mas de mentira.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009